Cultura

Fora os que algarismam os amanhãs!

1922, São Paulo palco de uma revolução artística! No Teatro Municipal, durante os dias 11 a 18 de fevereiro de 1922, desfilam Oswald de Andrade, Villa-Lobos, Mário de Andrade, Menotti del Pichia. Futurismo, Cubismo e Surrealismo influenciando cabeças nacionais. Rompem-se barreiras. Questionam-se as convenções artísticas. A elite paulistana assustada. 

Ode ao Burguês é o nono poema da obra Paulicéia desvairada, de Mário de Andrade. Foi lido durante a Semana de Arte Moderna de 1922, para o espanto da platéia, alvo evidente dos versos:

 

Eu insulto o burguês! O burguês-níquel
o burguês-burguês!
A digestão bem-feita de São Paulo!
O homem-curva! O homem-nádegas!
O homem que sendo francês, brasileiro, italiano,
é sempre um cauteloso pouco-a-pouco!
Eu insulto as aristocracias cautelosas!
Os barões lampiões! Os condes Joões! Os duques zurros!
Que vivem dentro de muros sem pulos,
e gemem sangue de alguns mil-réis fracos
para dizerem que as filhas da senhora falam o francês
e tocam os “Printemps” com as unhas!

Eu insulto o burguês-funesto!
O indigesto feijão com toucinho, dono das tradições!
Fora os que algarismam os amanhãs!
Olha a vida dos nossos setembros!
Fará sol? Choverá? Arlequinal!
Mas as chuvas dos rosais
O êxtase fará sempre Sol!

Morte à gordura!
Morte às adiposidades cerebrais!
Morte ao burguês-mensal!
Ao burguês-cinema! Ao burguês-tiuguiri!

Padaria Suíssa! Morte viva ao Adriano!
_ Ai, filha, que te darei pelos teus anos?
_ Um colar… _ Conto e quinhentos!!!

_ Más nós morremos de fome!

Come! Come-te a ti mesmo, oh! Gelatina pasma!
Oh! Purée de batatas morais!
Oh! Cabelos na ventas! Oh! Carecas!
Ódio aos temperamentos regulares!
Ódio aos relógios musculares! Morte á infâmia!
Ódio à soma! Ódio aos secos e molhados
Ódios aos sem desfalecimentos nem arrependimentos,
sempiternamente as mesmices convencionais!

De mãos nas costas! Marco eu o compasso! Eia!
Dois a dois! Primeira posição! Marcha!
Todos para a central do meu rancor inebriante!
Ódio e insulto! Ódio e raiva! Ódio e mais ódio!
Morte ao burguês de giolhos,
cheirando religião e que não crê em Deus!
Ódio vermelho! Ódio fecundo! Ódio cíclico!
Ódio fundamento, sem perdão!
Fora! Fu! Fora o bom burguês!…

Anúncios

Conheça Monografias de História dos Bairros de São Paulo

O Arquivo Histórico Municipal, Departamento da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo, que é responsável pelo Concurso de Monografias sobre a História dos Bairros de São Paulo, disponibiliza a série para leitura.
O concurso teve início em 1968 e é aberto ao público em geral, pesquisadores, memorialistas e historiadores dos bairros paulistanos. Visa divulgar e incentivar a pesquisa dos documentos que compõem seu acervo e o prêmio é a publicação das monografias vencedoras.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/arquivo_historico/publicacoes/index.php?p=8313

SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA LANÇA OS PRIMEIROS EDITAIS DO ANO

vai

Foi anunciado pela SMC, o Calendário de Editais do primeiro semestre, foram publicados no Diário Oficial os editais para Fomento à Dança, Fomento ao Teatro, VAI (Valorização de Iniciativas Culturais) I e II e Prêmio Zé Renato

A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) abre inscrições para os primeiros editais de 2018, nesta primeira etapa, com um investimento de R$23,5 milhões, contemplando os programas de Fomento à Dança, Fomento ao Teatro, VAI (Valorização de Iniciativas Culturais) I e II e Prêmio Zé Renato.

 

 

Os editais com inscrição aberta no dia 20 de fevereiro são:

– 32ª edição do Fomento ao Teatro vai disponibilizar R$8,5 milhões para contemplar até 15 projetos.

– 24º Fomento à Dança deve atender até 10 projetos de R$ 300 mil cada. Totalizando um investimento de R$ 3 milhões nesta edição

– 7º Prêmio Zé Renato vai distribuir R$ 4 milhões entre os projetos selecionados.

– A 15ª edição do VAI disponibilizará R$ 8 milhões que serão distribuídos entre o VAI I, que abriga projetos de até R$ 40 mil, e o VAI II para projetos de até R$ 80 mil.

Ainda no primeiro semestre, a SMC abre inscrições para:

– 2º Edital de Apoio ao Reggae

– 2º Edital de Apoio ao Circo

– 3º MAR

– 2º Edital de Publicação de Livros

– Seminário de Graffiti e Mostra

– 2º Edital de Apoio à Música

– 2º Edital de Rádios Comunitárias

Os editais anunciados para acontecerem até maio deste ano contemplam apoio à produção e criação de várias linguagens artísticas. As inscrições poderão ser feitas presencialmente e também pela internet, por meio da plataforma Spcultura.  

Além dos editais já existentes, referentes a programas consolidados como os Fomentos ao Teatro e à Dança, em 2017, a SMC criou novos programas de apoio às artes que proporcionaram investimentos em movimentos culturais e linguagens artísticas que ainda não recebiam recursos de forma regular, ampliando a oferta de novas iniciativas.

Mais informações, acesse www.cultura.prefeitura.sp.gov.br

Ary Sanches – Show Emoções

arisanches

No dia 23 de Fevereiro no centro cultural Chico Science a partir das 14hs acontecera um show de Ary Sanches acompanhado de sua banda, apresenta o show EMOÇÕES, uma viagem aos anos 60 e 70, com o melhor da jovem guarda, rock, pout pourri de italianas e boleros e grandes sucessos românticos nacionais e internacionais das décadas mais musicais da história.

Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo apresenta via Circuito Municipal de Cultura “Ary Sanches” na sexta 23.02 às 14hs na Casa de Cultura Municipal do Ipiranga (Chico Science).

Classificação: Livre
Entrada gratuita.

Café Literário sobre o livro “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar

raduan22º Café Literário sobre o livro “Lavoura Arcaica”, de Raduan Nassar, na Biblioteca Mário de Andrade.

Data: 25 de fevereiro de 2018 (domingo)
Horário: 15h
Local: Biblioteca Mário de Andrade
Av. Consolação, 94 – Consolação/SP
(Próximo ao Metrô Anhangabaú)

Ingresso gratuito (retirado 1h antes na recepção)

Mais informações pelo e-mail: jana.cafeliterario@gmail.com

O povo e o populacro

opovoeopopulacro

O ex-Gustavo Dumas e agora atual Zeh Gustavo (ambos os mesmo e, portanto, uno) disponibilizou em sua página do Facebook a novela “O povo e o populacro”, de 1998. O texto foi  escrito  e publicado quando o Gustavo ( então Dumas e atual Zeh) tinha apenas 19 anos.

A novela foi premiada no II Festival de Literatura Universitário organizado pela já extinta revista Livro Aberto, com apoio da empresa Xerox, e publicada pela também extinta editora Cone Sul.

Vale conferir:

https://www.facebook.com/notes/zeh-gustavo/o-povo-e-o-populacro/1993409980674144/

Neve

neve

Entre inúmeras leituras por fazer – entre tantos outros afazeres – procurarei desvendar as quase quinhentas páginas do Nobel de Literatura de 2006, Orhan Pamuk. Minha colega Deyse Cioccari recomendou, o que por si só já é um bom caminho.

Eu tinha uma coleção antiga da Record que comprei por meses a fio, via Reembolso Postal, lá pelos idos de 1978-1982. Tinha que ir buscar nos Correios. Era uma edição primorosa, Capa dura. Bom acabamento e ilustrações. Infelizmente tive que desfazer de tal coleção. Sempre que eu consigo um livro “Nobel” veem à lembrança tal coleção.

Bem, mas “Nobel” é aquilo: tem coisas ótimas, mas tem também muitos desconhecidos que ganharam “politicamente” o prêmio.

Cultura a Unir os Povos – A Arte do Encontro

Célio Turino convida todas as pessoas que ajudaram na formação da RaiZ-Movimento Cidadanista ao lançamento de seu novo livro, sobre a América Latina vista a partir da mirada dos movimentos comunitários e ancestrais.

raizeiro

“Cultura a Unir os Povos – A Arte do Encontro”

dia 26/fev – às 19h
Memorial da América Latina – Salão de Atos

Com exposição fotográfica por Mario Miranda Filho de povos antigos e sagradas cores da América Latina

CURSO DE MICRO DRAMATURGIA

Com a premiada autora de Córdoba, Argentina, SONIA DANIEL, de 19 a 22 de fevereiro, das 19 às 22h, no Teatro Commune, Rua da Consolação, 1218 (metrô Mackenzie-Higienópolis) e estacionamento ao lado.

Inscrições pelo link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf0Eq746fIgQ192iNFOp-XqHIL6crsS4bI9b-J28mid7piTOA/viewform

 

OBJETIVOS: Desenvolver noções básicas da dramaturgia abordando personagem, conflito e o texto dramático e a criação de micro cenas que serão apresentadas no Teatro Commune no final do curso. Os alunos deverão trazer 5 fotos de situações (familiares, cotidianas, do mundo, curiosas, interessantes….), 1 notícia de jornal ( que seja interessante, teatral… ) e 1 texto curto de sua autoria (que foi ou esteja sendo escrito)

SONIA DANIEL é atriz, professora e dramaturga premiada e coordenadora do Teatro Maria Castana, em Córdoba, Argentina e fundadora da Rede de Salas Independentes de Córdoba. É diplomada em Produção e Gestão Cultural na Universidade Blas Pascal. Suas referências em dramaturgia são Patricia Suarez, Alejandro Finzi, Luis Cano, Marco Antonio de La Parra, Ariel Davila. Foi dirigida como atriz por Chete Cavagliatto, Elisenda Seras, Jorge Pinus, Mildred Yedro, Sergio Blanco, Mauricio Kartun, Leo Rey, Jorge Aran entre outros.

Recebeu inúmeros prêmios como atriz, professora, escritora de teatro e gestora cultural. Como dramaturga foi representada em várias ocasiões. Destacam-se seus textos “Qual pluma ao vento”, “Expediente Fidelio, una historia clínica” (Arquivo Fidelio, uma história clínica), em coautoria com Liliana Sosa, “El gran deporte nacional” (O Grande esporte nacional), “Herida absurda” (Ferida Absurda), montada no Brasil há alguns anos, ”Mala Muerte” (Morte má), “El Juego de las Palomas” (O Jogo das Pombas).  Foi premiada com o primeiro lugar no Dramaturgia Provincial 2005 e no Prêmio Municipal Dramaturgia Unipersonal 2011. Recebeu em 2012 uma menção especial de Argentores, SAGAI e do Ministério do Desenvolvimento Social por sua peça curta “Boca de Lobo” no concurso de Aplausos pela Inclusão. Em 2013, sua peça “A vida sexual dos morcegos” é escolhida para a série “A Cozinha dos Dramaturgos” pela sociedade dos autores teatrais da Argentina.

Em 2014 foi premiada por sua peça “Herida Absurda” como o melhor texto de teatro da Festa Provincial de Teatro de Formosa e é convidada a participar do Ciclo de Autoras Argentinas no Teatro Nacional Cervantes, onde estreia “Pequeña Melodia para piano y Ella” com direção de Cristina Merelli. Sua obra foi publicada e traduzida em várias línguas. Seus textos são geralmente representados tanto em Córdoba, sua cidade natal na Argentina, como no resto do país e em países como Espanha, Bolívia, México, Brasil e Venezuela. Foi destaque como atriz em muitos projetos, incluindo: “Desviaciones musicoteatricas”, “El guante blanco”, “El rey se muere”, “Extraño juguete”, “Paseantes, maqueta de una história contada”, “Creciendo con el cuerpo” e seu exclusivo: “Dicese de la persona cuyo conyuge ha muerto” (Fala-se da Pessoa cujo Marido Morreu). Seus últimos textos foram “Pequeño Cyrano Ilustrado” dirigido por Leo Rey, seu marido, falecido em 2014. A trilogia Anti Comics, com os textos A Vida Sexual dos Morcegos, A Festa do Pijama e O Evangelho Segundo o Superman e Entre Mi piernas (adaptação do conto de Chapeuzinho Vermelho), premiada em Córdoba, em 2016. É autora da peça ANTI COMICS, DESCONSTRUINDO SUPER HERÓIS, montada pela COMMUNE, em parceria com o Teatro Maria Castana, em 2016, com recursos do IBERESCENA. Em 2015 participou, representando a Argentina, do “Encontro: a mulher na cena teatral latino-americana no século XXI, realizado em Mérida, no México.

Inscrições pelo link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf0Eq746fIgQ192iNFOp-XqHIL6crsS4bI9b-J28mid7piTOA/viewform

De 19 a 22 de fevereiro das 19h às 22h

No Teatro Commune (ao lado do metrô estação Higienopolis Mackenzie)

INFORMAÇÕES E CONTATO: cursos@commune.com.br

Em São Paulo, obras do cubano Carlos Garaicoa são expostas no Espaço Cultural Porto Seguro

Carlos Garaicoa, RBC, 2012.

Carlos Garaicoa – ser urbano, individual Espaço Cultural Porto Seguro, de 6/02 a 6/05

São ao todo 8 trabalhos do artista cubano Carlos Garaicoa que estarão disponíveis para deleite do público no Espaço Cultural Porto Seguro. Reunindo vídeos, instalações, maquetes, fotografias e desenhos de Garaicoa, o curador Rodolfo de Athayde leva todos por uma viagem no universo urbano que ronda as criações do artista. Os debates políticos, econômicos e sociais inerentes a Carlos estão presentes na mostra, com o intuito de provocar transformações internas e externas.