PODCAST DO GIBA

Hoje vamos falar sobre o Jornalista baiano José Cipriano Barata de Almeida (26/9/1762-7/6/1838), um dos mais combativos defensores da independência do país do período do Império
No Moinho Velho, Ipiranga, São Paulo tem uma praça localizada entre Rua Belgrado e a Rua Drava denominada Praça Arvers. Poucos sabem, mas este nome estranho é uma homenagem feita em 1954 ao poeta francês Alexis Félix Arvers, um poeta da época do romantismo que tornou-se famoso no mundo inteiro, por causa de um soneto sem nome e que posteriormente ficou mundialmente conhecido como O Soneto de Arvers, escrito em 1831.
ARVORE DAS LÁGRIMAS. A árvore mais antiga da cidade de São Paulo vive no Sacomã, no Ipiranga, A Ficus organensis, que dá nome à Estrada das Lágrimas.
Entrevista com Emerson IKE COAN meste em comunicação e profundo conhecedor e estudioso do Clube da Esquina
O líder comunitário Nazareno Antonio da Silva, mais conhecido como Buiu, 36 anos, veio do Pernambuco com dois anos de vida em busca de oportunidade “minha mãe veio em busca de sobrevivência para os seus seis filhos” e foi morar no Núcleo da Lagoa, na comunidade de Heliópolis.
O Heliópolis “não nasceu da ocupação da população e sim da ocupação do poder público, pois a princípio era um alojamento provisório que ficava nas Juntas Provisórias feito para atender moradores da Favela da Vila Prudente.” Este alojamento durou quase 32 anos. Buiu relembra os primeiros momentos de vida no bairro; “quando a gente chegou, o Heliópolis era tudo barro, não tinha energia elétrica, não tinha água”. Para a liderança, muito já foi feito, mas muito ainda precisa ser feito, principalmente no Núcleo da Lagoa onde cresceu, no local ainda hoje “as pessoas ainda vivem em situação desumana”.
“Nós avançamos muito nesses anos no sentido de organização popular várias lideranças históricas, podia citar várias, muitas delas nem estão mais aqui entre nós, como o João Miranda, Cidinha do Pam, Simone Aguida, Miltão, entre outras.”
O líder comentário relatou que naquela época da formação do Heliópolis havia uma presença muito forte da pastoral da criança, pastoral da moradia e das Comunidades Eclesiais de Base, tinha muita procissão e oração nas casas. Este trabalho acabou formando muitos líderes: João Miranda, Cleide, Miguel Borges Leal e várias outras pessoas que no meio do caminho foram cuidar da vida pessoal. “Muito terço foi realizado na minha casa. Minha mãe era muito ligada ao catolicismo. Hoje Heliópolis mudou e tem uma atuação muito firme da Igreja Evangélica”, relata.
Buiu é fruto desta luta comunitária! Foi aluno dos projetos sociais da UNAS – União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região, uma entidade sem fins lucrativos surgida em meados dos anos 1980 da luta dos moradores da comunidade de Heliópolis. Hoje Buiu é um ator nas articulações por políticas públicas na região.
Hoje, Buiu atua na comunidade do Heliópolis contribuindo para a transformação social com a implementação de políticas públicas voltadas para a inclusão de crianças e adolescentes. por melhores e maiores investimentos nas áreas sociais e na infraestrutura para o crescimento da economia e mais emprego incluindo a sustentabilidade, educação e cultura.
Saudade do Heliópolis para Buiu é “saudade de uma união que já foi mais forte, do povo que era mais unido, toda a população era mais unida, a gente percebe que hoje as pessoas estão muito individualizadas, estão todos em seus guetos e a nós não podemos ficar em cima do muro diante do processo político que estamos vivendo neste país”.
Entrevistas


Exibir mais
Leitura de um poema de amor de Pablo Neruda que consta no livro Veinte poemas de amor y una canción desesperada – Editora Pehuén, Chile.
O livro é de poesias, mas bem poderia ser um livro de crônicas. Ou será uma crônica-poesia? Mas poderia ser também um livro reportagem, um retrato escrito poeticamente na desgraça que é ser nas ruas onde não ser igual já é um enorme diferencial. O Zeh Gustavo, nosso contrarresiliente fala (ou melhor escreve, descreve e reescreve) o que o engasgado está por nós.
Vá devagar, o livro tem seu público e tem seu selo antifascista, portanto, não espere que nele impere cápsulas antipedagógicas oprimidas. Aqui a escrita é trans! Transbolzonarizado, transacomodado, transeunte..
  • por Vitrine do Giba
    Esportes 80
  • por Vitrine do Giba
    Esportes 80 é na Vitrine do Giba! A Copa do Mundo de 1986 Recusada por vários países entre eles o Brasil, a Copa do Mundo de 1986 acabou sendo sediada no México, onde o Brasil tinha sagrado campeão em 1970. As eliminatórias contaram com a participação de 119 seleções e chegaram ao México como favoritas […]
  • por Vitrine do Giba
    Esportes 80, Vitrine do Giba, no Boxe, surge Maguila!
  • por Vitrine do Giba
    Esportes 80 é no Podcast da Vitrine do Giba! Ricardo Prado foi um de nossos melhores nadadores brasileiro da década de 80.