Meio Ambiente

FecomercioSP e GREEN Eletron recolhem 663 quilos de eletroeletrônicos, pilhas e baterias portáteis

images
O material, coletado durante a Conferência de Produção Mais Limpa,
foi encaminhado para a destinação ambientalmente correta

São Paulo, 13 de junho de 2018 – A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do seu Conselho de Sustentabilidade, realizou uma campanha de Logística Reversa na 17ª Conferência de Produção Mais Limpa e Mudanças Climáticas, no dia 4 de junho, em São Paulo. O evento anual discute os pilares da sustentabilidade (ambiental, econômico e social) e é iniciativa da Câmara Municipal de São Paulo, em parceria com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente.

Cerca de mil pessoas participaram da conferência e descartaram aproximadamente 663 quilos de pilhas, baterias portáteis e eletroeletrônicos pós-consumo no estande da FecomercioSP junto com a GREEN Eletron, gestora criada pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). A Federação e a GREEN Eletron ainda distribuíram cartilhas sobre Logística Reversa de pilhas e baterias portáteis e orientou os presentes sobre o descarte correto dos materiais.

Esses produtos pós-consumo não podem ser depositados no lixo doméstico (comum), pois podem possuir substâncias que contaminam o solo e a água. A resolução CONAMA 401/2008 e a lei 12.305/2010 orientam sobre o descarte desses produtos no que tange a sistema de logística reversa.

O presidente do Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP, José Goldemberg, ressalta que campanhas são importantes para informar as pessoas da necessidade de segregar esses tipos de produtos do lixo doméstico, e onde encontrar os pontos de entrega para o descarte responsável. “A cidade de São Paulo conta com pontos de entrega para vários produtos. É preciso que todos participem”, disse Goldemberg.

A GREEN Eletron será responsável pelo encaminhamento para triagem, desmonte, reciclagem e disposição final dos rejeitos. Assim, parte do material poderá ser utilizada como matéria-prima para novos produtos, fechando o ciclo de Logística Reversa. O processo minimiza impactos ambientais como contaminação de solo, lençóis freáticos e cursos d’água e ainda permite que recursos minerais, água e energia sejam poupados, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de toda a sociedade.

“Precisamos entender que o equipamento Eletroeletrônico e as pilhas e baterias portáteis só vão ter a destinação adequada se for corretamente descartado”, afirmou o presidente-executivo da Abinee e da Green Eletron, Humberto Barbato. “Esses sistemas de Logística Reversa são os primeiros passos que estamos dando em direção a um mundo mais sustentável”, completou.

A FecomercioSP dispõe de uma plataforma de Logística Reversa (www.fecomercio.com.br/projeto-especial/logistica-reversa) que auxilia consumidores, empresas e sindicatos na adoção da Logística Reversa, e quaisquer dúvidas podem ser enviadas para o e-mail logisticareversa@fecomercio.com.br

A GREEN Eletron também possui um site que apresenta orientações e informações aos consumidores, sobre os sistemas de Logística Reversa que gerencia, confira no link: https://www.greeneletron.org.br/

Segundo o idealizador da conferência, o vereador Gilberto Natalini, em 2009, a Conferência P+L e Mudanças Climáticas assumiu o compromisso de realizar campanhas de arrecadação de lixo eletrônico. “Na primeira Virada Sustentável, a campanha arrecadou 20 toneladas de lixo eletrônico e sempre somos favoráveis à realização de campanhas de conscientização da população, referente ao descarte correto”, disse Natalini.

Adesão aos termos de compromisso de Logística Reversa
Para ajudar os comerciantes que vendem pilhas, baterias portáteis e eletroeletrônicos a cumprir as determinações legais, a FecomercioSP, por meio do seu Conselho de Sustentabilidade, promove a adesão aos termos de compromisso de Logística Reversa mediante plataforma disponível em seu site. É gratuito, fácil e prático.

Realizado o cadastro, os comerciantes podem receber esses produtos pós-consumo dos clientes e encaminhá-los para destinação ambientalmente adequada, de responsabilidade do fabricante ou importador.

A plataforma de Logística Reversa da FecomercioSP também traz informações para os consumidores e sindicatos representantes do comércio. Por meio da ferramenta, os consumidores podem encontrar os pontos de entrega mais próximos de suas casas e se informar pela cartilha de Logística Reversa.

Com a vigência de quatro anos, o Termo de Compromisso para a Logística Reversa de Pilhas e Baterias Portáteis foi assinado em 23 de dezembro de 2016, por FecomercioSP, Abinee, Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e GREEN Eletron. O termo contempla os seguintes produtos: baterias portáteis, pilhas comuns de zinco-manganês, pilhas alcalinas e pilhas recarregáveis. Os pontos de entrega podem ser encontrados no portal http://www.fecomercio.com.br/projeto-especial/logistica-reversa/pilhas-e-baterias-portateis e também https://www.greeneletron.org.br/pilhas.

O termo de compromisso para a Logística Reversa de produtos eletroeletrônicos de uso doméstico, também possui vigência de quatro anos e foi assinado em 16 de outubro de 2017, pelas mesmas instituições do termo anterior, que dão destinação correta a produtos como aparelhos de telefone, celulares, videogames, acessórios eletrônicos, câmeras de foto e vídeo, impressoras, desktops, laptops, tablets, notepads, e-readers e similares. Os pontos de entrega específicos podem ser consultados na página: http://www.fecomercio.com.br/projeto-especial/logistica-reversa/eletroeletronicos.

Anúncios

Plantio no Heliópolis

6d7a3b34-f923-44e2-b8ab-9f0e0901f808

No próximo dia 10 de junho, domingo, o Cades Vila Mariana (Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz das Prefeituras Regionais) e a Agenda 2030 Vila Mariana, em parceria com as prefeituras regionais Vila Mariana e Prefeitura Regional Ipiranga, SVMA – Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e com o Cades Ipiranga, vão promover um plantio de 220 mudas da Mata Atlântica em comemoração à Semana do Meio Ambiente, na Rua João Lanhoso, 241, Heliópolis, distrito do Sacomã. O plantio será feito com a ajuda de voluntários e a participação de todos é fundamental. Crianças também são bem-vindas!

Geofísica: uma ferramenta auxiliar na avaliação de áreas contaminadas

O Parque CienTec fica dentro do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, conhecido como Parque do Estado, junto ao Jardim Botânico, ao Jardim Zoológico, e ao Observatório de São Paulo, na Zona Sul do município de São Paulo/SP.

Uma das grandes preocupações mundiais são os impactos ambientais causados pela disposição de resíduos gerados pela população, assim como por derrames acidentais de produtos químicos no solo, devido a migração dos contaminantes para o meio ambiente local e consequente contaminação dos solos e águas subterrâneas. Por ser uma metodologia de investigação indireta e não invasiva, os métodos geofísicos tem se mostrado uma excelente ferramenta para auxiliar a investigação de áreas contaminadas. Nessa palestra serão apresentados exemplos do uso da geofísica em lixões, aterros sanitários e áreas contaminadas por derrames de produtos químicos no solo.

Todos têm a responsabilidade de gerir o meio ambiente

Angela Maria Cabel Garcia -Crédito da foto: Paula Dizaró / Canção Nova

 

* Angela Maria Cabel Garcia

A preocupação com a preservação e conservação ambiental vem ganhando destaque nos últimos anos, principalmente, devido aos impactos que o uso irresponsável dos recursos naturais tem causado nos diferentes aspectos da sociedade como a economia, política, saúde e qualidade de vida.

Todos nós sabemos que a situação é séria e que precisamos de uma mudança global. Porém, corremos o risco de não identificar a responsabilidade que cabe a cada um de nós. É preciso admitir de forma pessoal que tudo o que hoje podemos observar e qualificar como desastre ambiental, perda  de biodiversidade, contaminação de água, solo e ar, tem um pouco da nossa contribuição.

O Papa Paulo VI, quando se referia à problemática ecológica, falava de uma crise, consequência da “atividade descontrolada” do ser humano. E quem não vive hoje uma tendência para esse consumismo? Infelizmente somos contagiados sutilmente, quando consumimos produtos  sem necessidade, levados pela agitação e pressão do dia a dia e, como consequência disso, aumentamos a geração de resíduos e emissões atmosféricas, e diminuem-se as reservas dos recursos naturais, muitas vezes não renováveis.

Somos livres, sim, temos liberdade para consumir, porém a obsessão pelo consumo faz de nós seres egoístas interessados unicamente nas nossas necessidades, sem olhar para o efeito que as nossas ações podem causar na vida das outras pessoas.

Dessa forma, a problemática ambiental tem no fundo uma crise social, porque “todos os progressos científicos por mais extraordinários que sejam, se não estiverem unidos a um progresso social e moral, voltam-se, necessariamente, contra o homem” (Paulo VI, discurso à FAO em novembro de 1970).

A encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, nos alerta claramente sobre essa realidade, explicando o princípio do bem comum e a responsabilidade humana. São atitudes simples, mas que se formos fiéis em aplicá-las dia a dia, terão um grande efeito. Como o consumo correto da água,  um recurso indispensável para a vida humana e para a sustentação dos ecossistemas.

Infelizmente ainda existe o uso inconsciente desse recurso tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles subdesenvolvidos, que contam com grandes reservas, principalmente, na América Latina. Precisamos cuidar das reservas e da qualidade!

Algumas dicas práticas para aplicar em casa são: garantir a correta vedação de torneiras e chuveiros para evitar vazamentos;  reaproveitar a água da máquina de lavar roupa; lavar a louça de uma vez; regar o jardim no horário certo; acompanhar o consumo indicado no hidrômetro de casa..Outros hábitos indispensáveis são: apagar as luzes durante o dia e nos lugares onde não houver pessoas; não deixar os aparelhos nem computadores em stand by; usar a máquina de lavar só quando ela estiver cheia;  colocar a geladeira longe do fogão e das áreas mais quentes da cozinha.

Quanto à geração de resíduos, nossa primeira opção deveria ser sempre a redução. Os aterros sanitários estão ficando cada vez mais cheios e ocupando mais espaço. Mesmo quando o lixo é disposto corretamente, muitas vezes, grande parte dele, que não é recolhida, é jogada diretamente nos rios e na terra.

Evitemos o uso de material plástico e de papel. Podemos separar os resíduos para facilitar a reciclagem e reaproveitar as coisas antes de jogá-las fora. Dessa forma, também contribuímos na conservação das matérias primas, que são recursos naturais.

Podemos ainda escolher o transporte público, utilizar bicicleta ou até fazer uma caminhada nos percursos que não necessitem de veículo automotor.

O momento difícil que enfrentamos no Brasil precisa nos ajudar a valorizar a riqueza que temos como recurso e nos levar a tomar atitudes diferentes. A humanidade nunca teve tanto poder sobre si mesma como tem hoje. Somos os únicos com a capacidade para transformar essa realidade!

* Angela Maria Cabel Garcia é missionária da Comunidade Canção Nova e engenheira ambiental.

 

Dia 22 – Dia Internacional da Diversidade Biológica

A biodiversidade é fundamental para assegurar a manutenção da vida, tal como a conhecemos hoje, na Terra

Neste dia, comemora-se a adoção, a 22 de maio de 1992, do Nairobi Final Act of the Conference for the Adoption of the Agreed Text of the Convention on Biological Diversity. Inicialmente, o dia da Biodiversidade comemorava-se a 29 de dezembro, data da entrada em vigor da Convenção da Diversidade Biológica. No entanto, em dezembro de 2000, a Assembleia-geral das Nações Unidas escolheu o dia 22 de maio como Dia da Diversidade Biológica, para comemorar a adoção do texto da Convenção. Esta alteração esteve também relacionada com o facto de os Estados terem dificuldade em realizar eventos a 29 de dezembro.

Projeto Água Viva

Um dos destaques de 2016 foi o Projeto Água Viva,; uma iniciativa da CATI que potencializa a produção de água e garante a sua qualidade nas bacias de captação do Sistema Cantareira. O Projeto está disponibilizado no site da CATI. O Projeto Água Viva mostra que a crise de água não é consequência apenas de fatores climáticos, mas concorrem com o seu agravamento o uso irracional dos recursos hídricos. O trabalho mostra que é possível amenizar as consequências e, em muitos casos, reverter as situações de crise, criando políticas e sobretudo consciência ambiental sobre o uso desse indispensável recurso natural. (http://www.cati.sp.gov.br/portal/themes/unify/arquivos/produtos-e-servicos/acervo-tecnico/recursos_naturais/ProjetoAguaVivaCATI2016.pdf)

São as águas de março…

adefesacivil

Todo o verão a cidade sofre com as fortes chuvas. De novembro a março, quando as chuvas são mais intensas, a população sofre os efeitos do alagamento de vias públicas,
inundações de residências, escorregamentos e quedas de árvores.
Resolver o problema não é fácil, nem rápido. Depende de obras caras e de longo prazo para remediar um problema antigo, mas estamos trabalhando para isto. Depende também da colaboração de todos. Lixo jogado nas ruas entope bocas-de-lobo, córregos e rios por onde a água escoa, além de servir como abrigo e alimento para ratos. (trecho de uma antiga cartilha da Defesa Civil da Cidade de São Paulo)

Entenda o desmanche do setor de saneamento no país

O setor de saneamento básico no país se vê diante de um grave ataque, após anúncio do governo federal de uma Medida Provisória, que visa modificar a Legislação Nacional de Saneamento Básico – Lei 11.445/2007. Entidades realizam o Seminário Nacional – “Garantir à Água como Direito e não Mercadoria”

O governo golpista de Michel Temer não tem medido esforços no sentido de avançar no processo de privatização de todos os serviços e empresas públicas. Seu objetivo a atender a agenda privatista imposta pelo capital nacional e internacional.

No setor do saneamento, na primeira tentativa, o governo designou como principal articulador do processo de privatização o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, que contratou consórcios de empresas para procederem à modelagem da privatização dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, para aqueles Estados que aderiram ao Programa de Parcerias e Investimentos – PPI (Lei 13.334, de 13 de setembro de 2016).

Como viram que a legislação do saneamento (Lei 11.445/07), traz uma série de entraves para que esse processo de consolide, resolveu alterar a lei numa “canetada”.

Num breve resumo pretendem, os defensores da privatização, acabar com o Contrato de Programa, instrumento que possibilita que um município possa contratar, através da gestão associada, uma empresa pública para a prestação dos serviços de saneamento básico. Além disso, a MP define que, a partir da sua aprovação, passa a ser necessário a edição de uma Proposta de Manifestação de Interesse – PMI, dirigida às empresas privadas, ou seja, os municípios terão que oferecer primeiro ao privado a operação daquele serviço, caso não haja interesse, aí sim o município poderá celebrar contrato com a empresa pública.

O presidente da FNU, Pedro Blois, reafirma que, “caso essa proposta siga adiante, o setor privado deverá manifestar interesse naquelas cidades onde a possibilidade de lucro maior seja garantido, os municípios não rentáveis continuariam com o poder público. Isso significaria um total desequilíbrio no saneamento básico, já que, o mecanismo de subsídio cruzado é o garante as condições para a prestação dos serviços”.

 

 

PROGRAMAÇÃO
Seminário Nacional – “Garantir à Água como Direito e não Mercadoria”
22/11/2017   – das 13h30 às 19h
Câmara dos Deputados – Brasília
Plenário 2 – Anexo II

Mesa de Abertura: Silvano Silvério da Costa(FAMA/DF) e Deputado Federal Paulo Teixeira -PT-SP(CDU)

Painel I: Os Conflitos pela Água
Mesa 1
: Desafios da disputa pela Água no campo
Coordenação:  Eduardo Luiz Zen – Movimento dos Atingidos por Barragens
Expositor: Gislei  MST ( a confirmar )

Mesa 2: Água e soberania popular
Coordenação:  Érica Ramos Andrade – Consulta Popular
Expositor: Iury Chaves P.Bezerra – Movimento dos Atingidos por Barragens ( MAB)

Painel II: Estratégia do capital sobre os bens naturais
Mesa 3
: A luta contra a privatização do saneamento básico
Coordenação:  Eliene Otaviano da Rocha – Coord. Frente Nacional pelo Saneamento ambiental ( FNSA)
Expositor:  Marcos Helano Montenegro – Secretário Geral da Assoc.Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental-ABES/DF

Mesa 4: Água como direito e não mercadoria
Coordenação: Washinton Fraga Guimarães- Diretor do Sind.dos Urbanitários-Goiás( STIEGO)
Expositor: Tatiana  Santana Timóteo Pereira – Vice Presidente da ABES/DF

Painel III: O Fórum Alternativo Mundial da Água – FAMA – como instrumento de luta
Coordenação: Amélia Fernandes – Diretora da Confederação Nacional dos Urbanitários ( CNU)
Expositor:  Fábio Giori Smarçaro – Secretário Nacional de Saneamento – FNU

PROGRAMAÇÃO
Reunião do Coletivo Nacional de Saneamento
Local: STIU-DF Sindicato dos Urbanitários no DF
Endereço: SCS QD 06 BLOCO A 7ª andar
Condomínio Ed Arnaldo Dumont Villares – Brasília

23 de novembro
. Mesa de Abertura
: Pedro Blois – Explicação sobre a atividade e dinâmica proposta para os dois dias
Coordenação da Mesa: Fabio Giori – Secretário Nacional de Saneamento da FNU
Exposição sobre a proposta de MP: Abelardo Oliveira – Engenheiro da Embasa

. Debate com base na exposição e Informe dos Estados

24 de novembro
. Debate sobre o Plano de Lutas
: Coordenação: Eliene Otaviano da Rocha – Coordenadora da Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental e Pedro Romildo – Secretário de Saneamento da CNU
. Apresentação e aprovação do Plano de Lutas

Minhas propostas para o Cades Ipiranga

Gilberto da Silva – 01
Candidato ao Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz do Ipiranga

CARTA DE INTENÇÕES E PROPOSTAS

Eu, Gilberto da Silva, sociólogo, jornalista, funcionário aposentado da Prefeitura de São Paulo, venho através desta carta descrever minhas intenções e propostas, caso seja eleito, para o cargo de conselheiro regional do meio ambiente da Prefeitura Regional Ipiranga;
1. Contribuir na implantação das políticas de meio ambiente e sustentabilidade no âmbito da administração municipal;
2. Fomentar a Cultura de Paz na região;
3. Incentivar e colaborar nas atividades de conscientização sobre o meio ambiente na região;
4. Contribuir no estabelecimento de canais de comunicação entre a população da região e o Cades IP auxiliando na democratização e ampliação deste espaço;
5. Em consonância com as diretrizes do Cades, representar a sociedade civil quanto ás suas demandas e propostas no que diz respeito às questões ambientais presentes nas políticas públicas (moradia, uso e ocupação do solo, resíduos sólidos, educação ambiental, entre outras) no âmbito PR-IP, dialogando permanentemente com os representantes do poder público.
6. A presente eleição será realizada no dia 07 de outubro de 2017 , na Praça de Atendimento da Prefeitura Regional Ipiranga, Rua Lino Coutinho, 444, Ipiranga, São Paulo, com início às 10h e término às 16h.

Nesse sentido peço o seu voto no dia 07 de outubro de 2017,

Saudações ambientais,
Gilberto da Silva
Candidato n. 01

 

Eleição do Cades Ipiranga

ELEIÇÃO CADES-IPIRANGA GESTÃO 2017-2019
O Prefeito Regional do Ipiranga, no uso das atribuições que lhe são conferidas por Lei, torna público o REGIMENTO ELEITORAL DA ELEIÇÃO DO CONSELHO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E CULTURA DE PAZ DA PREFEITURA REGIONAL IPIRANGA

Art. 1º. A Eleição dos representantes da sociedade civil no Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz da Prefeitura Regional Ipiranga, doravante denominado CADES Ipiranga reger-se-á por este regimento eleitoral.
Parágrafo Único: Este Regimento foi elaborado pela Comissão Eleitoral conforme atribuição e composição constante na Portaria nº 015/PR-IP/GAB/2017 e no Edital publicado no Diário Oficial da Cidade em 29/07/2017, página 06.

Art. 2º. Poderão participar da Eleição dos representantes da sociedade civil no CADES Ipiranga, todos os cidadãos, com 16 anos ou mais, que residam ou trabalhem na área de abrangência da Prefeitura Regional de Ipiranga, comprovados por documento de identidade com foto e comprovante de residência ou trabalho.

Art. 3º. Consideram-se como princípios norteadores do Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz a transparência, a universalidade, a legalidade, a moralidade, a precaução, a prevenção, a impessoalidade, a publicidade, a eficiência e a cultura de paz como base da participação popular na tomada de decisões.

DO OBJETIVO
Art. 4º. Considera-se como objetivo geral desta Eleição, a escolha dos representantes da sociedade civil para compor o Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz da Prefeitura Regional Ipiranga.

DAS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO
Art. 5º. As atribuições do Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz estão estabelecidas no artigo 51 da Lei n° 14.887, de 2009 e Portaria nº 90/SVMA – G/2015.

DA COMISSÃO ELEITORAL
Art. 6º O processo eleitoral será coordenado pela Comissão Eleitoral designada através da Portaria nº 015/PR-IP/GAB/2017, cuja composição e atribuições foram publicadas no Diário Oficial da Cidade em 29/07/2017, página 06.
Parágrafo Único – A Comissão Eleitoral será presidida por Amândio Martins, R.F 646.301.1 e secretariada por Paulo Eduardo Vorrath R.F. 631.874.6.

DOS CANDIDATOS
Art.7º. As candidaturas homologadas são:
Nº Nome do Candidato(a)
01 GILBERTO DA SILVA
02 LUCAS ANDRÉ MARTINS
03 ARLINDO AMARO DOS SANTOS
04 JOSÉ CARLOS OLIVEIRA
05 HELENI LOPES DE SOUZA OLIVEIRA
06 DANILO ANHOLETO
07 RONALDO CORNÉLIO CAGGISI
08 TATIANE FERNANDES LEÃO
09 ANA MARIA PIMENTA
10 KEILA ROBERTA DIAS DE CASTRO
11 GERSON LUIZ PINHEIRO
12 VICTÓRIA PLÁCIDO MARTINS
13 ROSANO CHRISTOFARO JUNIOR
14 MARCELA TERESINHA SZITAS LIMA

DO CADASTRAMENTO E VOTAÇÃO
Art. 8º. Somente os participantes devidamente cadastrados terão direito ao voto.
Art. 9º O cadastramento e a votação dar-se-ão por processo eletrônico com programa desenvolvido pela PRODAM – Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo e será iniciada às 10h e encerrada às 16h.
§ 1º. Na impossibilidade do uso de equipamento eletrônico serão utilizadas cédulas eleitorais que serão rubricadas pelo Presidente e mais um membro da Comissão Eleitoral.
§ 2º A presente eleição será realizada no dia 07 de outubro de 2017 na Praça de Atendimento da Prefeitura Regional Ipiranga, Rua Lino Coutinho, 444, Ipiranga, São Paulo, com início às 10h e término às 16h.
§ 3º Além dos membros da Comissão Eleitoral participarão servidores da PMSP para o cadastramento e orientação dos eleitores.
§ 4º A fiscalização da eleição poderá ser realizada pelo candidato ou por pessoa por ele indicada à Comissão Eleitoral no início dos trabalhos do dia da eleição.
§ 5º. Caso haja eleitores no local de credenciamento e votação até o horário marcado para o término da eleição, serão distribuídas senhas para que a participação seja garantida.

DA APURAÇÃO DOS VOTOS
Art. 6º Ao final da eleição será impresso relatório contendo o número de eleitores e o número de votos que cada candidato recebeu, no caso de eleição eletrônica. No caso de eleição por cédulas será realizada a contagem de votos e de eleitores cadastrados.
Art. 7º O Secretário da Comissão Eleitoral, de posse de todos os dados, lavrará ata com o resultado final e o Presidente proclamará a classificação dos candidatos a representantes da Sociedade Civil no CADES Ipiranga que será publicada no Diário Oficial da Cidade – DOC.

DOS CONSELHEIROS
Art. 8º. Conforme Lei 14.887 de 15 de janeiro de 2009, o CADES Ipiranga será assim constituído:
I – Pelo poder público:
a) 1(um) representante da Prefeitura Regional Ipiranga mais 1(um) suplente
b) 1 (um) representante da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente mais 1(um) suplente
c) 1 (um) representante da Secretaria Municipal de Participação e Parceria mais 1(um) suplente (nome alterado para Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania)
d) 1 (um) representante da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação mais 1 (um) suplente
e) até 4 (quatro) representantes de outras Secretarias Municipais interessadas mais 4 (quatro) suplentes, considerando-se a paridade.
II – Pela Sociedade Civil
a) 8 (oito) representantes eleitos como titulares e 8 (oito) como suplentes entre os cidadãos maiores de 18 (dezoito) anos que residam ou trabalhem na região administrada pela Prefeitura Regional Ipiranga.
§ 1º. O mandato dos conselheiros será de 2 (dois) anos, podendo haver 2 (duas) reconduções ao cargo em igual período.
§ 2º. As funções dos Conselheiros não serão remuneradas.
Art. 9º. As reuniões do Conselho serão abertas à participação de qualquer cidadão interessado que terá direito a voz de acordo com o regimento interno.
Art. 10. Os representantes do poder público serão indicados pelas suas respectivas pastas.
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 11. A Ata de Eleição deverá ser publicada no Diário Oficial da Cidade de São Paulo – DOC em até 10 dias úteis após a eleição.
Art. 12. Os casos omissos neste Regimento Eleitoral serão analisados e resolvidos pela Comissão Eleitoral

Art. 13. Este regimento entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da Cidade de São Paulo.