Dia: 30 de abril de 2015

Concordância

concordancia

Ilustração Nina Rocha

 

Concordância

 

O sujeito é simples,
um elemento bom,
objeto direto de todos os negócios.

O sujeito não leva o anteposto.
Feito concreto, parado, imóvel.

Os sujeitos resumidos por tudo, por nada, ninguém, unidos ou infinitos a espera de um artigo qualquer, ou simplesmente unidos por nem, ninguém.

O coletivo, somente alguns sujeitos, um e outro, nem e outro, concordando ou não, unidos ou desfeitos.
Por Gilberto da Silva em O Olhar de quem nunca me conheceu

Anúncios

Dia do Ferroviário: quem colocará, novamente, o Brasil nos trilhos?

banner-dia-ferroviario-3-1024x230

Em 30 de abril de 1854 foi inaugurada a primeira linha ferroviária do Brasil, o que fez com que data se transformasse em o Dia do Ferroviário, profissional que trabalha nas estradas de ferro. A primeira linha ferroviária do Brasil foi inaugurada com a presença com a ilustre presença do imperador Dom Pedro II e da imperatriz Tereza Cristina. A Estrada de Ferro Petrópolis, que tinha cerca de 14km de trilhos, ligava o Rio de Janeiro a Raiz da Serra, na direção da cidade que batizou a ferrovia. Ela foi um empreendimento do Barão de Mauá, que obteve o monopólio da linha por quatro anos. de Mauá.

 

Getúlio Vargas em 1930 pegou um trem no Rio Grande do Sul e seguiu para o Rio de Janeiro, conduzindo as tropas gaúchas que iriam depor o presidente Washington Luís e começar um novo período da história nacional. Da mesma maneira, viajavam de trem as tropas paulistas que se insurgiram contra Getúlio em 1932, lutando pela promulgação de uma nova Constituição.

 

Apesar de atualmente não se dar o valor merecido ao transporte ferroviário, ele tem presença significativa na história, principalmente quando se remete as locomotivas, tanto no transporte de passageiros quando de cargas na construção do País.

thumb

Na década de 1950, o trem era o principal meio de transporte entre as duas maiores cidades do país: São Paulo e o Rio de Janeiro. A ponte aérea só surgiria em 1959. Contudo, não foi o avião, mas a indústria automobilística, que o presidente Juscelino Kubitschek trouxe para o Brasil, na virada da década de 50 para a de 1960.

Aqui fica a homenagem a todos os trabalhadores ferroviários, uma categoria que luta para que malha ferroviária brasileira aumente e o transporte de passageiros se torne prioridade. Quem colocará, novamente, o Brasil nos trilhos?