Mês: julho 2021

Um crime anunciado

Por Eliseu Gabriel

*Consternado com o incêndio na Cinemateca, uma tragédia mais do que anunciada*!!

Desleixo deliberado do Governo Federal negacionista que despreza o valor do conhecimento, da ciência e também da cultura.

Desde de 2019, eles tentam destruir a Cinemateca. Chegaram a expulsar, com o apoio da Polícia Federal, os funcionários que trabalhavam, mesmo sem receber os salários, e a entidade que a administrava. A Cinemateca, que tem um dos maiores acervos de audiovisual do mundo, era festejada e admirada em todo planeta.

Com a Comissão de Educação e Cultura da Câmara Municipal de São Paulo, que presido há alguns anos, fizemos encontros com amigos da Cinemateca, com artistas, produtores, cineastas para num esforço conjunto resguardar esse incrível patrimônio. Alguns problemas foram resolvidos, como os recursos para pagar a conta da energia, que estava para ser cortada, tão necessária para manter refrigeração, especialmente das películas com nitrato, para evitar a autocombustão.

Com este incêndio, que não é fatalidade, perdemos parte de nossa história, perdemos verdadeiras relíquias do Brasil unicamente por estupidez de um desgoverno.

Lá estavam cerca de quatro toneladas de documentos e de história, mais de 200 mil filmes do cinema brasileiro. O fogo está consumindo toda a documentação do Instituto Nacional de Cinema, Concine e Embrafilme. Provavelmente, todos os negativos de filmes fundamentais também se foram.

Este incêndio é mais uma vergonha brasileira para o mundo. Esse Governo Federal não tem limites.

Se não conseguirmos dar um basta, o pior ainda estará por vir!

*EliseuGabriel*

O escritor precisa do editor

Hoje é o dia do escritor e o sonho de todo ser que escreve é o livro materializado em suas mãos. Através da editora gráfico Heliópolis muitos que nunca conseguiriam espaço numa editora de grande porte tiverem seus sonhos concretizados no papel . Assim, toda força e apoio à iniciativa do PC Marciano e demais lutadores da cultura da periferia !!!!

Jornalismo sensacionalista, por Jaime Patias

Sikêra Jr. quis ser Chacrinha e acabou rei do mundo cão, gênero de jornalismo sensacionalista que no Brasil é considerado o pai do fascismo por dar voz a afirmações como “bandido bom é bandido morto”, defender a morte dos presos, acusar, julgar e condenar ao vivo na TV, sem provas…
Acusado de homofobia, o apresentador bolsonarista, Sikêra Jr. perdeu patrocinadores e diz que “é alegria quando vagabundo morre”.

Isso mostra que Sikêra Jr., Datena, Ratinho e outros, sozinhos não teriam força para ganhar notoriedade com a baixaria que botam na tela. Tem quem financia esse mundo cão e essas empresas são igualmente responsáveis pelos destemperos e insanidades do apresentador.

O governo federal repassou 120 mil reais de verbas públicas em cachê para Sikêra Jr. para fazer propaganda de Bolsonaro com quem se identifica pela linguagem utilizada. A informação, divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo, consta em um documento entregue à CPI da Covid pela Secretaria Especial de Comunicação Social, a Secom, liderada à época por Fabio Wajngarten.

“Quem financia a baixaria é contra a cidadania”, foi uma campanha realizada no início dos anos 2000 responsável por mudanças nos telejornais sensacionalistas da época, como o “Brasil Urgente” de José Luiz Datena, produzido e exibido pela TV Bandeirantes.

Ao contrário do jornalismo sério, o sensacionalista se presta a informar mais para satisfazer as necessidades instintivas do público, por meio de formas sádicas e espetaculares, expondo pessoas ao ridículo. O jornalismo sensacionalista extrai do fato, da notícia, a sua carga emotiva e apelativa e a enaltece. Quase fabrica uma nova notícia, que passa a se vender por si mesma.

A espetacularização das notícias subverte a ordem de importância e veracidade dos fatos. Nessa lógica, as informações que causam impactos e estão sendo veiculadas no momento têm preferência. Ao buscar a informação desesperadamente, a fim de manter os pontos pela audiência, os jornalistas acabam se esquecendo de regras básicas do bom jornalismo, como ouvir todas as partes envolvidas, conferir as informações antes de divulgá-las, e, principalmente, não condenar previamente suspeitos ou acusados, procedimento comum no gênero sensacionalista (PATIAS, Jaime C. in COELHO & CASTRO, Comunicação na Sociedade do Espetáculo, 2006, p.97)’.

Sikêra Jr. se retratou, mas cheio de si, o estrago está feito. Após campanha de desmonetização encabeçada pelo Sleeping Giants Brasil, Sikêra Jr. perdeu pelo menos 62 patrocinadores em função de falas homofóbicas em seu programa na televisão e no canal do YouTube.

Desesperado, Sikêra Jr. o apresentador bolsonarista do Alerta Nacional, da RedeTV! criou uma empresa falsa, a Óticas Tambaqui, para, segundo ele, servir de “isca” a “um monte de lacradores”. Depois de mais de uma semana oferecendo promoções para os telespectadores com propagandas enganosas, ele decidiu assumir, nesta quinta-feira (22), que a loja nunca existiu. Como pode ainda continuar tendo espaço na TV?
(Jaime C. Patias, IMC, é mestre em comunicação. 23 de julho 2021.)

Independiente tenta melar resultado! Nota Oficial do Santos

O Santos FC esclarece que o atacante Kaio Jorge estava apto a jogar diante do Independiente, da Argentina, pela Conmebol Sul-Americana, na quinta-feira, dia 15, na Vila Belmiro. Para evitar qualquer dúvida, o Clube formalizou consultas oficiais à Conmebol em relação à escalação dos atletas Kaio Jorge e Camacho. Nas duas situações, a resposta da entidade, como o Santos já esperava, foi positiva em relação à escalação dos atletas.

Kaio Jorge levou o terceiro amarelo na última partida do Clube pela Conmebol Libertadores, contra o Barcelona, no Equador, mas pelo artigo 75.3 do Código Disciplinar da Conmebol – “a suspensão imputada a um jogador, por acúmulo de cartões amarelos, em partidas distintas, em uma mesma competição, em nenhum caso será transferida para a outra competição”.

Já no caso de Camacho, o Santos FC está amparado pelo artigo 3.7.4.1 do Manual de Clube da Conmebol Sul-Americana. O Santos FC reitera que tanto o Departamento de Futebol, quanto o Departamento Jurídico, tiveram todo o cuidado prévio em cada situação, a fim de evitar prejuízos ao Clube.