Biografias

Marcos Rey, um paulistano

Ele se chamava Edmundo Donato, mas ficou conhecido pelo pseudônimo Marcos Rey, um escritor, roteirista brasileiro, redator de programas de televisão que adaptou clássicos como A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo em forma de telenovela e o Sítio do Picapau Amarelo.
Marcos Rey que nasceu na cidade de São Paulo em 17 de fevereiro de 1925. marcou uma geração com livros infanto-juvenis, além de obras para teatro, cinema e televisão. Muitos devem se lembra da série de livros infanto juvenis da Coleção Vaga-lume, como “O mistério dos cinco estrelas”.

Marcos Rey

Em 1945 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde viveu em uma pensão no bairro da Lapa e trabalhou na tradução de obras infantis.

Em 1946 ele voltou para São Paulo e em 1949 foi contratado como redator da Rádio Excelsior. Entre o período em que trabalhou na Rádio Excelsior e na Rádio Nacional conseguiu publicar seu primeiro livro, “Um gato no triângulo”.


Com a chegada da televisão na década de 50, Marcos Rey passa a trabalhar como redator de programas televisivos, entre eles, os infantis “Vila Sésamo” e “Sítio do Pica-Pau Amarelo”, as novelas “A moreninha” e “Partidas Dobradas” e as séries “Memórias de um gigolô” e “O homem que salvou Van Gogh do suicídio”. Paralelo a isso também trabalhou como publicitário.

No ano de 1958, em parceria com o seu irmão Mário Donato, fundou a Editora Mauá. Apesar da editora não ter dado certo, foi ali que conheceu sua esposa Palma Bevilacqua.

Marcos Rey foi presidente da União Brasileira de Escritores em 1961.

Em 1967 publica o livro de contos “O enterro da cafetina” e o romance “Memórias de um gigolô”, ambos sucessos de público e de crítica.


No dia 1 de abril de 1999, Marcos Rey morria e com ele uma parte da literatura paulistana.

Glauber Rocha

Em 14 de março de 1939, nascia em Vitória da Conquista, Bahia, o futuro cineasta Glauber de Andrade Rocha. Foi Diretor, roteirista, ator e escritor e um dos mais polêmicos da história da cinematografia nacional.
“Capaz como poucas de desarrumar o arrumado, voz do cineasta baiano faz falta nessas horas”, escreve o crítico de cinema Eduardo Escorel.

Foi indicado à Palma de Ouro em Cannes já em seu segundo longa e seria lembrado no Festival algumas outras vezes, sendo indicado à Palma de Ouro novamente nos filmes Terra em Transe, O Dragão da Maldade e Di Cavalcanti (na categoria de Curta-metragem) e vencendo o Prêmio do Júri ou FIPRESCI em Terra em Transe e Di Cavalcanti. Em 1969, ele recebeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival, empatado com o cineasta tcheco Vojtech Jasný. Sua última presença em festivais internacionais aconteceu em 1980, quando foi indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza, pelo filme A Idade da Terra.
Glauber Rocha faleceu em 22 de agosto de 1981, no Rio de Janeiro. Segundo Lúcia Rocha, mãe do cineasta, “Glauber morreu de Brasil”.

Filmografia completa:
Pátio (curta, 1959), Barravento (1962), Deus e o Diabo na Terra do Sol (1963), Amazonas, Amazonas (curta, 1965), Maranhão 66 (curta, 1966), Terra em Transe (1967), 1968 (curta, 1968), O Dragão da Maldade contra o santo Guerreiro (1969), Cabeças Cortadas (1970), O Leão de Sete Cabeças (1970), Câncer (1972), História do Brasil (filme não localizado, 1973), Claro (1975), Di Cavalcanti (curta, 1977), Jorge Amado no Cinema (curta, 1979), Programa Abertura (TV, 1979) e A Idade da Terra (1980).

minhas paredes do amor (Charles Bukowski)

em noites como esta, recupero o que

posso.

a vida é dura, a escrita é livre.

se as mulheres pudessem ser tão fáceis

mas elas eram sempre quase a mesma coisa:

gostavam da minha escrita em formato de livro

finalizado

mas havia sempre algo em relação ao efetivo

ato de datilografar

de trabalhar em direção ao novo

que as incomodava…

eu não estava competindo com elas

mas elas se mostravam competitivas comigo

em formas e estilos que eu não considerava

nem originais nem criativos

se bem que para mim

eram sem dúvida

assombrosos o bastante.

agora estão libertadas

consigo mesmas e com outros

e tem novos problemas

de outra maneira.

todas aquelas gracinhas:

fico contente por estar com elas em espírito

E não em carne

pois agora posso martelar a porra desta máquina

sem preocupação.

Henry Charles Bukowski Jr (nascido Heinrich Karl Bukowski; Andernach, 16 de agosto de 1920 — Los Angeles, 9 de março de 1994) foi um poeta, contista e romancista estadunidense nascido na Alemanha.Sua obra, de caráter inicialmente obsceno e estilo totalmente coloquial, com descrições de trabalhos braçais, porres e relacionamentos baratos, fascinou gerações que buscavam uma obra com a qual pudessem se identificar.

Belchior, por Ricardo Ramos

A lembrança de Belchior em um capítulo do livro Pelo Amor de Adriana, do Ricardo Ramos. Ricardo foi filho do grande Graciliano Ramos

Autor alagoano, nascido em Palmeira dos Índios a 4 de janeiro de 1929, Ricardo de Medeiros Ramos era filho do escritor Graciliano Ramos. Aos 15 anos mudou-se para o Rio de Janeiro onde cursou Direito, porém nunca exerceu, dedicando-se à publicidade.

Transferiu-se para São Paulo em 1956, onde viveu até sua morte. Participou ativamente da vida cultural da cidade; trabalhou como cronista e jornalista, foi professor de Comunicação e diretor da Escola Superior de Propaganda e Marketing. Organizou e foi o primeiro diretor do Museu de Literatura Paulista e presidiu a União Brasileira de Escritores.

Escreveu diversos contos e romances, sendo consagrado com os mais significativos prêmios literários do país. Participou de várias antologias do conto brasileiro contemporâneo. Muitas de suas obras foram traduzidas para o inglês, espanhol, alemão, russo e japonês.
Faleceu em 20 de março de 1992, em São Paulo.

Segundo o próprio autor, no prefácio: “Este livro é uma história de amor. Do amor entre jovens< do primeiro amor. E sendo assim, muito naturalmente, um livro apaixonado.”

Teodoro Alexandre de Beaurepaire

Olá amigos e amigas da Vitrine do Giba vamos hoje falar sobre mais um personagem das Guerras da Independência e que é nome de Rua no bairro do Ipiranga, na Cidade de São Paulo. O personagem de hoje é Teodoro de Beaurepaire

Teodoro Alexandre de Beaurepaire nasceu em Toulon, na França em 1787. Foi militar brasileiro de origem francesa. Estudou em Lisboa e veio para o Brasil, em 1808, como primeiro-tenente na esquadra que naquele ano trouxe a Família Real Portuguesa para o Brasil.

Em 1823, lutou na Bahia contra as tropas portuguesas durante a Guerra da Independência. No ano seguinte, participou da repressão à Confederação do Equador, em Pernambuco. Nessa ocasião, aprisionou o navio rebelde “Constituição ou Morte”, que depois passou a se chamar “Beaurepaire”. O Brigue Constituição ou Morte, ex-Rio Ave, foi armado pelos revolucionários de Pernambuco. Aprisionado pela Corveta Maria da Glória, do comandante Teodoro de Beaurepaire, em Porto de Pedras, Alagoas em 25 de julho de 1824. Passou a chamar-se Beaurepaire, tendo sido o único navio a ostentar esse nome(1) na Marinha do Brasil em homenagem ao oficial que o capturou. O comandante e o imediato desse navio rebelde, o maltês John Matrowich e o português João Guilherme Ratcliff, foram condenados à morte e executados em 17 de março de 1825.

Na Guerra da Cisplatina, participou de vários combates em 1826 e 1827 e capturou navios corsários que perseguiam os navios mercantes brasileiros. Entre 1837 e 1838, já chefe de divisão, chefiou as forças navais na repressão à Sabinada. Em 1843, comandou a esquadra que escoltou a imperatriz D. Teresa Cristina de Nápoles até o Rio de Janeiro para se casar com D. Pedro II.

Faleceu como vice-almirante e foi enterrado no Cemitério de São João Batista na gloriosa cidade do Rio de Janeiro em 2 de novembro de 1849.

Ficamos por aqui e aguardem o próximo vídeo sobre Personagens da Independência. Compartilhe, curta e inscreva-se em nossos canais.

Compartilhe, curta e inscreva-se em nossos canais.

O Dia do Fico e a Rua…

No dia 9 de janeiro de 1822, o príncipe regente D. Pedro I fez uma declaração de que não cumpriria mais as ordens das Cortes Portuguesas, que exigiam sua volta a Lisboa, ficando no Brasil.
Ficaram famosas as palavras supostamente ditas pelo Príncipe Regente: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico”.
Esta afirmativa de Dom Pedro I contribuiu para o fortalecimento do movimento separatista no Brasil, até então considerado uma extensão de Portugal. É por esse motivo que esse dia é tão importante para o Brasil.
Ocorria que as cortes de Lisboa, não aprovaram as medidas tomadas por dom Pedro para administrar o país; elas queriam recolonizar o Brasil e passaram a pressionar o príncipe a também retornar a Lisboa, deixando o governo do país entregue a uma junta submissa aos interesses portugueses. Uma reação de políticos brasileiros aconteceu e eles entregaram ao regente uma lista com 8 mil assinaturas solicitando sua permanência aqui. A resposta de dom Pedro foi a célebre frase apresentada acima. Ela marca a adesão do príncipe regente ao Brasil e à causa brasileira, que vai desembocar em nossa Independência, no mês de setembro daquele ano. O Dia do Fico, portanto, é um dos marcos do processo de libertação política do Brasil.
No Ipiranga, bairro de São Paulo, temos a Rua do Fico em homenagem a este tão importante momento. Fique com a Vitrine do Giba, participe, compartilhe e inscreva-se nos nossos canais.

Manoel de Barros

Em 13 de novembro de 2014 morria o poeta Manoel de Barros. Manoel Wenceslau Leite de Barros foi um poeta brasileiro do século XX, pertencente, cronologicamente à Geração de 45, mas formalmente ao pós-Modernismo brasileiro, se situando mais próximo das vanguardas europeias do início do século e da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswald de Andrade

Manoel de Barros foi um poeta da espontaneidade, do primitivismo dos versos reais, das canções sobre a natureza.

Entre muitos prêmios e homenagens, destaca-se o “Prêmio Jabuti” que recebeu duas vezes com as obras: O guardador de águas (1989) e O fazedor de amanhecer (2002).

LEON TRÓTSKI

Em 7 DE NOVEMBRO DE 1879 nascia UM DOS MAIORES REVOLUCIONÁRIOS DE TODOS OS TEMPOS, LEON TRÓTSKI – LEON TRÓTSKI , foi o nome que recebeu ao nascer, adotando “Leon Trótski” (nome de um policial que o prendeu) como um pseudônimo em sua vida revolucionária.
Sua obra teórica significa a continuação do marxismo, a teoria revolucionária de nosso tempo.
Depois de Lênin, Trótski foi o principal dirigente da Revolução Russa, organizando diretamente a insurreição que tomou o poder e instalou o Estado Operário Soviético. Durante a Guerra Civil, organizou o Exército Vermelho.
Trótski foi o mais árduo combatente à burocracia stalinista que ascendeu depois da morte de Lênin, sendo perseguido e posteriormente assassinado por ela. Stálin foi seu algoz!
Sua vida foi baseada na defesa incondicional da revolução, do proletariado e do marxismo. Por isso, tem, merecidamente, o título de maior revolucionário dos últimos tempos.

“Épocas reacionárias como a nossa própria não apenas desintegram e enfraquecem a classe trabalhadora e sua vanguarda, mas também rebaixa o nível ideológico geral do movimento e atrasa o pensamento político a estágios há muito tempo já superados. Nestas condições, a tarefa da vanguarda é, mais que tudo, não se deixar levar pela onda reacionária: deve-se nadar contra a corrente. Se uma relação de forças desfavorável impede de manter uma posição que foi vitoriosa, deve-se ao menos manter suas posições ideológicas, porque nelas está expressa a cara experiência adquirida no passado. Os tolos considerarão esta política “sectária”. Atualmente este é o único caminho de preparação para uma nova imensa onda adiante que virá com a maré”

“Grandes derrotas políticas inevitavelmente provocam a reconsideração de valores, geralmente ocorrendo em duas direções. Por um lado a verdadeira vanguarda, enriquecida pela experiência da derrota, defende com unhas e dentes as heranças do pensamento revolucionário e nesta base tenta educar novos quadros para as lutas de massas que virão. Por outro lado, os rotineiros, centristas e diletantes, amedrontados pela derrota, fazem o melhor para destruir a autoridade da tradição revolucionária e andar para trás em sua busca por um ‘Novo Mundo’.” (Trotsky, Estalinismo e Bolchevismo)

Nesta ocasião do aniversário do assassinato de Trotsky, renovamos nossa fé na classe trabalhadora mundial e nas ideias revolucionárias do marxismo. A revolução mundial está agora de volta na agenda. Estamos orgulhosos de termos sobre nossos ombros gigantescas tarefas. Repetimos as palavras da parte final do testamento de Trotsky:

“Eu posso ver a grama verde e brilhante pelo vidro, o céu azul e claro acima do muro, e a luz do sol irradiando todo o lugar. A vida é bela. Deixemos que as próximas gerações livrem-na de todo a mal, opressão e violência, para que todos dela possam desfrutar.”

Stálin sabia que tendo traído a Revolução ele precisava eliminar aqueles que a defendiam e personificavam as ideias do Bolchevismo e da revolução mundial.

Em 21 de outubro de 1984 morria o cineasta francês François Truffaut

François Truffaut ficou famoso na história do cinema por, ao lado de nomes como Jean-Luc Godard, Eric Rohmer e Claude Chabrol, fundar o movimento cinematográfico Nouvelle Vague (a “Nova Onda”), que trouxe uma nova experiência para o cinema

Em 21 de outubro de 1984 morria o cineasta francês François Truffaut – um dos fundadores do movimento cinematográfico conhecido como Nouvelle Vague e um dos maiores ícones da história do cinema do século XX.
Alguns Filmes do diretor:

Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962): triângulo amoroso imaginado por Truffaut traz Jeanne Moreau como a instável emocionalmente Catherine. Ela era a base da felicidade e da tristeza de Jules e Jim.

A Noite Americana (1973): vencedor de melhor filme estrangeiro de 1973, traz uma discussão sobre o processo de produção de um filme. A personagem feminina mais uma vez é parte crucial da narrativa.

Fahrenheit 451 (1966): único filme de Truffaut falado em inglês e mostra um mundo onde os livros são proibido, ideia que por si só já seria assustadora. Ver meu artigo sobre Fahrenheit 451

O bom Fausto Nilo

Fausto Nilo Costa Júnior é um compositor, arquiteto e poeta brasileiro. Cearense de Quixeramobim. Melancolia com Alegria. Incrível. Gravado por inúmeros artistas. Diplomou-se em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Ceará, em 1970. Mais de 400 letras registradas por mais de 100 parceiros, entre músicos e intérpretes do cancioneiro popular nacional. Fausto Nilo ganhou dois Prêmios da Música Brasileira (antigo Prêmio Sharp), na categoria Melhor Música Popular, em 1987 e 1995, e o troféu Playboy em 1982. Suas canções são interpretadas por Ednardo, Fagner, Gal Costa, Ney Matogrosso, Chico Buarque, Geraldo Azevedo, Elba Ramalho, Dominguinhos, Moraes Moreira, Simone, Amelinha, Lulu Santos, Pepeu Gomes e Luiz Gonzaga, entre outros

Você Se Lembra

Fausto Nilo

Entre as estrelas do meu drama
Você já foi meu anjo azul
Chegamos num final feliz
Na tela prateada da ilusão
Na realidade onde está você
Em que cidade você mora
Em que paisagem em que país
Me diz em que lugar, cadê você
Você se lembra
Torrentes de paixão
Ouvir nossa canção
Sonhar em Casablanca
E se perder no labirinto
De outra história
A caravana do deserto
Atravessou meu coração
E eu fui chorando por você
Até os sete mares do sertão
Você se lembra…

As Meninas do Brasil

rês meninas do Brasil, três corações democratas
Tem moderna arquitetura ou simpatia mulata
Como um cinco fosse um trio, como um traço, um fino fio
No espaço seresteiro da elétrica cultura

Deus me faça brasileiro, criador e criatura
Um documento da raça pela graça da mistura
Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil
Têm a cor da formosura

Se a beleza não carece de ambição e escravatura
E a alegria permanece e a mocidade me procura
Liberdade é quando eu rio na vontade do assobio
Faço arte com pandeiro, matemática e loucura

Deus me faça brasileiro, criador e criatura
Um documento da raça pela graça da mistura
Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil
Têm a cor da formosura

Serenatas do Brasil, eu serei três serenatas
Uma é o coração febril, a outra é o coração de lata
A terceira é quando eu crio na canção um desafio
Entre o abraço do parceiro e um pedaço de amargura

Deus me faça brasileiro, criador e criatura
Um documento da raça pela graça da mistura
Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil
Têm a cor da formosura

Se eu ganhasse o mundo inteiro, de Amélia a Doralice
De Emília a Carolina, e os mistérios de Clarice
Se teu nome principia, Marina no amor Maria
Só faria melodias com a beleza das meninas

Deus me faça brasileiro, criador e criatura
Um documento da raça pela graça da mistura
Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil
Têm a cor da formosura

Quando o povo brasileiro viu Irene dar risada
Clementina no terreiro restaurando a batucada
Muito além de um quarto escuro, nos olhos da namorada
Eu sonhava com o futuro das meninas do Brasil

Deus me faça brasileiro, criador e criatura
Um documento da raça pela graça da mistura
Do meu corpo em movimento, as três graças do Brasil
Têm a cor da formosura
As três graças do Brasil
Têm a cor da formosura

Pedras que cantam

Quem é rico mora na praia mas quem trabalha nem tem onde morar
Quem não chora dorme com fome mas quem tem nome joga prata no ar
Ô tempo duro no ambiente, ô tempo escuro na memória, o tempo é quente

E o dragão é voraz….
Vamos embora de repente, vamos embora sem demora,
Vamos pra frente que pra trás não dá mais
Pra ser feliz num lugar pra sorrir e cantar tanta coisa a gente inventa, mas no dia que a poesia se arrebenta

É que as pedras vão canta