Música

Solando


Novo single da cantora Pat Lapin, “Solando SP”

A cidade da garoa, como ficou conhecida a São Paulo, ganha uma homenagem especial no novo clipe da Pat Lapin, “Solando SP”.

Parte do cd LAPIN, que a paulistana fez de forma totalmente independente, a música chega nessa quarta com um video dirigido por Luan Kardoso que mostra a cantora em seu apartamento nos Jardins enquanto a chuva cai pela janela.

“O clipe nasceu sem roteiro, em clima de improvisação entre eu e o Luan. A ideia é retratar que, mesmo em uma grande metrópole, nossa vida é pessoal, íntima, dando muitas vezes a sensação de solidão. A chuva representa a transformação, e os tons de cores em amarelo, a esperança”, conta Patricia Coelho, que passa a assinar seu novo trabalho autoral com o apelido que ganhou durante sua incursão pela cena independente de São Paulo.

A cantora e compositora paulistana que fez parte do trio pop Sect junto com o Dj Gui Boratto e Jorge Boratto, e fez sucessos solos com releituras das músicas “Eu Te Amo Você” e “O Meu Sangue Ferve Por Você”, lançou, recentemente, o single “Coragem”, já disponível em todas as plataformas digitais e que ganhou versão remixada e assinada pelo Dj Zé Pedro. A música “Solando SP” é lançada com apoio da gravadora Joia Moderna.

Link para clipe: https://youtu.be/rl9SUVExduA

Anúncios

Que diferença faz um dia?

Só um dia. Que diferença faz. Só um dia. O que podemos fazer? O que poderemos fazer em apenas um dia? Um amor, uma palavra, uma ação, um beijo, um adeus. Que diferença faz um dia? Se os outros dias não realizarmos a diferença? Apenas um dia, mas há esperança, há desejo, há mudança. São apenas 24 horas para que não tenhamos 25 anos de tormenta. São apenas 24 horas para que não tenhamos 24 anos de atraso.

 

What A Difference A Day Makes 

Dinah Washington

What a difference a day made

Twenty-four little hours

Brought the sun and the flowers

Where there used to be rain

My yesterday was blue, dear

Today I’m part of you, dear

My lonely nights are through, dear

Since you said you were mine

Lord, what a difference a day makes

There’s a rainbow before me

Skies above can’t be stormy

Since that moment of bliss, that thrilling kiss

It’s heaven when you find romance on your menu

What a difference a day made

And the difference is you

What a difference a day makes

There’s a rainbow before me

Skies above can’t be stormy

Since that moment of bliss, that thrilling kiss

It’s heaven when you find romance on your menu

What a difference a day makes

And the difference is you

 

 

 

Que diferença um dia fez

Vinte e quatro pequenas horas

Trouxe o sol e as flores

Onde costumava haver chuva

Meu ontem foi triste, querido

Hoje sou parte de você, querido

Minhas noites solitárias estão terminadas, querido

Desde que você me disse que era meu

Lord, que diferença um dia faz

Existe um arco-íris diante de mim

O céu acima não pode ser tempestuoso

Desde aquele momento de felicidade, aquele beijo emocionante

É céu quando você encontra romance em sua lista

Que diferença um dia fez

E a diferença é você

Que diferença um dia fez

Existe um arco-íris diante de mim

O céu acima não pode ser tempestuoso

Desde aquele momento de felicidade, aquele beijo emocionante

É céu quando você encontra romance em sua lista

Que diferença um dia fez

E a diferença é você

DEUS é mulher!

(foto: Daryan Dornelles/Divulgação)

Uma das maiores personalidades da história da música popular brasileira, Elza Soares voltou de maneira avassaladora à cena musical no ano de 2015 com o show da turnê A Mulher do Fim do Mundo, o primeiro álbum de inéditas da artista, onde várias letras trazia críticas contra o racismo e a violência da mulher.  Agora volta à tona com o álbum “Deus É Mulher” e teve grande repercussão nas redes sociais. O nome do novo CD virou trending topic no Twitter.

A carreira da Elza Soares sempre foi pautada pela ousadia, seja pela maneira de cantar, pela atitude no palco ou pelas escolhas artísticas. Com um timbre único, o balanço e a voz que soam como um instrumento, a artista vive o seu tempo e mantém sua vanguarda.

No álbum atual há letras de protestos contra a intolerância religiosa e o projeto Escola sem Partido. As percussões são das mulheres do Ilú Obá de Min, tradicional bloco afro de Carnaval, além de flauta, quarteto de cordas, sintetizadores e guitarras.

A cacofônica e quebradiça Deus há de ser é a controversa música escrita por Pedro Luiz em que se usa o jogo de palavras e sons para definir uma suposta Deusa como ”mulher”, ”fêmea”, ”fina” e ”linda”. A música, em ritmo acelerado, vem acompanhada de percussão pulsante e sons eletrônicos.

 

confira o single Deus Há de Ser

A linda História de Moonlight Sonata – Beethoven

  “Beethoven vivia um desses dias tristes, sem brilho e sem luz. Estava muito abatido pelo falecimento de um príncipe da Alemanha, que era como um pai para ele…

O jovem compositor sofria de grande carência afectiva. O pai era um alcoólatra contumaz e o agredia fisicamente. Faleceu na rua, por causa do alcoolismo… Sua mãe morreu muito jovem. Seus irmãos biológicos nunca o ajudaram em nada, e, some-se a tudo isto, o fato de sua doença agravar-se. Sintomas de surdez, começavam a perturbá-lo, ao ponto de deixá-lo nervoso e irritado…

Beethoven somente podia escutar usando uma espécie de trombone acústico no ouvido. Ele carregava sempre consigo uma tábua ou um caderno, para que as pessoas escrevessem suas idéias e pudessem se comunicar, mas elas não tinham paciência para isto, nem para ler seus lábios…

Notando que ninguém o entendia, nem o queriam ajudar, Bethoven se retraiu e se isolou. Por isso conquistou a fama de misantropo. Foi por todas essas razões, que o compositor caiu em profunda depressão. Chegou a redigir um testamento, dizendo que iria se suicidar…

Mas como nenhum filho de Deus está esquecido, vem a ajuda espiritual, através de uma moça cega, que morava na mesma pensão pobre, para onde Beethoven havia se mudado e lhe fala quase gritando: “Eu daria tudo para enxergar uma Noite de Luar” Ao ouvi-la, Beethoven se emociona até as lágrimas. Afinal, ele podia ver! Ele podia escrever sua arte nas pautas…

A vontade de viver volta-lhe renovada e ele compõe uma das músicas mais belas da humanidade: “Sonata ao Luar” No seu tema, a melodia imita os passos vagarosos de algumas pessoas, possivelmente, os dele e os dos outros, que levavam o caixão mortuário do príncipe, seu protector…

Olhando para o céu prateado de luar, e lembrando da moça cega, como a perguntar o porquê da morte daquele mecenas tão querido, ele se deixa mergulhar num momento de profunda meditação transcendental…

Alguns estudiosos de música dizem que as três notas que se repetem, insistentemente, no tema principal do 1º movimento da Sonata, são as três sílabas da palavra “why”? ou outra palavra sinônima, em alemão…

Anos depois de ter superado o sofrimento, viria o incomparável Hino à Alegria, da 9ª sinfonia, que coroa a missão desse notável compositor, já totalmente surdo. Hino à Alegria expressa a sua gratidão à vida e a Deus, por não haver se suicidado…

Tudo graças àquela moça cega, que lhe inspirou o desejo de traduzir, em notas musicais, uma noite de luar…

Usando sua sensibilidade, Beethoven retratou, através da melodia, a beleza de uma noite banhada pelas claridades da lua, para alguém que não podia ver com os olhos físicos. “

 

VIDEO

https://youtu.be/OsOUcikyGRk

Interpretação por Valentina Lisitsa

 

Nota sobre a obra – A Sonata para piano n.º 14, Op. 27 n.º 2 é uma sonata de Beethoven. Essa sonata foi muito tocada na época de Beethoven, que chegou a dizer que tinha feito músicas melhores. A “Sonata ao Luar”, que serviu de tema para inúmeros filmes e romances, só recebeu seu apelido em 1832, cinco anos depois da morte de Beethoven.[1] Foi o crítico Rellstab que comparou a música a um luar ao lago Lucerna. Tal comparação foi adotada como apelido para a obra.

La Ciudad Liberada

imagem_release_1188359

“La ciudad liberada”, último álbum lançado de Fito Páez, segue recebendo elogios, tanto na Argentina quanto no exterior.

Pelas diversas nuances que têm as 18 faixas que o compõem, pelas músicas que podem ser futuros clássicos e, entre outras coisas, pelas letras inspiradas de todo o trabalho. Segundo a revista Rolling Stone, “La Ciudad Liberada” é o melhor disco de Fito Páez em 20 anos.

“Tu Vida Mi Vida” é seu novo single e conta com o clipe que mostra um Fito íntimo, cantando junto com sua namorada Eugenia Kolodziej.

É uma música em midtempo que segundo Fito “tem algo que não pertence ao gênero da canção de amor, não é a clássica canção que você canta para sua namorada. Ela fala da fragilidade das mulheres e dos homens”.

Padre José Maurício Nunes Garcia. O sacerdote. O compositor. O regente. O professor. O mestiço

250 anos do padre José Mauricio Nunes Garcia – Ludovica

 

O padre José Maurício Nunes Garcia nasceu no Rio de Janeiro, em 22 de setembro de 1767. Filho de mestiços, Apolinário Nunes Garcia, um alfaiate, e Victória Maria da Cruz, uma filha de escravos.

Da certidão do Batismo de José Maurício, que se realizou na Igreja de Nossa Senhora  do Rosário.
“Aos vinte dias do mez de Outubro de mil settecentos  e sessenta e sette annos nesta Cathedral, baptisei, e puz os Santos Óleos o Reverendo
Coadjutor Mario C. Fernandes de Castro  à Joze  filho legitimo de  Appolinario Nunes baptisado na  Ilha do Governador,  e sua mulher Victoria Maria  da Cruz baptizada em  Minas…  Rio de  Janeiro, aos  vinte e sette  dias do mez de Junho de mil oito centos e nove annos.”

O padre foi um dos maiores compositores das Américas, de seu tempo.

De origem humilde, aos seis anos ele perde o pai e passa a ser criado pela mãe com o auxílio da tia. Estudou teoria musical com o maestro Salvador José e, durante dois anos, foi aluno do poeta Silva Alvarenga.

Aos 16 anos, compõe sua primeira obra, uma antífona para a Catedral e Sé do Rio de Janeiro: Tota pulcra es Maria (1783).

Aos 17 anos, assina a ata de fundação da Irmandade de Santa Cecília, como professor de música.

Em 1790, obteve notoriedade no Rio de Janeiro com uma obra instrumental: Sinfonia Fúnebre.

Em 1791, solicita ordenação ao sacerdócio. Em 1792, o músico negro é ordenado padre, e em 1798 torna-se mestre de capela da Sé. O posto de mestre era o mais importante para um músico no Brasil Colônia. O período entre 1808 e 1811 foi o mais produtivo de Nunes, ele compôs cerca de setenta obras.

No ano de 1826, no ápice da sua criação,  realizou sua última composição, a Missa de Santa Cecília, encomendada pela Irmandade de Santa Cecília.

O padre José Maurício faleceu em 18 de abril de 1830. Vítima de seu tempo, da sua origem, da sua cor.

 

 

Outubro

Fernando Brant (Outubro 1946 – Junho 2015) e Milton Nascimento

 

Como entrou Outubro, vamos inaugurar o mês com uma das mais bonitas letra/música da dupla Fernando Brant e Milton Nascimento, presente no 1º LP(Disco) do Milton(1967).

OUTUBRO
Tanta gente no meu rumo
Mas eu sempre vou só
Nessa terra desse jeito
Já não sei viver
Deixo tudo deixo nada
Só do tempo eu não posso me livrar
E ele corre para ter meu dia de morrer
Mas se eu tiro do lamento um novo canto
Outra vida vai nascer
Vou achar um novo amor
Vou morrer só quando for
A jogar o meu braço no mundo
Fazer meu outubro de homem
Matar com amor essa dor
Vou
Fazer desse chão minha vida
Meu peito é que era deserto
O mundo já era assim
Tanta gente no meu rumo
Já não sei viver só
Foi um dia e é sem jeito
Que eu vou contar
Certa moça me falando alegria
De repente ressurgiu
Minha história está contada
Vou me despedir.

Sambas para a Independência

“Já raiou a liberdade
A liberdade já raiou
Esta brisa que a juventude afaga
Esta chama que o ódio não apaga pelo Universo
É a evolução em sua legítima razão”

Império Serrano 1969 – Heróis da Liberdade

“Vou dizer…
Quem tem muito, quer ter mais
Tanto faz se estragar
Joga no lixo, tem bugica p’ra catar
Senhor, despertai a consciência
É preciso igualdade
O ser humano tem que ter dignidade”

Império Serrano 1996 – E VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA

 

 

 




Avarandado

 

 Avarandado (Caetano Veloso)

Cada palmeira na estrada
tem uma moça recostada
uma é minha namorada
e essa estrada vai dar no mar
Cada palma enluarada
tem que estar quieta, parada
qualquer canção, quase nada
vai fazer o dia nascer
vai fazer o sol levantar
Namorando a madrugada
eu e minha namorada
vamos andando na estrada
que vai dar no avarandado no amanhecer
no avarandado do amanhecer
no avarandado do amanhecer

A mulher não se dizputa, canta Carol Naine

Com o carro chefe DIZPUTA, uma das três músicas finalistas da categoria Melhor Canção do Prêmio da Música Brasileira, concorrendo nada mais com “Descaração familiar”, de Tom Zé, e “Nunca mais vou jurar”, de Zeca Pagodinho. Carol Naine apresenta seu disco “Qualquer pessoa além de nós”, segundo álbum autoral de Carol, lançado oficialmente em CD em maio deste ano em um show no Rio de Janeiro, terra da cantora.

A agora paulistana (desde 2015) coloca sua voz a serviço de um repertório repletos de canções críticas, de questionamentos a dogmatismo, a sexismo e diversidade cultural, fruto desta vivência na metrópole sugando o fruto das turbulências da sociedade contemporânea, costurando as reflexões cotidianas, de quem saiu do mundo da televisão e das redes sociais paras as ruas movimentas da capital.

Carol Naine faz show em São Paulo no dia 17 de setembro, no SESC Bom Retiro. O show é às 16h  e os ingressos são gratuitos. Como não sou Deus, vou tentar ir ao show…

“Qualquer pessoa além de nós” também ganhou menção honrosa e entrou para a lista do Embrulhador de “Melhores Discos da Música Brasileira“. Diversas canções deste trabalho foram premiadas em festivais do Brasil, como Femucic (do SESC), Femup, São Lourenço e Limeira. Carol também tem participado de shows em teatros na cidade e no estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Ceará.

%d blogueiros gostam disto: