Dia: 6 de junho de 2018

Geofísica: uma ferramenta auxiliar na avaliação de áreas contaminadas

O Parque CienTec fica dentro do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, conhecido como Parque do Estado, junto ao Jardim Botânico, ao Jardim Zoológico, e ao Observatório de São Paulo, na Zona Sul do município de São Paulo/SP.

Uma das grandes preocupações mundiais são os impactos ambientais causados pela disposição de resíduos gerados pela população, assim como por derrames acidentais de produtos químicos no solo, devido a migração dos contaminantes para o meio ambiente local e consequente contaminação dos solos e águas subterrâneas. Por ser uma metodologia de investigação indireta e não invasiva, os métodos geofísicos tem se mostrado uma excelente ferramenta para auxiliar a investigação de áreas contaminadas. Nessa palestra serão apresentados exemplos do uso da geofísica em lixões, aterros sanitários e áreas contaminadas por derrames de produtos químicos no solo.

Anúncios

CET lança 10º Prêmio de Educação de Trânsito “O respeito ao pedestre faz o trânsito mais seguro, afinal todos somos pedestres!”.

A Companhia de Engenharia de Tráfego – CET de São Paulo lança o 10º Prêmio CET de Educação de Trânsito,

que tem por objetivo incentivar a reflexão, a criatividade e a produção de trabalhos voltados para a segurança no trânsito.

 

As Inscrições começarão no dia 25 de junho de 2018 e poderão ser feitas até 24 de agosto de 2018 pelo site www.cetsp.com.br

 

O Tema central do concurso neste ano é “O respeito ao pedestre faz o trânsito mais seguro, afinal todos somos pedestres!”.

 

Poderão concorrer estudantes (do ensino infantil ao universitário), educadores, motoristas, motociclistas, ciclistas e qualquer cidadão maior de 16 anos que estudem ou residam no Município de São Paulo.

 

No anexo o edital com os detalhes de cada categoria.

 

Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail premiocet@cetsp.com.br

Projeto de ampliação do Parque da Independência é apresentado ao prefeito Bruno Covas

20180604_Reuniao_com_Vereador_Aurelio_Nomura_LG

No dia 4 de junho, 10h, no Gabinete do Prefeito de São Paulo, no Viaduto do Chá, representantes do Ipiranga apresentaram o projeto de ampliação (anexação da área)  do parque da Independência. estiveram reunidos com o prefeito Bruno Covas, o vereador Aurélio Nomura e representantes do bairro do Ipiranga, tais como:  vice-presidentes da Associação Comercial de S.Paulo – Samir N. Khoury, Giacinto Cósimo Cataldo, pelo  superintendente da Associação Comercial de São Paulo – Distrital Ipiranga – Antonio João Santo, dos conselheiros da ACSP – Distrital Ipiranga = Ademir Gatti, Reinaldo Bittar,  Valdir Abdallah, do presidente do CAY – Lincon C. Thomé, Sueli Guerreiro (presidente do PSDB-IP) e o empresário Sergio Moretti. O encontro também contou com a participação dos secretários municipais Eduardo Tuma (Casa Civil) e Eduardo de Castro (Verde e Meio Ambiente), além do prefeito regional do Ipiranga, Vitor de Almeida Sampaio

 

 

Todos têm a responsabilidade de gerir o meio ambiente

Angela Maria Cabel Garcia -Crédito da foto: Paula Dizaró / Canção Nova

 

* Angela Maria Cabel Garcia

A preocupação com a preservação e conservação ambiental vem ganhando destaque nos últimos anos, principalmente, devido aos impactos que o uso irresponsável dos recursos naturais tem causado nos diferentes aspectos da sociedade como a economia, política, saúde e qualidade de vida.

Todos nós sabemos que a situação é séria e que precisamos de uma mudança global. Porém, corremos o risco de não identificar a responsabilidade que cabe a cada um de nós. É preciso admitir de forma pessoal que tudo o que hoje podemos observar e qualificar como desastre ambiental, perda  de biodiversidade, contaminação de água, solo e ar, tem um pouco da nossa contribuição.

O Papa Paulo VI, quando se referia à problemática ecológica, falava de uma crise, consequência da “atividade descontrolada” do ser humano. E quem não vive hoje uma tendência para esse consumismo? Infelizmente somos contagiados sutilmente, quando consumimos produtos  sem necessidade, levados pela agitação e pressão do dia a dia e, como consequência disso, aumentamos a geração de resíduos e emissões atmosféricas, e diminuem-se as reservas dos recursos naturais, muitas vezes não renováveis.

Somos livres, sim, temos liberdade para consumir, porém a obsessão pelo consumo faz de nós seres egoístas interessados unicamente nas nossas necessidades, sem olhar para o efeito que as nossas ações podem causar na vida das outras pessoas.

Dessa forma, a problemática ambiental tem no fundo uma crise social, porque “todos os progressos científicos por mais extraordinários que sejam, se não estiverem unidos a um progresso social e moral, voltam-se, necessariamente, contra o homem” (Paulo VI, discurso à FAO em novembro de 1970).

A encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, nos alerta claramente sobre essa realidade, explicando o princípio do bem comum e a responsabilidade humana. São atitudes simples, mas que se formos fiéis em aplicá-las dia a dia, terão um grande efeito. Como o consumo correto da água,  um recurso indispensável para a vida humana e para a sustentação dos ecossistemas.

Infelizmente ainda existe o uso inconsciente desse recurso tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles subdesenvolvidos, que contam com grandes reservas, principalmente, na América Latina. Precisamos cuidar das reservas e da qualidade!

Algumas dicas práticas para aplicar em casa são: garantir a correta vedação de torneiras e chuveiros para evitar vazamentos;  reaproveitar a água da máquina de lavar roupa; lavar a louça de uma vez; regar o jardim no horário certo; acompanhar o consumo indicado no hidrômetro de casa..Outros hábitos indispensáveis são: apagar as luzes durante o dia e nos lugares onde não houver pessoas; não deixar os aparelhos nem computadores em stand by; usar a máquina de lavar só quando ela estiver cheia;  colocar a geladeira longe do fogão e das áreas mais quentes da cozinha.

Quanto à geração de resíduos, nossa primeira opção deveria ser sempre a redução. Os aterros sanitários estão ficando cada vez mais cheios e ocupando mais espaço. Mesmo quando o lixo é disposto corretamente, muitas vezes, grande parte dele, que não é recolhida, é jogada diretamente nos rios e na terra.

Evitemos o uso de material plástico e de papel. Podemos separar os resíduos para facilitar a reciclagem e reaproveitar as coisas antes de jogá-las fora. Dessa forma, também contribuímos na conservação das matérias primas, que são recursos naturais.

Podemos ainda escolher o transporte público, utilizar bicicleta ou até fazer uma caminhada nos percursos que não necessitem de veículo automotor.

O momento difícil que enfrentamos no Brasil precisa nos ajudar a valorizar a riqueza que temos como recurso e nos levar a tomar atitudes diferentes. A humanidade nunca teve tanto poder sobre si mesma como tem hoje. Somos os únicos com a capacidade para transformar essa realidade!

* Angela Maria Cabel Garcia é missionária da Comunidade Canção Nova e engenheira ambiental.