Fotos

Retrato pintado do meu pai

20150628_151557Por Gilberto da Silva

Quando não tínhamos as máquinas possantes e ultramodernas, tínhamos as mãos dos artistas que com maestria pintavam nossos retratos. Os fotopintores foram enquadrados, por décadas, numa categoria fotográfica chamada de popular e percorriam as mais distantes paragens para retratar um povo esquecido..

Naqueles tempos que um retrato pintado valia ouro. Era uma prática que vinha do final do século XIX e que permaneceu (até meados de 1990) nas casas das pequenas cidades e nas áreas rurais, principalmente do Nordeste brasileiro. Mas os retratos pintados não eram uma exclusividade do Nordeste, isso é bom deixar claro, pois vejo por ai muita literatura pisando nessa tecla erroneamente.

Tempos que nem as fotografias em preto e branco eram comuns. Os retratos pintados pareciam fotos de santos a enfeitar paredes. Os artesãos usando banhos de óleos e outras técnicas adicionam adornos e vestes de alto padrão: eram os percursores do “Photoshop”!  Com engenhosidade, a partir de uma  simples 3×4 preto e branco os artistas iam criando novas paisagens e cenas floreando detalhes e plastificando os sinais do tempo. As fantasias eram realizadas através dos retratos e emolduradas em suportes simples que enfeitavam as casas das famílias pobres.

A foto que ilustra este o artigo é de meu pai quando jovem. Com algumas imperfeições  (uma orelha maior que a outra) o artista retratou um homem cheio de pose e quase branco (rs), com um bigode bem feito e um terno bem alinhado. Todo caprichoso, assim como era em vida. E essa é minha homenagem pois há exatos 11 anos (09/08/2004) ele nos deixou. Parece que foi ontem…

Nesse dia dos Pais, fotografias e saudades eternizadas num quadro de eternidade.

 

 

 

 

Anúncios

Nas asas de Dumont

dumont04

 

Santos Dumont foi um brasileiro nascido na cidade de Palmira em 20 de julho de 1873 e morreu aos 59 anos no Guarujá em 23 de julho de 1932.

 

Santos Dumont em 1922.

Santos Dumont em 1922.

 

“No trajeto para a Torre Eiffel, nem uma só vez olhei para os telhados de Paris: eu flutuava sobre um mar branco e azul, nada mais vendo senão meu objetivo”. Dumont

“No trajeto para a Torre Eiffel, nem uma só vez olhei para os telhados de Paris: eu flutuava sobre um mar branco e azul, nada mais vendo senão meu objetivo”.
Dumont

Santos Dumont, que no dia 23 de outubro de 1906 voou pela primeira vez com o 14 BIS

Santos Dumont, que no dia 23 de outubro de 1906 voou pela primeira vez com o 14 BIS

o 14-Bis de Dumont teve uma decolagem autopropulsada, reconhecida oficialmente por publico e jornalistas

o 14-Bis de Dumont teve uma decolagem autopropulsada, reconhecida oficialmente por publico e jornalistas

Matéria publicada na revista O Echo, em 1916, que exalta os feitos e a pessoa de Santos Dumont

Matéria publicada na revista O Echo, em 1916, que exalta os feitos e a pessoa de Santos Dumont

A Virada Cultural no Heliópolis em Fotogramas

Virada Cultural 2015

A Virada Cultural no Ceu Heliópolis pela fotos de Gil Félix, fotógrafo da comunidade do Bairro Educador Heliópolis. Um dos maiores eventos culturais do mundo, a Virada Cultural chegou a sua 11ª edição nos dias 20 e 21 de junho. Refletindo o espírito da “cidade que nunca dorme”, a Virada ofereceu, durante 24h, atrações gratuitas nos mais variados gêneros artísticos.

Nabil Bonduki, secretário municipal de Cultura da Cidade de São Paulo destacou a diversidade do evento: “Essa Virada Cultural teve um excelente resultado do ponto de vista cultural. Nós tivemos uma diversidade muito grande. Quem teve a oportunidade de circular pela cidade ontem e hoje deve ter visto espetáculos maravilhosos, sob vários pontos de vista, com muita cidadania cultural também. Não eram só os grandes espetáculos que reúnem muita gente, mas também muitas manifestações de pessoas que também estão fazendo cultura, embora não sejam artistas renomados”, afirmou.

DSC_0023DSC_0791DSC_0839DSC_0966

DSC_0993

DSC_1022DSC_0019DSC_0785DSC_0835DSC_0897DSC_0795DSC_0943DSC_0953DSC_0932DSC_0990DSC_0942DSC_0872DSC_0006DSC_0961DSC_0900DSC_0905DSC_0980DSC_0034

Fotografias de uma certa Cambará

Por Gilberto da Silva

Rumo ao norte do Paraná, Miro um amigo, parente, gente boa, boa praça e trabalhador envia-me algumas fotos da pequena e saudosa Cambará – PR. Sabedor que lá passei a minha infância, clica generosamente alguns prédios antigos na esperança de que eu lembre daquelas arquiteturas..

Analisei cada uma numa tentativa de rememorar idos tempos. Até recorri à minha querida mãe para voltamos ao passado.

Alguém mais ajuda no desvendamento das fotos e lugares????

IMG-20150113-WA0002

Foto 1 -Frente de um Hotel. Não sei se era o mesmo. O nome deve ter mudado. Em que rua Fica?

A Kimie, minha querida prima, exm-moradora da cidade e hoje em Santa Catarina, avisa-me que antigamente este hotel chamava-se Hotel Central.

IMG-20150113-WA0001

Foto 2 – Igreja Matriz. Qual o nome? Ali ainda permaneci – creio – a CRUZ colocada pelos missionários que visitaram a cidade na década de 1960

Segundo Kimie, a Igreja Matriz chama-se Igreja Nossa senhora das Graças.

IMG-20150113-WA0005

Foto 3 – Vaga lembrança de posto de gasolina. Ou ilusão?

IMG-20150113-WA0003

Foto 4 – Igreja Matriz. No fundo à esquerda fica a Santa Casa. Eu passava, virava e fazia o sinal da cruz….

IMG-20150113-WA0006

Foto 5 -Quase pensei que poderia ser a casa de meu amigo João. Mas não deve ser…

IMG-20150113-WA0007

Foto 6 – Que escola é essa?

IMG-20150113-WA0009

Foto 7 – Qual armarinhos? em que rua?

IMG-20150113-WA0010

Foto 8 – Devo ter cruzado esta esquina muitas vezes perdido em meus pensamentos….

IMG-20150113-WA0011

Foto 9 – É o prédio da Prefeitura???? Se for continua igual…..

A Prefeitura, segundo, Kimie é a prefeitura. Nada mudou….

IMG-20150113-WA0008

Foto 10 – A mesma escola?

Bom as fotos 6 e 10 são do colégio Dr. Generoso Marques  que fica bem na praça Central, hoje denominada Dr. Miguel Diniso (médico famoso na cidade na época em que lá morei)

Celebrando a amizade

Recolhi algumas fotografias minhas com amigos e familiares para uma pequena retrospectiva. Faltaram muitos amigos e muitas fotos que não encontrei no emaranhado e desorganizado arquivo de computador. A todos os amigos e familiares não presentes sintam-se contemplados, espero não faltar oportunidade para incluí-los numa próxima oportunidade.

Drives daqui, pendrives de lá, máquina aqui, notebook lá, rapidamente selecionei imagens que o Gildvam Félix, fotógrafo e dono da Overtime prontamente ajudou na feitura.

É dessa que deixo a minha mensagem pessoas de fim de ano. Feliz 2015.