Dia: 14 de agosto de 2015

Pré-Conferência Regional da Juventude – Ipiranga, Jabaquara e Vila Mariana

juventude

Como fase preparatória para a 3°Conferência Municipal de Juventude, as Subprefeituras Ipiranga, Jabaquara e Vila Mariana, convidam a todos e todas para a Pré-Conferência Regional, dia 15/08, às 16h, no Território de Cultura Afro Mãe Sylvia de Oxalá (Acervo Jabaquara).

 

A 3° Conferência Municipal de Juventude pretende fortalecer a relação entre o governo e os jovens, ouvindo suas demandas e propondo ao município estratégias para ampliar e consolidar as políticas públicas para a juventude.

 

O que você acha que seria importante para seu bairro? O que você que seria importante para a juventude da cidade? Mais lazer? Mais segurança? Mais cultura? Mais educação? Venha debater com a gente as políticas públicas para a juventude!

 

Também vai rolar muita música, apresentações e boas vibrações!

 

Participe!

Anúncios

Pinacoteca de São Paulo comemora 110 anos com programação especial e novos projetos

© Pinacoteca de São Paulo - Foto: Isabella Matheus

© Pinacoteca de São Paulo – Foto: Isabella Matheus

A Pinacoteca, Museu de arte mais antigo de São Paulo e um dos mais visitados e ativos da capital paulista e do Brasil, pertencente à Secretaria do Estado de Cultura, completa 110 anos de existência em dezembro deste ano. Para celebrar mais de um século de uma história tão relevante, prepara uma série ações especiais que se estenderão pelo segundo semestre de 2015 e 2016.

Além de exposições que lançarão as questões sobre sua história, fazem parte do calendário comemorativo a concepção e a venda de novos produtos, a aquisição de uma obra de arte histórica, o lançamento de publicações, a realização de eventos e a reformulação da sua comunicação visual.

As atividades começaram em julho deste ano com a abertura da exposição ‘A paisagem na arte: 1690-1998. Artistas britânicos na coleção da Tate’ e seguem até 2016. “É um orgulho poder marcar esta data com uma agenda tão completa e variada. Começamos a organizar tudo há meses e nosso maior compromisso é festejar, revisitar e propor projetos e ações que reforçam a importância da Pinacoteca, além de aproximar o público e convidá-lo a também dividir conosco esta história”, disse o diretor geral, Tadeu Chiarelli.

EXPOSIÇÕES

A mostra internacional que celebra a parceria entre a Tate e a Pinacoteca de São Paulo deu início à extensa lista de atividades que vai marcar os 110 anos do Museu, mas outras grandes exposições ainda estão previstas:

Em dezembro abre ‘Museu Paulista e a Pinacoteca: Coleções em diálogo’, “uma mostra que remete à origem do acervo da Pinacoteca, que foi formado a partir da doação de 26 obras vindas do Museu Paulista, e que, portanto, dialogam diretamente com a nossa história”, explica a curadora-chefe Valéria Piccoli.
Também em dezembro de 2015 será inaugurada uma mostra inédita com curadoria de Tadeu Chiarelli. Nesta exposição, o diretor geral apresentará, com a proposta de retomar das grandes contribuições da Pinacoteca para a historiografia da arte brasileira introduzida na gestão de Emanoel Araújo (1993-2002), uma importante reflexão sobre a presença de obras de artistas afrodescendentes na coleção do Museu, coleção esta ampliada com novas aquisições.
Ainda em 2015 e com curadoria de José Augusto Ribeiro, a ‘Arte Contemporânea na coleção da Pinacoteca’ apresentará cerca de 40 obras de artistas em atividade no Brasil, realizadas desde a década de 1980 e pertencentes à coleção da Pinacoteca. A mostra reúne pinturas, esculturas, gravuras, desenhos, vídeos e instalações, a maioria incorporada recentemente ao acervo da instituição e com trabalhos que vêm a público pela primeira vez.
Em março de 2016 chega à Pinacoteca a primeira exposição que examina a produção artística de Tulio Mugnaini (1895-1975), artista formado pelo Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo e que atuou como diretor do Museu por quase 20 anos (entre 1944 e 1965).
Uma outra exposição, primeira a analisar a pintura de paisagem desde as primeiras décadas do século XIX até o início do século XX em um contexto pan-americano, é organizada para o ano que vem. Fruto de uma inédita parceria entre a Art Gallery of Ontario (Toronto, Canadá), Terra Foundation for American Art (Chicago, EUA) e a Pinacoteca, ela enfatizará a produção artística da Argentina e da região do Prata; de países andinos como Peru, Chile, Equador e Venezuela; Brasil, México, Estados Unidos e Canadá, onde a presença da pintura de paisagem foi mais expressiva.
Ivo Mesquita, ex-diretor da Pinacoteca, e José Augusto Ribeiro assinam a curadoria da ‘Coleção Helga de Alvear’, que trará à São Paulo em junho de 2016 cerca de 120 obras pertencentes à Fundación Helga de Alvear, uma das mais importantes coleções de arte contemporânea da Europa, sediada em Cáceres, na Espanha. Os trabalhos representam a obra de quase 70 artistas, entre nomes decisivos, como Kandinsky, Duchamp e Josef Albers, Gerhard Richter, Bruce Nauman, Cindy Sherman, entre outros.
A exposição de Ana Tavares vem completar o ciclo de mostras dedicadas à revisão de carreira de artistas que iniciaram suas trajetórias no cenário brasileiro na década de 1980. Ela pretende apresentar uma antologia da obra da artista, recorrendo a trabalhos marcantes de sua trajetória. Além disso, uma obra site-specific será projetada e executada especialmente para ocupar o Octógono, sendo incorporada à coleção da Pinacoteca ao fim da exposição.

© Pinacoteca de São Paulo - Foto: Isabella Matheus

© Pinacoteca de São Paulo – Foto: Isabella Matheus

EVENTOS

Duas grandes festas estão programadas para celebrar o aniversário do Museu.

O “PinaBall” acontecerá dia 29 de outubro para 800 convidados pagantes e será uma festa beneficente com cenografia de Felippe Crescenti. Parte da arrecadação será destinada à compra de uma obra de arte histórica para o acervo da Pinacoteca. Fazem parte da comissão organizadora Andrea Pereira, Beatriz Yunes Guarita, Nathalia Lenci, Ana Maria Carvalho Pinto e Paulo Vicelli, diretor de relações institucionais da Pinacoteca. “Será um momento mágico de celebração e confraternização com os amigos, patrocinadores, artistas e admiradores da Pina”, afirma Vicelli. Os convites já estão à venda no site http://www.pinacoteca.org.br e a festa promete marcar o calendário social de São Paulo.
Dia 25 de janeiro de 2016, o estacionamento da Pinacoteca receberá food trucks e música ao vivo para comemorar os seus 110 anos com todo o público. Nesta data, o Museu também terá visitação gratuita.
PRODUTOS

Uma nova coleção de joias exclusiva e inspirada na arquitetura da Pinacoteca foi desenvolvida pela designer Aurea Sacilotto. São nove peças, entre anéis, brincos, broches e colares, que terão uma edição única feita em ouro, pérolas e brilhantes e uma versão com tiragem maior em prata.  As peças serão vendidas na Loja da Pinacoteca a partir de novembro deste ano.
Uma opção lúdica para marcar o aniversário será o lançamento da publicação: ‘Pinacoteca de São Paulo – 110 anos de história para colorir’. Um livro de 30 páginas com imagens desenvolvidas pelo ilustrador José Carlos Lollo que registrarão os fatos marcantes do Museu. A venda na Loja da Pinacoteca começa em setembro de 2015.
Onze artistas que fizeram história na Pinacoteca de São Paulo doarão trabalhos inéditos para compor uma caixa de gravuras exclusiva e limitada que será vendida para arrecadar fundos. Esta seleção especial será protagonizada por um time de peso composto por Beatriz Milhazes, Leda Catunda, Ester Grinspum, Carmela Gross, Maria Bonomi, Ana Maria Tavares, Ana Maria Maiolino, Monica Nador, Laura Vinci, Jac Leirner (a confirmar) e Regina Silveira. Apenas 50 caixas serão comercializadas a partir de julho de 2016.
COMUNICAÇÃO

Aproveitando a ocasião, a Pinacoteca iniciou recentemente, junto à agência F/Nazca Saatchi & Saatchi, uma reflexão sobre sua identidade visual.
Para fortalecer a sua presença nas redes sociais, o Museu está apostando em uma comunicação que conte aos leitores fatos e curiosidades sobre os seus 110 anos de história e em hashtags comemorativas (#pinaball e #pinacoteca110anos). As ações online pretendem impactar as mais de 250 mil pessoas que acompanham a Pina no Facebook, Twitter e Instagram.

Pinacoteca do Estado de São Paulo
Praça da Luz, 02 – Tel. +55 11 3324 1000
Terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h.
Entrada gratuita até 18 de outubro.

Estação Pinacoteca e Memorial da Resistência de São Paulo
Largo General Osório, 66 – São Paulo, SP – Tel. +55 11 3335 4990
Terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h.
Entrada gratuita até 18 de outubro.

Os filtros da submissão do jornalismo aos interesses do sistema capitalista

Como podemos sob a ótica das formulações sobre o Modelo de Propaganda de Herman e Chomsky (A Manipulação do Público) refletir sobre a mídia brasileira

 

 


Os filtros da submissão do jornalismo aos interesses do sistema capitalista

Os autores americanos afirmam a existência de elementos que filtram as notícias, destacando as matérias favoráveis aos interesses do governo e dos grandes interesses econômicos privados. Estes filtros atuariam com naturalidade. Assim, os jornalistas não colocariam em causa a sua honestidade profissional e estariam convencidos de que escolhem e interpretam as notícias baseadas em critérios jornalísticos desligados de pressões externas. Esta situação tornaria difícil imaginar formas alternativas de se selecionar e processar o que se noticia. Segundo Chomsky e Herman (2003), os cinco filtros que levariam o jornalismo americano a tornar-se um Modelo de Propaganda onde toda a cobertura dos acontecimentos nos meios de comunicação é tratada como campanha de publicidade maciça.

Os filtros são os seguintes:

  1. Porte, propriedade e orientação para os lucros da mídia de massa: o primeiro filtro.
    Baseado na estrutura de propriedade da mídia. As mídias dominantes são grandes empresas e corporações, controladas por ricos e poderosos ou por gerentes que estão sujeitos a intervenções dos patrões ou de forças voltadas para o mercado e o lucro. Estas mídias estão solidamente unidas por interesses em comum com outras grandes corporações, bancos, investidores e governo.
    Os negócios dominam as informações.
    Chomsky afirma que a concentração da propriedade e a orientação lucrativa das empresas jornalísticas acarretam num menor número de pessoas dominando os órgãos de imprensa fato este que facilita as pressões e a dependência.

 

  1. A licença da propaganda para fazer negócios: o segundo filtro. Segundo Herman e Chomsky, na interpretação de Traquina (2001: 83) “As empresas são fortemente dependentes da publicidade no que diz respeito a rendimentos e ligadas a outras grandes firmas por laços comerciais e pessoais”. Os anunciantes escolhem criteriosamente os programas tomando por base seus princípios e evitam programas que possam interferir no “poder de compra” dos consumidores. Assim, muitas vezes, programas com bons conteúdos são excluídos da programação.
    Nas amarras da publicidade

“Grandes empresas anunciantes da televisão raramente patrocinarão programas que contenham críticas sérias às atividades empresariais tais como o problema da degradação ambiental, as engrenagens do complexo industrial-militar, ou o apoio corporativo e os benefícios às tiranias do Terceiro Mundo.” (p.76)  

Para Chomsky a publicidade como primeira fonte de rendimento das empresas jornalísticas, leva as empresas jornalísticas a evitar ofender os clientes – entre os quais os diversos órgãos de governo e a administração pública – com matérias que estes possam considerar indesejáveis. Os meios de comunicação são, na verdade, empresas orientadas para o lucro a partir da venda de seu produto – os leitores – para outras empresas – os anunciantes. O modelo de Chomsky prevê que se deve esperar a publicação apenas de notícias que reflitam os desejos, as expectativas e os valores dessas empresas.

 

  1. Buscando fontes de notícias de mídia de massa: o terceiro filtro. Existe uma dependência dos grandes jornalistas de fontes governamentais e fontes do mundo empresarial. Os meios de comunicação de massa necessitam de notícias diárias, cumprem horários apertados e dificilmente têm jornalistas em diversos lugares onde fatos importantes podem acontecer. Isto sem contar o total enxugamento das redações. Percebendo isso, fontes do governo e das corporações se “esforçam” para tornar as coisas mais fáceis para a mídia, enviando discursos adiantados de conferências e reuniões, releases e pronunciamentos de acordo com o horário de fechamento dos jornais. Isto facilita para a mídia e em troca, as grandes entidades e o governo obtém acesso especial na mesma.
    Dependência de fontes governamentais
    O terceiro filtro é o fato de existir uma dependência dos jornalistas de fontes governamentais e fontes do mundo empresarial. Os meios de comunicação dependem fortemente das grandes empresas e das instituições governamentais como fonte de informações para a maior parte das notícias. A mídia deposita nestas fontes confiança nas informações dadas pelos órgãos do governo e das empresas privadas dominantes e agências de relações públicas.

Chomsky explica que um dos cinco fatores que levam à submissão do jornalismo aos interesses do capitalismo é a dependência dos jornalistas de fontes governamentais e fontes do mundo empresarial.

 

  1. A bateria de reações negativas e os fiscais de cumprimento: o quarto filtro. O autor usa do termo bateria de reações negativas (cartas, telefonemas etc) para se referir às respostas negativas dadas a um programa ou declaração da mídia, com a finalidade de regulamentar ameaçando e ‘corrigindo’ a mídia, tentando conter qualquer desvio da linha estabelecida. O noticiário em si está projetado para produzir essa reação.

Os poderosos punem
Chomsky afirma que o quarto filtro é a crítica realizada por vários grupos de pressão que procuram as empresas dos meios de comunicação para pressioná-los caso eles saiam de uma linha editorial que esses grupos acham a mais correta (isto é, mais de acordo com seus interesses do que de toda a sociedade).
A imprensa, para Chomsky, seria criticada e abandonada quando atraiçoasse os valores e expectativas mais profundas do público.

 

  1. Anticomunismo como mecanismo de controle: o quinto filtro. Apesar de conhecermos a função real da mídia é notório que esta é manipulada pela classe dominante, se tornando um “sistema de mercado guiado” por governos, líderes de comunidades e acionistas destas mídias. Segundo Chomsky (2003:88) “essa ideologia ajuda a mobilizar a população contra o inimigo comum”, no caso o comunismo e ” como o conceito é obscuro, pode ser utilizado contra qualquer um que defenda políticos que ameacem os interesses de proprietários”.

O anticomunismo nas redações
Segundo Herman e Chomsky, um dos fatores que explicam a submissão do jornalismo aos interesses do sistema capitalista é a ideologia anticomunista atuando como mecanismo de controle que “difunde-se pelo sistema para exercer uma profunda influência sobre a mídia de massa” (Chomsky, 2003: 89).

Para Chomsky (2003:11) a mídia serve bem como propaganda em nome de poderosos interesses sociais que a controlam e financiam.

Em suma, uma abordagem tendenciosa, preconceituosa, alinhada automaticamente aos interesses políticos e econômicos. É pouco jornalismo e mais um libelo belicoso, desproporcional motivado mais por razões políticas, econômicas e morais.  Se uma revista semanal usa seu espaço como um tribunal instantâneo para condenar e julgar aqueles que não estão alinhados aos seus interesses isso é a parcialidade a serviço da manipulação….

5ª VIRADA SUSTENTÁVEL TRAZ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA A SÃO PAULO

Virada-sustentavel-2015_ca0b3448

 VIRADA SUSTENTÁVEL TRAZ PROGRAMAÇÃO DIVERSIFICADA A SÃO PAULO

Abertura do evento terá palestra da socióloga holandesa Saskia Sassen no Auditório Ibirapuera; parceria inédita leva a Virada para os CEUs da cidade; programação infantil, exposições, debates, oficinas temáticas e atividades culturais gratuitas em toda a grande São Paulo; cantora Céu faz show de encerramento

São Paulo, agosto de 2015 – Shows, palestras, exposições, feira de produtos veganos, cinema, oficinas. A 5ª edição da Virada Sustentável se espalha pela grande São Paulo e apresenta, entre os dias 26 e 30 de agosto, mais de 700 eventos que propõem uma visão ampla, positiva e inspiradora da sustentabilidade em temas como biodiversidade, cidadania, mobilidade urbana, água, direito à cidade, mudanças climáticas, consumo consciente e economia verde, entre outros.

A Virada Sustentável é um festival anual de mobilização e educação para a sustentabilidade, que envolve cocriação, articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, escolas e universidades, empresas, coletivos e movimentos sociais. Neste ano, o evento acontece simultaneamente em parques como Água Branca, Burle Marx, Cemucam, Ibirapuera, Juventude e Villa Lobos, além do Centro Cultural São Paulo, Museu da Casa Brasileira, Fábricas de Cultura, escolas e espaços públicos diversos. O Largo da Batata e a Praça Victor Civita também serão palco de atividades.

Confira a programação completa e detalhada: www.viradasustentável.com 

Neste ano, em uma parceria inédita da Secretaria Municipal de Educação com a Virada, diversas unidades dos Centros Educacionais Unificados (CEUs) da cidade de São Paulo receberão atividades culturais, educacionais e esportivas promovidas por coletivos nas comunidades às quais os CEUs estão inseridos. “A Secretaria Municipal de Educação (SME), na perspectiva da Educação Integral, vem ampliando o diálogo com a comunidade onde estão inseridos os equipamentos públicos, fomentando sua apropriação e gestão democrática para a construção de uma São Paulo mais sustentável”, afirmou Andréia Medolago, do Núcleo de Educação Ambiental da SME.

Abertura com Saskia Sassen
Para marcar a abertura desta edição, na quarta-feira, dia 26 de agosto, às 11h, no Auditório Ibirapuera, a socióloga holandesa Saskia Sassen participa de um debate com o secretário municipal de Cultura de São Paulo, Nabil Bonduki (doutor em estruturas ambientais urbanas pela USP e relator do Plano Diretor da cidade), mediado pela economista Ana Carla Fonseca (assessora em economia criativa para a ONU). Com entrada franca, a iniciativa é protagonizada pela Liberty Seguros em parceria com o Fronteiras do Pensamento e Itaú Cultural. Os ingressos gratuitos serão disponibilizados ao público com uma hora e meia de antecedência, no local do evento.

Festival Como Virar Sua Cidade no Centro Cultural São Paulo (CCSP)
Dentre os destaques das centenas de atividades, está a palestra do suíço Roman Gaus, do Urban Farmers (http://urbanfarmers.com/intro/), no sábado, 29, no Centro Cultural São Paulo (CCSP), como parte de uma programação especial sobre ocupação do espaço público e direito à cidade. Com uma seleção de atividades e conteúdos propostos por vários coletivos e projetos de transformação urbana de São Paulo e de outros países, o espaço vai ainda receber Carolina Balparda, responsável pelo programa Cidade Educadora de Rosário (Argentina), exposição de “placemaking”, cinedebates, oficina de grafitti para a terceira idade e até um passeio de ônibus elétrico, dentre outros. A programação começa na quinta-feira (27) e vai até domingo (30).

Virada Zen
O Auditório do Museu de Arte Moderna (MAM) do Parque do Ibirapuera vai abrigar, nos dias 29 e 30, o SP + Zen, série de 13 palestras inspiracionais como melhorar a cidade através do autoconhecimento, tendo o zen como ferramenta de bem estar e harmonia – com participação da Monja Coen e Sri Prem Baba (em vídeo). Além disso, a programação contará com oficinas e meditações. 

Já no dia 30, às 9h da manhã, a cobertura do histórico Prédio Martinelli vai receber o grupo Awaken Love, que vai conduzir uma meditação nas alturas, e apresentará os participantes à iniciativa Just 1 Minute, de silenciar por apenas 1 minuto algumas vezes ao dia. 

A artista Marcia Aftimus, autora do livro “ArtZen”, pintará um painel de colorir no Jardim do Museu da Casa Brasileira entre os dias 27 e 30 de agosto, das 10h às 13h e das 14h às 17h. Em uma intervenção artística e meditativa, a obra tem como objetivo estimular o amor e a paz na cidade. Por isso, um espaço será montado em torno do painel para que as pessoas meditem enquanto a artista pinta. Além disso, no sábado e domingo, das 10h às 11h e das 12h às 13h, a meditação contará com a presença do músico sitarista Fábio Kidesh e no dia 30, das 12h às 13h, Jeanne Pilli conduzirá uma meditação. No último dia de evento, a obra se transformará em 48 telas de 50×25 centímetros que serão entregues ao público.

Minichefs e programação infantil
Na oficina de culinária “Minichefs em Ação” – dia 29, das 11h às 12h30, na Biblioteca Villa Lobos, os participantes são convidados a elaborar e executar de maneira lúdica, uma receita muito gostosa com alimentos naturais, aproveitando as partes que costumam ser descartadas, mas que contêm muitas vitaminas (cascas, talos). 

Nos dias 29 e 30, o Instituto Akatu realiza a Maratona Edukatu de Consumo Consciente, com diversas atividades no CEU Azul da Cor do Mar, em Itaquera. 

Com repertório de musicas brasileiras, a Oficina de Alegria leva a Banda do Bloquinho para uma apresentação no Museu da Casa Brasileira no dia 29 de abril, às 11h, com o objetivo de estimular e incentivar a noção de cidadania nas crianças através do sentimento de coletividade, simplicidade e liberdade.

Já a Praça Victor Civita e algumas unidades dos CEUs recebem feiras de troca de brinquedos, promovidas pelo Instituto Alana. As unidades educacionais da Prefeitura exibem documentários do Instituto: “Criança, amado negócio”, “Muito Além do Peso”,  “Tarja Branca” e “Território do Brincar”.

O CCSP vai ainda receber uma oficina de cinema, no dia 29, para produção de um mini metragem de 1 minuto, em parceria da Thyssenkrupp com o Instituto Querô. No local, um painel interativo vai apresentar ainda o site Urban Hub, uma plataforma na qual os visitantes poderão tirar uma foto que ficará registrada no site e poderá ser baixada, depois. A empresa vai promover ainda, no dia 29, às 12h30, um coral voltado ao público infanto-juvenil e adulto. 

No Parque Villa Lobos, um dos destaques é o “Planetário Móbile”, promovido pelo Sescoop/SP (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo), e que convidará crianças e adultos a “entrar” em uma cápsula e viajar pelos cosmos. Nela, o “viajante” poderá contemplar o céu noturno, o sistema solar, satélites e constelações. 

As cores e os sons da floresta irão invadir o Parque Villa-Lobos com o espetáculo Bichos do Brasil, da Cia Pia Fraus. Quem estiver no Parque Água Branca, entre 28 e 30 de agosto, pode assistir à Cia Teatral Sol, com o espetáculo “Mulambolambo”. A peça valoriza a gestualidade, a animação e a manipulação, sem diálogos verbais.

As Fábricas de Cultura também fazem parte da programação infantil. As unidades de Brasilândia, Capão Redondo e Jardim São Luis vão receber o espetáculo “O Fantástico Laboratório do Professor Percival”, no dia 27, às 10h (Brasilândia), e no dia 28, às 10h (Capão Redondo) e 15h (Jardim São Luis).

O Parque Ibirapuera contará com programação especial do “Meu Ibira”: oficinas de ecobags e móbiles (29), apresentações circenses com o grupo “A fabulosa Trupe de Variedades” (29) e shows musicais com a banda Caravana, dentre outras atrações.

A questão da água
No momento em que a crise hídrica retorna às pautas, a Aliança Pela Água promove a estreia do segundo episódio da web série “Volume Vivo”, de Caio Ferraz, seguido de um bate-papo com Guilherme Castagna, coordenador de projetos da Fluxus Design Ecológico, mediado pela jornalista Renata Simões. O espaço na Rua Vergueiro ainda recebe a exposição da fotógrafa Martha Lu, que registrou pessoas afetadas pela falta de água em São Paulo. Já no Jardim Suspenso do CCSP, o artista Mundano vai montar uma instalação inédita.

O Parque Villa Lobos receberá a partir do dia 26 o projeto “Água, Arte e Sustentabilidade”, composto por exposição de obras de arte popular brasileira e espetáculo teatral, que trata de forma lúdica o tema da água. “A questão hídrica foi o tema que reuniu o maior numero de inscrições de projetos para a Virada – quase 40%”, explica Palhano.

Exposições
Como parte da preparação oficial para a COP-21, reunião que acontece em Paris em dezembro e promete definir o futuro do planeta no tema das mudanças climáticas, o Consulado Francês traz uma exposição fotográfica marcante para a Virada Sustentável: “60 Soluções para as Mudanças Climáticas”, no Parque Cientec-USP. Uma seleção de filmes franceses ligados às mudanças climáticas também será exibida na Biblioteca Villa Lobos, que funcionará como um polo de programação sobre o tema.

A partir da quinta-feira, 27, o parque Burle Marx recebe a exposição “Olhar Selvagem”. São 40 imagens que trazem a surpreendente conexão entre os animais selvagens fotografados e o espectador, registradas durante mais de uma década. Além da exposição, que é gratuita e vai até 25 de setembro, haverá oficinas de arte e educação ambiental com uma hora de duração para crianças de 5 a 10 anos, com monitores especializados.

A cidade ocupada pela Virada Sustentável
Diversas ações promoverão ocupações locais em áreas públicas de São Paulo.  No Largo da Batata, o coletivo Floresta Urbana vai utilizar um paredão de 100m em uma instalação que integrará graffiti e cinema – um telão público será entregue como presente à cidade, ao final da Virada – o Cinema Verde.

O tradicional Pic Nic à Moda Antiga, promovido pelos Aliados do Parque Augusta, ganha sua quinta edição na Virada com novo nome e a mesma proposta: sensibilizar a população para a importância de um parque 100% verde numa das ruas mais tradicionais da cidade. Em clima de festa, com música e atrações, o Pic Nic Parque Augusta é realizado no domingo (30), das 14h às 18h, na própria Rua Augusta, fechada para o trânsito. 

Ponto das baladas em São Paulo, a Vila Madalena terá uma programação especial na Virada para mostrar que o bairro também pode promover eventos “tranquilos” e sustentáveis. Farão parte da programação pontos tradicionais do bairro, como o Armazém da Cidade, a galeria King Cap e a Livraria da Vila, com piqueniques, rodas de leitura e contação de estórias para a criançada, dentre outras atividades. 

Promovida pelo Instituto Europeo di Design (IED), a ocupação criativa de um trecho da Rua Maranhão, em Higienópolis, apresenta o que seria uma “rua dos sonhos” no bairro, com diversas atrações e conteúdos relacionados ao uso do espaço público e participação de escolas e atores locais. Domingo (30) das 12h às 20h.

Extremos Sul – Coletivo Imargem
Com a preocupação constante de não se restringir ao Centro de São Paulo, a Virada Sustentável ocupa ainda os extremos Sul e Leste da cidade. Com curadoria do coletivo Imargem e envolvimento de diversos grupos locais, a programação nos bairros de Parelheiros, Grajaú e adjacências revela as riquezas culturais e naturais da região.  A abertura da programação no extremo sul ficará por conta do sarau “Sobrenome Liberdade”, no dia 27/08, às 20h, no Relicário Rock Bar. Estão previstas ainda uma Mostra de Teatro com a Cia. Humalada, exibição de filmes, oficinas de permacultura, cisterna e hortas, além da intervenção do artista plástico Mauro na empena do CEU Três Lagos, e a exibição do documentário “Sabotage: Maestro Do Canão” (2015), de Ivan 13P, na comunidade do Piraju (Grajaú). 

Extremo Leste – Arte e Cultura na Kebrada
Pela primeira vez, o tradicional encontro de grafitti “Arte e Cultura na Kebrada”, da Zona Leste, agrega atrações e conteúdos especiais da Virada Sustentável. A nona edição do evento acontecerá no domingo (30), encerrando a programação da VS na região. Nos dias anteriores, as atividades estarão espalhadas por São Miguel Paulista, Jardim São Vicente, Jardim Pantanal Jardim Santa Inês, Jardim Maia e Itaim Paulista. O público poderá participar de oficinas de PinHole, exibições de filmes, discotecagens, shows e rodas de conversas. 

Encerramento com show da cantora Céu
Para o encerramento da Virada Sustentável, no domingo, 30, a cantora Céu faz uma apresentação especial, gratuita, no Parque Villa Lobos, às 16h.

Parceiros
Este ano a Virada Sustentável é apresentada pela Lei de Incentivo a Cultura e pelo PROAC. Tem o apoio e confiança dos seguintes patrocinadores: Braskem, AES Eletropaulo, EcoFrotas, Husqvarna, Kellogg’s, Natura, Thyssen Krupp, ADM/Vitaliv e Westrock. E conta com a colaboração dos seguintes parceiros: Instituto Akatu, Instituto Alana, Bigud Digital, Menta Propaganda, Consulado Francês, Swissnex, Sescoop, Secretarias Municipais de Educação e Cultura, Secretaria Estadual do Meio Ambiente. A promoção é feita pela Globo, Meu Ibira, Rádio Eldorado e Estadão, UOL e Pinterest. A realização é da Virada Sustentável, em parceria com o Governo do Estado, o Ministério da Cultura e o Governo Federal.

Sobre a Virada Sustentável
A Virada Sustentável é um festival anual de mobilização e educação para a sustentabilidade, que envolve cocriação, articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, escolas e universidades, empresas, coletivos e movimentos sociais.

Em sua primeira edição, em 2011, a Virada reuniu mais de 500 mil pessoas em 482 atrações distribuídas em 78 espaços. No segundo ano, com ações e atrações em todas as regiões da cidade, a Virada se democratizou, reunindo em torno de 740 mil pessoas em 612 atividades gratuitas localizadas em 149 locais. Em 2013, o evento reuniu 695 atrações e atividades distribuídas em 152 locais de São Paulo, com público aproximado de 800 mil pessoas. Já em 2014, o evento reuniu 715 atrações e atividades distribuídas em 155 locais, com público aproximado de 900 mil pessoas. www.viradasustentavel.com 

 

5ª VIRADA SUSTENTÁVEL
26 a 30 de agosto de 2015
Grande São Paulo

Abertura
Debate com Saskia Sassen e convidados
Data: Quarta-feira, 26 de agosto
Local: Auditório Ibirapuera – Parque do Ibirapuera
Av. Pedro Álvares Cabral – Portão 3 – São Paulo, SP
Horário: 11h
Entrada: Livre e gratuita, mediante retirada de senha, a partir das 9h30

Acesse toda a programação no site: www.viradasustentavel.com 

Encerramento
Show com a cantora Céu
Data: Domingo, 30 de agosto
Local: Parque Villa Lobos – São Paulo
Horário: 16h
Entrada: Livre e gratuita