Livros

Cultura da imagem e sociedade do espetáculo

Cultura da imagem e sociedade do espetáculo

Ana Luiza Coiro Moraes, Cláudio Novaes Pinto Coelho (Orgs.).
São Paulo: Editora Uni, 2016, 241 p.

 

A série de livros “Comunicação na Contemporaneidade”, cuja característica é congregar parte significativa da produção intelectual desenvolvida nos grupos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero, foi iniciada em 2010 e já reúne seis coletâneas de textos. O livro inaugural, Comunicação: diálogos, processos e teorias, foi organizado por Walter Teixeira Lima Júnior e Cláudio Novaes Coelho. Em 2012, Estudos de comunicação contemporânea: perspectivas e trajetórias teve Cláudio Novaes Coelho, Dimas Künsch e José Eugenio Menezes como organizadores. Em 2013, dois livros foram publicados. Antonio Roberto Chiachiri Filho, Edilson Cazeloto e José Eugenio Menezes organizaram Comunicação, tecnologia e cidadania e Dimas Künsch e Simonetta Persichetti organizaram Comunicação, entretenimento e imagem. Em 2015, Jornalismo e contemporaneidade: um olhar crítico foi organizado por Cláudio Coelho, Dimas Künsch e José Eugenio Menezes.

Em 2016, a série “Comunicação na Contemporaneidade” publica Cultura da imagem e sociedade do espetáculo, cujos textos foram desenvolvidos na ambiência do grupo de pesquisa Comunicação e Sociedade do Espetáculo. Surgido em 2004, como grupo de estudos para debater as ideias de Guy Debord, Comunicação e Sociedade do Espetáculo foi certificado como grupo de pesquisa pelo CNPq em 2006, e desde então vem lançando livros.

O grupo de pesquisa liderado por Cláudio Novaes Pinto Coelho traz para a presente coletânea textos do 3º Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade do Espetáculo, promovido em outubro de 2015, com o acréscimo de outros textos, que contribuem com o livro a partir de suas interlocuções com diferentes grupos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero.
Assim, além de textos de autoria de pesquisadores vinculados ao grupo Comunicação e Sociedade do Espetáculo – Gilberto da Silva, Alexander Maximilian Hilsenbeck Filho, Ethel Shiraishi Pereira, Guilherme Dogo, Marcelo Bechara Frange e Cláudio Novaes Pinto Coelho –; o livro conta ainda com autores cuja produção intelectual se desenvolve no grupo de pesquisa Comunicação, Diálogo e Compreensão (Dimas Künsch e Mateus Yuri Passos), no grupo de pesquisa Comunicação e Cultura Visual (Dulcilia Schroeder Buitoni) e no grupo de pesquisa Comunicação, Cultura e Visualidades (Carlos Costa e Ana Luiza Coiro Moraes).

Baixe o Livro

Consumo Responsável em Ação: Tecendo relações solidárias entre o campo e a cidade

O Instituto Kairós disponibiliza o livro Consumo Responsável em Ação: Tecendo relações solidárias entre o campo e a cidade”, escrito com a parceria de diversos parceiros da agroecologia, economia solidária, comércio justo e solidário e afins.

 

O livro parte de questionamentos sobre nosso atual padrão de produção, distribuição, comercialização e consumo, especialmente no campo da alimentação e traz a proposta do consumo responsável. Levando em conta desafios como o acesso ao alimento de qualidade e os limites do modelo convencional de abastecimento, são apresentadas práticas alternativas que aproximam consumidores e produtores (como os grupos de consumo responsável), os diálogos do tema com as políticas públicas e possíveis atuações de mobilização social nas redes, ruas e campos.

 

Os textos trazem experiências tanto do Instituto Kairós como de parceiros convidados envolvidos em movimentos e organizações que atuam no campo da agroecologia, economia solidária e temas correlatos: Rede Brasileira de Grupos de Consumo Responsável, RedeMoinho, SISCOS, Rede Ecológica, GiraSol e MUDA-SP.

 

A publicação é fruto de projeto executado pelo Kairós com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES/MT).

 

O livro está disponível para download gratuito no site do Instituto Kairós através do link a seguir

http://institutokairos.net/portfolio-items/consumo-responsavel-em-acao-tecendo-relacoes-solidarias-entre-o-campo-e-a-cidade/

 

As rosas e a revolução

No vídeo falo do livro As Rosas e a Revolução, terceiro livro da escritora Karina Dias – ou da minha amiga Eliana Natividade, um romance envolvente que narra a história de Vilma a partir dos movimentos estudantis de 1968. É uma lindo romance lésbico de 352 páginas. Aos 17 anos, Vilma, a filha perfeita e despolitizada do coronel Solano aceita um convite que mudará a sua vida. Decide acompanhar a amiga Maristella em um passeio no restaurante estudantil Calabouço, no Rio de Janeiro. Queria ver de perto como eram os cabeludos comunistas que o pai tantas vezes praguejava. Viu muito mais. Testemunhou a invasão policial do restaurante e foi resgatada do terror por Alda, militante da UNE, por quem se apaixonou perdidamente.

 

 

Cem anos de solidão e eu sem…

305294_679684_cem_anos_de_solidao

Emprestado e não devolvido, não sei por anda anda meu exemplar. Mas este é um dos melhores livros que já li. Consagrada como a mais famosa obra de Gabriel García Márquez, “Cem anos de solidão” acaba de completar 50 anos.

Em ‘Cem anos de solidão’, Gabriel García Marquez narra a história da família Buendía, uma estirpe de solitários que habitam a mítica aldeia de Macondo. A narrativa desenvolve-se em torno de todos os membros dessa família, com a particularidade de que todas as gerações foram acompanhadas por Úrsula, uma personagem centenária e uma matriarca conhecida.

Márques é considerado um dos mais importantes escritores do século XX, Gabo, como era carinhosamente chamado, conquistou em 1982 o Prêmio Nobel de Literatura.

Livro “Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na cidade de SP

livorali

Na última quinta-feira, 15/12, a Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo (SDTE) realizou o lançamento do livro “Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na cidade de São Paulo: ações, desafios e perspectivas do papel da cidade na alimentação”. A publicação contempla as políticas públicas que marcaram a gestão Haddad, nesta temática, chamando a atenção da população para os desafios que ainda precisam ser encarados. Clique na imagem para obter o PDF completo do livro.

Lançamento da Paulus reflete sobre cidade, cultura e espetáculo

livropaulus

Por Mara Rovida Ferreira

“Quando, nos ambientes acadêmicos ou na mídia, o nome de Guy Debord é mencionado, normalmente ele é associado à expressão “sociedade do espetáculo”, geralmente entendida como o “inevitável domínio da mídia” na contemporaneidade ou o desejo, pretensamente natural, que as pessoas têm de “aparecer”.” Com essas palavras o organizador do livro ‘Cultura, Comunicação e Espetáculo’, Claudio Novaes Pinto Coelho, nos insere nessa obra de assinatura coletiva em que o espaço urbano, o teatro e os movimentos sociais são observados num momento em que as relações sociais estão cada vez mais próximas de uma forma superficial e esvaziada, como pensado por Guy Debord.

O livro, editado pela Paulus, é resultado do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa Comunicação e Sociedade do Espetáculo, coordenado por Coelho na Faculdade Cásper Libero. “Pelos textos reunidos neste livro, é possível identificar um projeto de fundo que os alimenta, e que está presente desde a primeira formação deste grupo de pesquisa: como pensar criticamente? Uma tentativa de compreender nosso entorno político, cultural e artístico à luz do pensamento crítico, este mesmo, também, em processo de construção, sendo exposto e colocado à prova”, sintetiza Antonio Luiz Gonçalves Junior, um dos autores da obra. A diversidade dos temas e enfoques apresentados nos capítulos da publicação reflete a própria dinâmica do grupo de pesquisa composto por estudiosos com experiências e formações variadas que vão das artes cênicas às ciências exatas, passando pela comunicação e pelas ciências sociais.

Dada essa variedade de perspectivas que se encontram e se aproximam pela vertente crítica do pensamento debordiano, o livro está organizado em três partes. A primeira delas é dedicada à reflexão do espaço urbano, dos ambientes virtuais e das formas de interação nesse momento da sociedade capitalista – nomeado por Debord de Sociedade do Espetáculo. Embora a crítica marxista seja um fio condutor, pela própria influência de Guy Debord, a busca por alternativas ao espetáculo (esvaziamento de sentido) é contemplada em alguns capítulos. A cultura popular, por exemplo, aparece como alternativa possível à cultura espetacular.

A segunda parte tem forte assento nas artes cênicas. Os grandes musicais apresentados como modelos padronizados, por um lado, indicam o domínio das relações espetacularizadas e as apresentações experimentais, por outro lado, respaldam a possibilidade da arte como forma de resistência. Já na terceira parte do livro, os movimentos sociais em recentes mobilizações, como as Jornadas de Junho de 2013, são observados na dupla perspectiva, o espetáculo e a resistência ao esvaziamento de sentido.

Para Coelho, o principal objetivo do trabalho condensado no lançamento da Paulus é chamar a atenção para a naturalização do espetáculo.  “Além disso, a obra pretende, também, enfatizar que Debord atribuí um papel fundamental para a cultura. Por um lado, ela é um elemento decisivo para a reprodução da sociedade do espetáculo,  a partir do momento em que vivemos numa cultura marcada pela articulação entre a produção e o consumo de imagens e a produção e o consumo de mercadorias. Mas, por outro lado, a cultura pode servir também para  a crítica do capitalismo como modo de vida, por intermédio da produção de formas alternativas de comunicação, quer seja no espaço virtual, quer seja no espaço real, principalmente no espaço urbano.”

A voz coletiva da obra se mostra não só na diversidade dos enfoques apresentados em cada parte do livro como também no processo que antecede a elaboração de cada capítulo. “Este livro é um importante instrumento para que as discussões realizadas durante as reuniões do Grupo de Pesquisa Comunicação e Sociedade do Espetáculo, coordenadas pelo Prof. Cláudio Coelho, possam ser compartilhadas com outros pesquisadores sobre o tema, profissionais e estudantes de comunicação e também interessados em compreender as questões da contemporaneidade.” Esta é a opinião de uma das autoras do lançamento, Ethel Shiraishi Pereira, que defende a importância da publicação como forma de criar diálogo e ampliar a reflexão entre os pesquisadores do grupo e outros estudiosos do assunto. “Não se trata de uma receita pronta para os problemas enfrentados na área da cultura no Brasil, mas uma proposta de reflexão sobre o papel da produção cultural como crítica à sociedade do espetáculo.”

O Grupo de Pesquisa Comunicação e Sociedade do Espetáculo foi formado em 2006 por Coelho e reúne pesquisadores que se dedicam aos estudos sobre comunicação, cultura e política na sociedade do espetáculo. O lançamento da Paulus – Cultura, Comunicação e Espetáculo – é resultado de pesquisas apresentadas no II Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade do Espetáculo, em 2013. Os capítulos são assinados por Claudio Novaes Pinto Coelho, Valdir José de Castro, Jaime Carlos Patias, Marcia Eliane Rosa, Juliana Andrea Vieira dos Santos, Adriana Sá Moreira, Gerson da Silva Esteves, Antonio Luiz Gonçalves Junior, Eliana Natividade, Mara Ferreira Rovida e Ethel Shiraishi Pereira.

img_7991

Serviço

O lançamento será realizado na livraria Martins Fontes, unidade da Avenida Paulista, número 509, em 9 de dezembro de 2016, das 18h30 às 21h30. O livro já está disponível para compra na loja virtual da editora e, em breve, poderá ser encontrado nas principais livrarias do país.

Título: Cultura, Comunicação e Espetáculo

Organizadores: COELHO, Claudio Novaes Pinto e CASTRO, Valdir José de

Cidade: São Paulo

Editora: Paulus

Ano: 2016

Número de páginas: 200

ISBN: 9788534942775

de: <http://www.partes.com.br/2016/11/22/lancamento-da-paulus-reflete-sobre-cidade-cultura-e-espetaculo>

Lançamento do livro Dicas de Viagens em crônicas de quatro continentes e bate-papo informal com os leitores

convite-arte-da-alianca-francesa

No dia 29 de novembro, próxima terça-feira às 19hs, João da Luz – escritor do Ipiranga – estará no evento promovido pela Aliança Francesa “Lançamento do livro Dicas de Viagens em crônicas de quatro continentes e bate-papo informal com os leitores”, com entrada franca.

Aliança Francesa – Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque – São Paulo – Dia 29.11.2016 ás 19 horas – Biblioteca Multimídia Claudie Monteil

Frei Betto: Uma Biografia

freibettobiografialivro

Lançamento no Rio de Janeiro

Segunda-feira, 28 de Novembro

18:00

Teatro Eva Herz – Rio de Janeiro
 LIVRARIA CULTURA – CINE VITÓRIA
Cidade: Rio de Janeiro – RJ

Bate-papo e Sessão de Autógrafos

A Livraria Cultura e a Editora Record convidam para o bate-papo  com os autores Américo Freire e Evanize Sydow, Frei Betto, a atriz Letícia Sabatella, o jornalista Chico Pinheiro e a ex-advogada de presos políticos Eny Moreira,  no lançamento do livro: ‘’Frei Betto: Uma Biografia’’

Lançamento em São Paulo

Terça-feira, 29 de Novembro

18:00

Loja principal – Piso do Teatro

LIVRARIA CULTURA – CONJUNTO NACIONAL

Cidade: São Paulo – SP

Bate-papo e Sessão de Autógrafos

A Livraria Cultura e a Editora Record convidam para o bate-papo  com os autores Américo Freire e Evanize Sydow, Frei Betto, Fernado Morais, Rose Nogueira e o Rógerio Sottili,  no lançamento do livro: ‘’Frei Betto: Uma Biografia’’

Américo Freire e Evanize Sydow revelam o significado histórico da vida e do trabalho de Carlos Alberto Libanio Christo, o Frei Betto, em meio às transformações político-sociais que ocorreram no Brasil e nos demais países da América Latina a partir dos anos 1960  O livro conta as diversas histórias que marcam a vida de Frei Betto, em que a religião – o Amor –, a política e a militância se articulam para criar uma sociedade democrática e plural, que acolha todos os cidadãos. Desde seu nascimento em uma tradicional família mineira, a Teologia da Libertação, a Ação Libertadora Nacional, a prisão durante a ditadura militar, a participação na criação de movimentos populares, a literatura e os prêmios, a proximidade com Lula, o trabalho nos países socialistas – principalmente em Cuba –, os gestos de solidariedade pessoais e públicos, entre tantos acontecimentos que têm tornado Frei Betto um homem admirável.

A porca e eu

P_20161104_164453[1]

Por Redação

A escritora Maria Eugenia Cerqueira já conhecida pelo livro Quem dá Brilho, brilha – obra que dá dicas sobre limpeza doméstica, apresenta seu mais novo livro: A Porca e Eu. Nesse interessante livro, a autora narra a sua relação com Gipsy, uma porca de estimação que foi adquirida como mini porco, e que com o tempo mostrou que era uma porca de verdade, ou seja, Gipsy tornou-se um presente de grego.

Apesar de ser enganada pelos criadores que ela cita no livro, a porca conquistou seu coração e ganhou um espaço especial na vida de Maria Eugenia, uma ultramaratonista apaixonada por animais.

Gipsy, como foi carinhosamente batizada a nova inquilina, acabou crescendo mais do que a dona esperava e hoje pesa cerca de 195 quilos fato que fez a advogada tomar diversas provida-porca-e-euências e mudanças na vida para se adequar.

No livro, Maria Eugenia dá dicas e fala sobre os cuidados para a criação de um porco e, principalmente sobre posse responsável de qualquer animal. A obra, de certa forma, reflexiona o leitor sobre a importância da posse responsável e conta a história do amor entre a “porquinha” e sua dona.

A autora nunca encontrou instruções ou conselhos que pudessem ajudá-la com a Gipsy, um animal de grande porte que precisa de atenção especial. Teve que se virar sozinha.

O livro traz curiosidades sobre o mundo dos porcos e desafios sobre a convivência com o animal, além de ser um alerta, pois a autora constatou que milhares de indivíduos são, como ela, enganados não só no Brasil, mas também em muitos outros países.

A Porca e Eu está à venda através do site: www.amantesdavida.com.br. e na livraria Martins Fontes.

Assista o comentário de Gilberto da Silva:

%d blogueiros gostam disto: