Humor

Escola de Samba Acadêmicos Unidos de Frankfurt

Por Gilberto da Silva

Gilberto da Silva é jornalista e sociólogo da Prefeitura do Município de São Paulo. Graduado em Jornalismo pela FIAM e Ciências Políticas pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Mestre em Comunicação pela Faculdade Cásper Líbero. É editor do site Revista Partes (www.partes.com.br) e pesquisador do grupo de pesquisa Comunicação e Sociedade do Espetáculo na linha de pesquisa A Teoria Crítica e a Comunicação na Sociedade do Espetáculo organizado pela Cásper Líbero e coordenada pelo Prof. Dr. Cláudio Novaes Pinto Coelho.

Agora que a folia acabou, vou explicar para vocês como aconteceu o desfile da Escola de Samba Acadêmicos Unidos de Frankfurt, mais conhecida como Escola de Frankfurt, nas passarelas do samba pelo Brasil afora.  Os críticos, que fingem que assistem, teimam em classificá-la como uma escola melancólica, sem muita originalidade e não muito ligada a sua comunidade . Mas ouso afirmar que ela é uma explosão de alegria que na critica elenca projetos sociais e culturais que ajudam a comunidade a ir além da folia cumprindo com o seu papel de responsabilidade social.

O Enredo da escola em cada ano que sai na avenida é um misto composto de um desenvolvimento teórico baseado nas tendências filosóficas e sociais de tradicionais intelectuais de esquerda. Com base nesta tradição a cada ano um novo tema é introduzido na expectativa de dar conta das reivindicações da modernidade.  Na montagem do enredo, a Escola de Frankfurt pensa na totalidade da crítica, na sua historicidade, no desenvolvimento da crítica econômica ao capitalismo excludente. O enredo é sempre uma história com começo, meio e fim em que a originalidade e a maneira em que a história é contada vale muito.

De acordo com o regulamento praticado com a maioria das organizações de carnavais, a Comissão de Frente deve ter no mínimo 10 e um máximo de 15 componentes. Diante da história da nossa escola desfilam: Adorno, Walter Benjamin, Herbert Marcuse, Erich Fromm, Habermas, Neunann, Kircheimer., Horkheimer, Friedrich Pollock, Leo Lowental entre outros. Os jurados consideram aspectos como criatividade, coordenação e sintonia na exibição, bem como o figurino e indumentária apresentada pelos integrantes da ala. Na nossa escola sobressaem alguns personagens tais como Adorno, Horkheimer e Benjamin. Mas temos outros mestres na arte da coreografia com seus movimentos sincronizados.

No quesito Porta Bandeira e Mestre Sala a elegância e o respeito ao estandarte deve ser levando em consideração. Mira Komarovski russa e residente nos USA foi uma das pioneiras das questões de gênero e, portanto, nossa porta bandeira. É um caso raro de mulher na escola, mas os frankfurteanos prometem adequação aos novos tempos de empoderamento feminino em carnavais futuros. Max Horkheimer é o nosso mestre sala capaz de ir de um enredo a outro sempre com estilo, sempre com movimentos próprios do bailado, como os meneios, mesuras, meia-voltas.  A escola está selecionando sua Segunda Porta Bandeira e Mestre Sala…

Nossa Bateria é comandada pelo Mestre Adorno. Rígido no compasso, nosso mestre está sempre ditando o ritmo e a consistência do samba. Mestre Adorno cuida de seus ritmistas com muita dureza e trabalho para que estes não saiam da sintonia. Sempre pensando em melhorar seus instrumentos, mestre Adorno procura libertar o pensamento da escola das ortodoxias cegantes do capitalismo, pois o “mal está nas relações que condenam o homem à impotência e à apatia”. Quem desafinar tá fora! A rainha da bateria ainda não foi escolhida.

Em Harmonia, -um dos quesitos mais complicados do Carnaval, a Escola de Frankfurt trabalha no sentido de que o entrosamento entre seus membr0s – sempre tão geniosos – não atrapalhem os demais quesitos da escola.  Quem atravessar o samba tá ferrado! Aqui, Mestre Benjamin não deixa a aura cair.

O Samba Enredo da Escola de Frankfurt é sempre escolhido de forma a proporcionar uma ideia clara da história a ser contada. O tema deste ano foi Não fui eu e nem Ele Não: a dialética do esclarecimento diante da atrofia da racionalidade. Durante os anos de existência da escola tivemos maravilhosos samba enredos, tais como:  A Eclipse da Razão, nem orixás, nem mangás na terra do progresso desenfreado; Sobre o problema da verdade: samba no pé nas origens da fakenews; Teoria Crítica de volta ao passado, a cultura brasileira diante do homem unidimensional; Minima Moralia, os aforismo remanescentes da cultura de massas tupiniquim; e entre demais: A teoria critica na época do renascimento.

No quesito Fantasias, nosso mestre Fromm – o mais rico herdeiro de Freud – cuida com amor e carinho da confecção e do acabamento das roupas que retratam a realidade do nosso enredo, do amor, do ódio, da individualidade e do narcisismo. Mestre Fromm trata de todos os detalhes para que no item Fantasias, a escola saia perfeita. Mas membros da escola em nota de divergência alegam que Fromm está aos poucos abandonado os princípios da comunidade. Sua saída da agremiação é uma questão de tempo. A Velha Guarda está sempre de olho!

Em Alegorias e Adereços, Marcuse entra na guerra com tudo, mostrando sua capacidade performática ajudando a contar uma história que não se resume a apenas obedecer a uma ordem estabelecida. O protesto social deve ser retratado de forma a não perder a sua racionalidade. A provocação e a contestação deve existir de forma que a escola não seja engolida pela tecnologia.

Os componentes da Escola de Frankfurt dançam de acordo com o ritmo da bateria e do samba? Humberto Eco e Luckács tratam de desmentir e de afirmar o contrário. Seria a escola uma entidade apocalíptica?

A Escola de Frankfurt passa – enquanto as escolas de origens marxistas culturais puderem desfilar -pelo público com um curso regular, quer queira ou não seus críticos e algozes. A escola tem momentos em que para por muito tempo (vazio cultural) e depois corre para compensar (ascensão dos movimentos culturais). Nesta hora, alguns destaques extras são convidados a desfilar sua crítica no espetáculo, como críticos iguais a Debord. Estes destaques ajudam compensar alguns vazios deixados na avenida. Existem “buracos” entre as alas ou elas se misturam? Esses são alguns pontos observados pelos julgadores de Evolução. Inúmeros são os intelectuais a cuidarem deste quesito. Para não deixar vazios, fatídicos buracos que podem afetar a reputação da escola, sua diretoria tem investido em formação e em muito estudo da dinâmica do carnaval.

A escola nem bem terminou o carnaval deste ano já está preparando seu novo enredo para o próximo ano. Aqui o fechamento do universo do samba não acaba!

Publicado originalmente na Revista Partes:

http://www.partes.com.br/2019/03/10/escola-de-samba-academicos-unidos-de-frankfurt/

Anúncios

Aberrações políticas

Por Gilberto da Silva

No passado, as chamadas “aberrações humanas” eram utilizadas como atrações nos circos, os chamados circo de horrores (“freak shows”). Eram seres com anomalias genéticas em sua maioria. Pessoas com deformidades que eram abandonadas pela família e o donos dos circos os “adotavam”.

Pessoas como a Mulher Barbada, entre elas a famosa Annie Jones Elliot que possuía uma barba desde os nove meses de idade e que chegou a ganhar em dólares o equivalente ao então presidente dos Estados Unidos. Tinha de tudo: gêmeos que nasceram grudados (os famoso irmãos siameses), o garoto lagosta, a mulher mais feia do mundo, a mulher de quatro pernas,o homem elefante, anões e todo tipo de bizarrice.

O tempo, com a ajuda maravilhosa da Medicina, fez com que as pessoas passassem a entender que essas pessoas não eram bichos e sim humanos com anomalias genéticas.

Na Sociedade do Espetáculo essas aberrações entraram para o cenário da Política. No Brasil temos exemplos enorme de aberrações, que longe da genética, persiste na aberração ética, moral e intelectual. Nem dá pra exemplificar pois corro o risco de esquecer “atores! importantes!

 

Oddity Fat & Skinny Man, os “boxeadores circenses

De Lisboa, parte esquadra de Cabral

9 de março de 1550. A frota de Cabral parte de Lisboa, em Portugal. Se preparem: vai dar merda! O endereço inicial era as Índias. Era? Do  Rio Tejo parte Cabral, com aproximadamente 1400 homens, numa nova aventura. A chegada ao Brasil se deu 44 dias depois, no dia 22 de Abril. Deu merda?

Enquanto tentam descobrir quanto ganha um procurador, procura-se o dono do celular

AR-305239565

Nossa Câmara Municipal de São Paulo tem sempre algumas ocorrências hilárias, vejam essa ocorrida durante a 76ª SESSÃO ORDINÁRIA em 07/12/2017:

 

O SR. PRESIDENTE (Milton Leite – DEM) – Tem a palavra, pela ordem, o nobre Vereador Adilson Amadeu.
O SR. ADILSON AMADEU (PTB) – (Pela ordem) – Sr. Presidente, quero fazer um alerta aos demais Srs. Vereadores sobre algo que aconteceu hoje comigo. Recebi no gabinete algumas denúncias que vieram da região da Vila Maria/Vila Guilherme e, como não posso prevaricar como Vereador, fui verificar. Pedi ao Prefeito Regional de Vila Maria/Vila Guilherme, Sr. Dário José Barreto, e ao seu Chefe de Gabinete, Sr. Samuel Renato Machado, que tomassem providências quanto ao fato de que alguns agentes do Município têm visitado vários estabelecimentos comerciais – inclusive alguns que estão para inaugurar em área do Município – e simplesmente apresentado um ofício da  Prefeitura usando nome de Vereador.
Sr. Prefeito Regional Vila Maria/Vila Guilherme e Sr. Chefe de Gabinete, verifiquem se realmente essas denúncias procedem.
Se não procederem, é só me avisar.
Aproveito a oportunidade para esclarecer uma fala minha num direito de resposta envolvendo a Vereadora Soninha no dia de ontem. Para encerrar o assunto, peço desculpas à nobre Vereadora Soninha e também ao Vereador Caio, mas acho desnecessário o que V.Exa. postou na rede, pois seus eleitores não são os meus eleitores.
Aliás, foi um eleitor seu, taxista, que me avisou sobre a maneira que V.Exa. se portou: “Não posso concordar com ofensa e tratamento desrespeitoso”. Eu quero aqui pedir desculpas a todos os membros da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa – o Presidente Mario Covas Neto está aqui. Eu não retiro o que falei, porque falei do lobby, dos procuradores do Município, que andam por aí. A Sra. Presidente
da Associação dos Procuradores é uma lobista profissional, não retiro nada do que falei.
O SR. CAMILO CRISTÓFARO (PSB) – (Pela ordem) – Quanto ganha um procurador, nobre Vereador?
O SR. ADILSON AMADEU (PTB) – (Pela ordem) – De 30 a 90 mil, por mês. É por produtividade.
O SR. CAMILO CRISTÓFARO (PSB) – (Pela ordem) – Mas ele tem honorários quando ganha alguma coisa?
O SR. ADILSON AMADEU (PTB) – (Pela ordem) – Ele ganha no escritório particular, que boa parte dos procuradores tem, boa parte.
O SR. CAMILO CRISTÓFARO (PSB) – (Pela ordem) – Eu não sabia. Eu não sabia.
O SR. ADILSON AMADEU (PTB) – (Pela ordem) – Eles têm, também. Eles não trabalham só para o Município, eles trabalham na produtividade. É muito dinheiro. Então, nobre Vereadora Soninha Francine, desculpe. Eu prometo que estarei mais bem preparado para ver as ações certas.
O SR. CAMILO CRISTÓFARO (PSB) – (Pela ordem) – Mas qual é o salário de um procurador?
O SR. ADILSON AMADEU (PTB) – (Pela ordem) – Não sei, é três vezes mais do que o do Vereador.
O SR. PRESIDENTE (Milton Leite – DEM) – Srs. nobres Vereadores, não é comum esta Casa oferecer serviços de utilidade pública, mas como o sanitário é de um dos Srs. Vereadores,
alguém esqueceu um celular. Não sei de quem é.
Neste momento, vou suspender a sessão para a reunião conjunta do Congresso de Comissões