Poesias

minhas paredes do amor (Charles Bukowski)

em noites como esta, recupero o que

posso.

a vida é dura, a escrita é livre.

se as mulheres pudessem ser tão fáceis

mas elas eram sempre quase a mesma coisa:

gostavam da minha escrita em formato de livro

finalizado

mas havia sempre algo em relação ao efetivo

ato de datilografar

de trabalhar em direção ao novo

que as incomodava…

eu não estava competindo com elas

mas elas se mostravam competitivas comigo

em formas e estilos que eu não considerava

nem originais nem criativos

se bem que para mim

eram sem dúvida

assombrosos o bastante.

agora estão libertadas

consigo mesmas e com outros

e tem novos problemas

de outra maneira.

todas aquelas gracinhas:

fico contente por estar com elas em espírito

E não em carne

pois agora posso martelar a porra desta máquina

sem preocupação.

Henry Charles Bukowski Jr (nascido Heinrich Karl Bukowski; Andernach, 16 de agosto de 1920 — Los Angeles, 9 de março de 1994) foi um poeta, contista e romancista estadunidense nascido na Alemanha.Sua obra, de caráter inicialmente obsceno e estilo totalmente coloquial, com descrições de trabalhos braçais, porres e relacionamentos baratos, fascinou gerações que buscavam uma obra com a qual pudessem se identificar.

O mito é o nada que é tudo

Fernando Pessoa
Primeiro: ULISSES

  

O mito é o nada que é tudo.

O mesmo sol que abre os céus

É um mito brilhante e mudo —

O corpo morto de Deus,

Vivo e desnudo.

Este, que aqui aportou,

Foi por não ser existindo.

Sem existir nos bastou.

Por não ter vindo foi vindo

E nos criou.

Assim a lenda se escorre

A entrar na realidade,

E a fecundá-la decorre.

Em baixo, a vida, metade

De nada, morre.
s.d.

Mensagem. Fernando Pessoa. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1934 (Lisboa: Ática, 10ª ed. 1972). – 25.

A ponte que cedeu

Por Gilberto da Silva

Ela está sem nome, mas não esquecida

Lembrada é todos os dias

Citada, desvelada, desnivelada

Desencantado as informações

Especulações, arquitetados pelo concreto

Fissuras, ranhuras, mediações midiáticas

Um ponto de referência

A ponte sem nome

Apenas aquela que cedeu.

Um buraco no muro

 

Por Gilberto da Silva

Acordar e observar que está difícil olhar para dentro do muro.

Um salto no escuro?

Uma barreira?

 

Acordar e perceber que o buraco é pequeno para as muitas necessidades.

Tentar decifrar a sujeira do outro lado, do que está por dentro.

manhã, noturnos…

Pesquisar, burilar, atentar aos perigos.

Somos realmente pessoas que não procuram saber o que acontece do outro lado do muro?

um salto no escuro?

Ou somos apenas um buraco no muro?

 

 

Um poema de Che para Fidel

Abaixo um poema de Che Guevara para Fidel Castro….

 

DOSSIER MATHIL
COMMANDANTE CHE GUEVARA
RAOUL CORRALES

Vamos,

ardoroso profeta da alvorada,
por caminhos longínquos e desconhecidos,
liberar o grande caimão verde que você tanto ama…

 

Vamos,

derrotando afrontas com a testa

plena de martianas estrelas insurretas,

juremos atingir o triunfo ou encontrar a morte.

Quando soar o primeiro tiro
e na virginal surpresa toda a floresta acordar,
lá, ao seu lado, calmos combatentes
você nos terá.


Quando sua voz proclamar aos quatro ventos,
reforma agrária, justiça, pão e liberdade,
lá, ao seu lado com sotaque idêntico,
você nos terá.

 

E assim que chegar o fim da jornada

A sanitária operação contra o tirano, ali, a

seu lado, aguardando a derradeira batalha,

você nos terá.

 

No dia em que a fera lamber o lado ferido

onde o dardo nacionalizador lhe acertar,

ali, a seu lado, com o coração altivo,

você nos terá.

 

Nem pense que possam minguar nossa integridade

as decoradas pulgas armadas de presentes;

pedimos um fuzil, suas balas e um rochedo.

Nada mais.


E se o nosso caminho for bloqueado pelo ferro,
pedimos uma mortalha de lágrimas cubanas
para cobrir nossos ossos guerrilheiros

no trânsito para a história da América.
Nada mais.

Ernesto Guevara de la Serna (Che)

MERDA

MERDA

Por Gilberto da Silva

 

 

cinco letras que exalam

cinco letras que matam

cinco letras que fedem.

 

Merda

que um dia chega em sua vida

que um dia vai embora

que um dia se instala.

 

Merda

que todos fazemos uma hora

que precisamos mas não gostamos

que temos e não queremos.

 

Merda

que um dia vai

que um dia chega

que um dia dá…