Day: 12 de dezembro de 2019

Cipriano Barata

Cipriano Barata

Hoje vamos falar sobre o Jornalista baiano José Cipriano Barata de Almeida (26/9/1762-7/6/1838), um dos mais combativos defensores da independência do país do período do Império.
Cipriano José Barata de Almeida foi um médico e político baiano, que teve importante participação na liderança da Conjuração Baiana (1798), também conhecida como Conspiração dos Alfaiates. Cipriano Barata tinha posição política liberal, foi um importante revolucionário e defensor da independência do Brasil em relação a Portugal, da liberdade e também da abolição da escravatura.
Cipriano Barata nasceu na cidade de Salvador (BA) em 26 de setembro de 1762. Estudou na Universidade de Coimbra, instituição em que se formou em Filosofia, Matemática e Cirurgia. isto mesmo Filosofia, Matemática e Cirurgia!
Enquanto estudava em Portugal, entrou em contato com os ideais de liberdade e igualdade, disseminados pelo Iluminismo.
Liberal-democrata, participa da Conjuração Baiana de 1798 e da Revolta Pernambucana de 1817.

Em 1821, foi deputado pela Província da Bahia.junto às Cortes Constitucionais, em Lisboa, em 1821 onde defende publicamente a separação do Brasil de Portugal.
Em 1822 cria o jornal Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco, no qual acusa o imperador dom Pedro I de se comportar de maneira absolutista.

Em 1823, foi eleito deputado para a Assembleia Constituinte. Porém, não assumiu, pois percebeu que ocorreria intervenção imperial. Fato que se comprovou. Neste mesmo ano, na província de Pernambuco, publicou o jornal liberal A Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco.

Foi preso em 1825, acusado de ter participado da Confederação do Equador. É libertado em 1830. Liberto em 1833, foi morar em Salvador, cidade em que criou o jornal Sentinela da Liberdade na Guarita do Quartel General de Pirajá.
A ousadia é punida com sucessivas transferências de prisão, o que sempre causa mudança no título da publicação.

Nos dois últimos anos de vida, após largar a política, atuou como professor de Francês na cidade de Natal.

Faleceu, aos 75 anos de idade, na cidade de Natal (RN) em 7 de junho de 1838.