Gerson Victalino, ouro no Pan de 1987, morre aos 60 anos

Gerson Victalino, ex-jogador de basquete do Brasil — Foto: Divulgação / CBB – Foto: Divulgação

Gerson Victalino, ex-jogador da seleção brasileira de basquete, morreu nesta madrugada, aos 60 anos. A informação foi divulgada pela Confederação Brasileira de Basquete (CBB) na manhã desta quarta-feira
Em 1987, a Seleção Brasileira de Basquete derrotou o time americano dentro da casa dos adversários na final dos jogos Pan-Americanos e um dos jogadores daquela equipe era o pivô Gerson.
Gerson começou no basquete aos 18 anos, mas primeiro se destacou no futebol por conta de sua altura. Fez sua estreia como profissional em 1979, pelo Ginástico, em Minas Gerais. Em 1981, atuou pela primeira vez na Seleção Brasileira, no Sul-Americano, sob comando de Claudio Mortari, anotando sete pontos na vitória sobre o Chile por 100 a 43, em Montevidéu, e desde então fez uma carreira linda com nosso manto, sendo o atleta que mais vezes vestiu a camisa do Brasil, se despedindo na Olimpíada de 1992, no jogo que decidiu o quinto lugar para o país diante da Austrália, com 14 pontos. Entre Olimpíadas, Mundiais, Copas Américas, Sul-Americanos e Jogos Pan-Americanos, Gérson fez 93 partidas em torneios FIBA pela Seleção Brasileira.
O ex-atleta defendeu Monte Líbano, Corinthians, Lençóis Paulista, Jales, Manresa-ESP, Sport-PE e Remo, onde se aposentou em 2002. Pelo Brasil, Gerson esteve em quadra no título do inesquecível Pan de Indianapólis 1987, diante dos Estados Unidos. Ainda jogou três Olimpíadas, em Los Angeles 1984, Seul 1988 e Barcelon 1992. Vestiu a camisa do Brasil de 1981 a 1994. Aposentou-se em 2002.
Em 2020, Gerson Victalino foi homenageado pela CBB como um dos nomes das Conferências do Campeonato Brasileiro Adulto, com um selo comemorativo. ” Me senti lisonjeado com esta homenagem. Ser escolhido dentre tantos nomes que fizeram e fazem história no nosso basquete. Quando recebi essa notícia, fiquei em êxtase, pois sei a importância de ter o nome vinculado a um evento da CBB – disse Gerson na ocasião.
O pivô lutava para vencer um outro adversário, a esclerose lateral amiotrófica (ELA) que faz que a pessoa perca progressivamente os movimentos.


“Meus pêsames à família, era meu amigo, fez abertura de olimpíada no Clube Atlético Ypiranga (CAY), na época fez seu casamento em nosso salão, mineiro gente boa, tentei localizá-lo havia uns tempos atrás quando soube que estava doente, mas não consegui. Vai com Deus, Gersão” declarou Roberto Nappi, ex-presidente do CAY. segundo Nappi, Gerson morou na Vila Carioca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.