Mês: junho 2016

Lançamento da Campanha e Ciclo de Diálogos Resíduo Zero

residuos

Cronograma:

1º Encontro – Lançamento da Campanha Resíduo Zero Brasil e celebração de parcerias

Vagas: 120
Coordenação: Aliança Resíduo Zero Brasil e UMAPAZ
Público: convidados e interessados no tema

Dia: 9 de junho de 2016, quinta-feira
Horário: das 14h às 17h

Inscrições encerradas!

 

2º Encontro – Resíduos sólidos, mitigação dos gases de efeito estufa (GEE) e geração de energia

Vagas: 120
Coordenação: Aliança Resíduo Zero Brasil e UMAPAZ
Público: convidados e interessados no tema

Dia: 7 de julho de 2016, quinta-feira
Horário: das 14h às 17h

Inscrições: aqui

 

3º Encontro – Resíduos sólidos e promoção social: o movimento de catadores na cidade de São Paulo

Dia: 4 de agosto de 2016, quinta-feira
Inscrições: em breve

4º Encontro – Resíduos sólidos e educação

Dia: 1 de setembro de 2016, quinta-feira
Inscrições: em breve

5º Encontro – Resíduo zero e as alternativas à incineração

Dia: 6 de outubro de 2016, quinta-feira
Inscrições: em breve

 

Local: Sede da UMAPAZ
Av. Quarto Centenário, 1268. Acesso pelo portão 7A

Toca Raul!!!!!

raul_seixas(1)

No dia 28 de junho de 1945, nascia em Salvador, Bahia o nosso Maluco Beleza Raul Santos Seixas (Raul Santos Seixas (Salvador, 28 de junho de 1945 — São Paulo, 21 de agosto de 1989).

 

“Toca Raul!” grito ouvido em qualquer show de música ao vivo, hoje é quase uma expressão do público, como se pedisse para tocar uma boa música ou algo diferente, na tentativa de quebrar os padrões e protocolos:

Toca Raul!!!!!

Ainda Queima a esperança
Uma vela está queimando
Hoje é nosso aniversário
Está fazendo hoje um ano
Que você me disse adeus

Eu não sei se nessa chama
Ainda queima a esperança
Eu só sei que a saudade
Ainda queima o coração

Meus parabéns agora
E feliz aniversário amor
Estás feliz agora
Depois que tudo acabou
Depois que tudo acabou

Todo dia é o mesmo dia
Toda hora é qualquer hora
Quanto tempo vou viver
Sem esquecer o seu amor

Sua história mal contada
Não me sai do pensamento
Eu bem sei que foi desculpa
Teve alguém em meu lugar

5º Arraiá do Instituto Gabi será dia 2 de julho, das 11h às 17h, em sua sede

Quadrilha, comidas típicas, diversão e muita solidariedade marcarão o evento, importante para arrecadar fundos para a manutenção dos atendimentos de fonoaudiologia
C:UsersCristina ThomazDocumentsClientesInstituto Gabi2016montagem festa junina.jpg
O Instituto Gabi, localizado na zona sul de São Paulo, promoverá, no dia 2 de julho, das 11h às 17h, sua tradicional Festa Julina. A festança acontecerá em sua sede, localizada na rua Gustavo da Silveira, 128, Vila Santa Catarina.
Já estão programadas a quadrilhas com os atendidos, com as famílias e, claro, com os convidados que quiserem juntar-se à dança. E, para tornar a tarde ainda mais especial, não faltarão delícias tipicamente juninas.
A renda da Festa Julina já tem uma importante destinação: será revertida para manter o atendimento de Fonoaudiologia, essencial para as crianças e jovens atendidos. “Só temos verba para pagar pelos atendimentos até julho”, alerta o presidente do Gabi, Francisco Sogari, jornalista e professor universitário. “Nossa expectativa é dar sequência a partir do que angariarmos no evento”.
O Instituto Gabi está comemorando 15 anos de atuação. É uma referência de qualidade em seu campo de atuação, por meio do Núcleo de Apoio à Inclusão de Pessoas com Deficiência. O trabalho não envolve, apenas, crianças e jovens com deficiência, mas também, suas famílias.
Mais sobre o Instituto Gabi e como contribuir
Iracema Sogari atua há mais de 25 anos em educação para pessoas com deficiência e, há 15, fundou o Instituto Gabi com o marido, o jornalista Francisco Sogari, que preside a ong. Durante esses anos, o Instituto Gabi atendeu o máximo de pessoas que o procuravam – mas, a lista de espera é grande.
As crianças, adolescentes e jovens atendidos frequentam a casa diariamente, por meio período. Ali, participam de atividades de vida diária e oficinas, complementados pelo atendimento de fonoaudiologia e psicologia. Um assistente social realiza o trabalho com as famílias, incluindo projeto de geração de renda. O Instituto Gabi entende que a família é o alicerce de onde parte todo o trabalho. “As pessoas com deficiência passam quatro horas por dia no nosso atendimento. No restante do dia, estão com a família, daí a importância desta célula na vida destas pessoas”, destaca Iracema.
O que sustenta a entidade é um convênio com a Prefeitura de São Paulo, doações particulares e um bazar permanente de roupas e objetos na própria sede da ong, de onde vem o recurso para o pagamento de profissionais e das contas da entidade. Outra estratégia para garantir a sustentabilidade é a Campanha Sócio Patrocinador, por meio da qual os interessados recebem um boleto sem valor de cobrança, pelo qual podem realizar uma doação espontânea. A partir deste ano, a campanha conta também com a opção Sócio Patrocinador Master, voltada às empresas.
Para participar da campanha Sócio Patrocinador, Sócio Patrocinador Master, realizar doações diversas e/ou oferecer trabalho voluntário, deve-se estabelecer contato com o Instituto Gabi, pelo telefone (11) 5564-7709, pelo e-mail contatosinstitutogabi@gmail.com ou consultando o site www.institutogabi.org.br

Dia Nacional do Diabetes.

diabetes

Hoje (27) é o Dia Nacional do Diabetes. Caracterizada pela incapacidade do organismo de metabolizar o açúcar, a doença acomete 6,2% da população adulta. De acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o diabetes atinge 9 milhões de brasileiros.

O diabetes é causado por fatores genéticos e ambientais, principalmente a obesidade e o sedentarismo. “Ter um parente de primeiro grau com a doença aumenta em 30% as chances da incidência”, explica a médica. A doença, no entanto, pode ser assintomática e dar os primeiros sinais apenas quando ocorre uma crise de hipoglicemia. Por isso, a importância de manter os exames de rotina em dia, além de informar ao médico o histórico familiar.

Como já é amplamente sabido, o paciente diabético deve banir o açúcar da sua dieta. Quando houver necessidade de adoçar alguma comida ou bebida, ele deve fazer uso de adoçante, seja aspartame, sucralose ou estévia. É proibido o consumo de açúcar demerara, mascavo e light, mel e misturas de açúcar com adoçante.

Já os carboidratos, por se transformarem em açúcar depois de metabolizados, devem ser ingeridos em quantidades controladas, preferencialmente em sua forma integral, e um de cada vez. “Não é aconselhável comer massa e torrada, ou pão e arroz, em uma mesma refeição”, esclarece a especialista.

Além dos exames periódicos, uma alimentação saudável e equilibrada, em conjunto com a atividade física e a medicação, faz parte do tratamento das pessoas com diabetes.
Sintomas Prevenção
Sede intensa
Perda de visão
Perda de peso
Urinar em excesso
Cansaço ? Manter o peso normal
Alimentar-se de forma saudável
Fazer atividade física com regularidade
Evitar o uso de bebida alcoólica
Consultar-se com um médico uma vez ao ano

Ecossocialismo e Democracia Direta é tema de seminário

seminariobemviver

No dia 27 de junho, no Auditório 117 da PUC-S, será realizada mais uma etapa do seminário “A Reinvenção da Democracia: Bem Viver/Teko Porã, Ubuntu e Ecossocialismo“, ciclo de debates com ativistas, intelectuais e artistas para discutir questões emergenciais durante uma das mais profundas crises da história brasileira: o bem-viver na cidade, democracia direta e a questão das diversidades.

No dia 20 foi realizado o Tema Bem Viver na cidade.

Agora, na próxima segunda-feira, acontecerá o próximo:

Dia 27/06/2016 – 19h30 às 22h30

Tema: Ecossocialismo e Democracia Direta

Local: Auditório 117 – PUC – Rua Monte Alegre, 1024 – São Paulo / SP

Palestrantes convidados:

  • Luiza Erundina – deputada federal
  • Marcia Tiburi – filósofa e fundadora da Partida
  • Vladimir Safatle – filósofo e professor livre-docente do Departamento de Filosofia da USP
  • Ivan Valente – deputado federal
  • Thomas Enlazador – Permacultor, Mestre em Gestão e Políticas Ambientais e Educador Social – Coordenador Nacional de Mobilização da Raiz – Líder Operativo de Alianças do Conselho de Assentamentos Sustentáveis da América Latina – Casa

Mediador: Célio Turino – historiador, ex-secretário da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura.

sembem

18 de Junho é o Dia de Tambor de Crioula, patrimônio cultural do Brasil

tambordecriola

A presidenta Dilma Rousseff sancionou a Lei nº 13.248, que institui o dia 18 de junho como o Dia do Tambor de Crioula.

Envolvendo dança circular, canto e percussão, o Tambor de Crioula é uma das mais belas manifestações culturais do Maranhão e tem sua origem ligada à resistência cultural dos negros e de seus descendentes.

Em 2007, foi reconhecido como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Atualmente, no Maranhão, existem mais de sessenta grupos de Tambor de Crioula catalogados.

RAiZ organiza Seminários para discutir a Reinvenção da Democracia

A RAiZ – Movimento Cidadanista convida a todos para o seminário “A Reinvenção da Democracia: Bem Viver/Teko Porã, Ubuntu e Ecossocialismo”.

Ciclo de debates com ativistas, intelectuais e artistas para discutir questões emergenciais durante uma das mais profundas crises da história brasileira: o bem-viver na cidade, democracia direta e a questão das diversidades.

Confira a programação:

 

Dia 20/06/2016

Tema: Bem Viver na cidade

Local: Auditório Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024 – São Paulo / SP

Horário: 19h30 às 22h30

 

Palestrantes convidados:

– Luiza Erundina – deputada federal

– Cristine Takuá – filósofa, educadora indígena e militante das causas dos povos indígenas

– Vanessa Lafayette – secundarista do movimento Juntos

– Daniel Caballero – artista plástico

– Wellington Nogueira – fundador da ONG Doutores da Alegria

– Suely Rolnik – psicoterapeuta´integrante do Núcleo de Estudos da Subjetividade da PUC

Mediador: Celio Turino – historiador, ex-secretário da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura

Dia 27/06/2016

Tema: Ecossocialismo e Democracia Direta

Local: Auditório 117 – PUC – Rua Monte Alegre, 1024 – São Paulo / SP

Horário: 19h30 às 22h30

 

Palestrantes convidados:

– Luiza Erundina – deputada federal

– Marcia Tiburi – filósofa e fundadora da Partida

– Vladimir Safatle – filósofo e professor livre-docente do Departamento de Filosofia da USP

– Ivan Valente – deputado federal

Mediador: Célio Turino – historiador, ex-secretário da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura

Dia 04/07/2016

Tema: Ubuntu e as diversidades

Local: Auditório Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024 – São Paulo / SP

Horário: 19h30 às 22h30

 

Palestrantes convidados:

– Luiza Erundina – deputada federal

– Prof Dennis Oliveira – professor livre-docente da USP e fundador do Coletivo Quilombação

– Dimitri Sales – advogado e militante LGBT

– Cesar Cordaro – advogado, historiador, integrante do Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça

– Kelly Di Bertolli – membro do grupo de teatro do Oprimido Garoa

– Joselicio Junior, presidente estadual do PSOL e militante do Círculo Palmarino.

Mediador: Celio Turino – historiador, ex-secretário da Cidadania Cultural do Ministério da Cultura

 

Aniversário de Habermas resgata sua importância para diversos campos do conhecimento

Por Pluricom

Com 87 anos a serem completados no dia 18 de junho, o nome de Jürgen Habermas ocupa lugar de destaque entre os grandes pensadores contemporâneos. Seus conceitos de esfera pública e ação comunicativa alicerçam os diagnósticos críticos da sociedade atual; sua obra científica é parte do cânone de, ao menos, duas áreas do conhecimento: a filosofia e as ciências sociais; suas intervenções como intelectual público pautam as principais questões políticas tanto alemãs quanto europeias há 50 anos. Enfim, é um autor fundamental para a compreensão da vida pública nas sociedades democráticas, para o reconhecimento de seus potenciais de emancipação e dos obstáculos à sua consolidação.

Como colocam os responsáveis pela Coleção Habermas, da Editora Unesp, ele faz parte do restrito grupo de pensadores capazes não só de “criar passagens entre as áreas mais especializadas das ciências humanas e da filosofia”, que já é algo raro, mas também de “reconstruir a fundo as contribuições de cada uma delas, rearticulá-las com um propósito sistemático e, ao mesmo tempo, fazer jus à suas especificidades”.

Para os leitores brasileiros, textos importantes não traduzidos e a falta de padronização terminológica nas traduções existentes traziam algumas dificuldades para uma apreciação adequada de todos esses aspectos da obra habermasiana. Assim, incluindo quase que a integralidade dos quarenta volumes publicados na Alemanha pela Suhrkamp Verlag Berlim, a Coleção Habermas abre caminho para o aprofundamento de uma das obras mais instigantes e inovadoras da atualidade. Os títulos já lançados são:

Textos e contextos

Autor: Jürgen Habermas | 344 páginas | R$ 74,00

Jürgen Habermas discorre, nesta obra escrita nos anos 1990, sobre a produção de oito teóricos que o influenciaram de alguma maneira: Charles S. Peirce,Edmund Husserl, Martin Heidegger, Ludwig Wittgenstein, Max Horkheimer, Georg Simmel, Alexander Mitscherlich e Alfred Schmidt. Em especial, o autor procura tecer os vínculos da produção desses pensadores com os seus contextos históricos. O que o filósofo alemão discute é o quanto um determinado conteúdo argumentativo é capaz de transcender o tempo no qual surgiu e, portanto, aspirar à universalidade. Habermas convida o leitor a questionar se todos os pensadores ficam marcados pelos seus respectivos contextos históricos e a refletir sobre o que significa ser marcado de forma especial. Além dos ensaios sobre os oito teóricos, a obra apresenta dois outros artigos, que, nas palavras de Habermas, “tematizam os próprios contextos”: “A sociologia na República de Weimar” e “Sobre o desenvolvimento das ciências sociais e das ciências humanas na República Federal da Alemanha”.

 

A nova obscuridade

Autor: Jürgen Habermas | 392 páginas | R$ 70,00

Um dos principais eixos temáticos desta coletânea diz respeito ao neoconservadorismo. O assunto abre e perpassa todos os textos aqui reunidos, que remetem ainda a diferentes aspectos da defesa de Habermas da continuidade do projeto de modernidade. Sem abandonar a dimensão teórica, o filósofo, conhecido por seu engajamento político, coloca-se como “contemporâneo político” e assume posições sobre questões públicas candentes ainda hoje – escrita em 1985, a obra reflete sobre problemas e tensões de uma década crucial para a sobrevivência e maturação do projeto democrático não apenas na Alemanha.

 

Técnica e ciência como “ideologia”

Autor: Jürgen Habermas | 208 páginas | R$ 44,00

Jürgen Habermas discute a tese de Herbert Marcuse sobre a instrumentalização da técnica. Ao mesmo tempo, aponta já para futuros desenvolvimentos no seu pensamento, sobretudo em torno do agir comunicativo.

 

 

 

Na esteira da tecnocracia

Autor: Jürgen Habermas | 264 páginas | R$ 58,00

Os 14 ensaios que constituem esta obra, a 12ª da série Pequenos escritos políticos, contribuem para o reconhecimento de Jürgen Habermas como intelectual público no Brasil. No país, a maior parte de suas análises da conjuntura social e política e avaliações sobre o estado da democracia na Europa ou no mundo permanecem praticamente desconhecidas do público, principalmente por estarem disponíveis apenas em alemão.

 

 

Conhecimento e interesse

Autor: Jürgen Habermas | 528 páginas | R$ 80,00

Esta obra, a mais filosófica e importante de Jürgen Habermas do ponto de vista da epistemologia, discute o entrelaçamento entre razão prática e razão pura e mostra a importância das definições do conhecimento, levantando questões sobre os fatores que o definem.

 

 

 

Mudança estrutural da esfera pública

Autor: Jürgen Habermas | 568 páginas | R$ 88,00

Jürgen Habermas examina neste livro o “complexo” que segundo ele descansa sob a expressão “esfera pública”. Para ele, pode-se esperar, ao compreender tal conceito e submetê-lo a esclarecimento sociológico, apreender de modo sistemático a própria sociedade. “A esfera pública”, diz o filósofo, “continua a ser um princípio organizador de nossa ordem política”.

 

 

Teoria e práxis

Autor: Jürgen Habermas | 728 páginas | R$ 98,00

As investigações reunidas neste volume, orientadas predominantemente de um ponto de vista histórico, destinam-se a desenvolver uma teoria crítica da sociedade projetada com um propósito prático e a delimitar seu status diante de teorias de outra proveniência.

 

 

 

Fé e saber

Autor: Jürgen Habermas | 88 páginas | R$ 19,00

Segundo volume da Coleção Habermas, este texto reproduz um discurso do filósofo proferido aproximadamente um mês depois do 11 de setembro de 2001. Embora circunstancial, é de grande importância no conjunto da obra do filósofo que, ao retomar o clássico tema fé e saber, adota uma nova expressão – “pós-secular” – imprimindo mudanças em sua teoria da modernidade, presente em suas obras posteriores.

 

 

Sobre a constituição da Europa

Autor: Jürgen Habermas | 192 páginas | R$ 40,00

A explosão das ilusões neoliberais promoveu a concepção de que os mercados financeiros, principalmente os sistemas funcionais que perpassam as fronteiras nacionais, criam situações problemáticas na sociedade mundial que os Estados individuais – ou as coalizões de Estados – não conseguem mais dominar. A política como tal, a política no singular, é desafiada em certa medida por tal necessidade de regulamentação: a comunidade internacional dos Estados tem de progredir para uma comunidade cosmopolita de Estados e dos cidadãos do mundo, levando adiante a juridificação democrática do poder político.

 

Filosofia, racionalidade, democracia: Os debates Rorty & Habermas 

Filosofia, racionalidade, democracia

Organizador: José Crisostomo de Souza | 270 páginas | R$ 52,00

Rorty e Habermas estão entre os mais importantes intelectuais e filósofos e são, provavelmente, aqueles que têm maior público, dentro e fora das universidades. Entrevistas e artigos seus aparecem em jornais e revistas de grande circulação, e seus livros são traduzidos e publicados pelo mundo afora. Neste livro, Habermas e Rorty debatem e dialogam, entre si, sobre suas concepções mais gerais e, em especial, sobre filosofia, cultura, razão e política, num confronto que envolve posições de outros importantes pensadores, de ontem e de hoje, como Apel e os “pós-modernos” franceses, como Dewey e Wittgenstein, como Heidegger e Nietzsche, como Hegel e Kant. Suas concepções tratam de levar em conta os desenvolvimentos mais recentes da filosofia, em relação a temas como valores, linguagem, verdade e conhecimento.

 

5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental traz mais de 100 títulos

Mostra Ecofalante

Filmes recentes de diversas partes do mundo abordando questões socioambientais voltam a ocupar as salas de cinema da capital paulista no mês de junho. A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental traz mais de 100 títulos, com destaque para produções contemporâneas e inéditas no Brasil. São produções do Canadá, Alemanha, Turquia, EUA, China, França, Grécia, Itália, Israel, Índia, Reino Unido, Noruega, Bélgica, Luxemburgo, África do Sul, Quirguistão, dentre outros países.

Dentre os destaques está O Céu e a Geleira, novo longa-metragem de Luc Jacquet, diretor do sucesso A Marcha dos Pinguins. O filme foi atração de encerramento do Festival de Cannes em 2015 e aborda a atuação do glaciologista francês Claude Lorius, cuja pesquisa com o gelo da Antártica ajudou a provar que o aquecimento global vem sendo provocado pela ação humana. Já Isso Muda Tudo, uma coprodução Estados Unidos/Grã-Bretanha baseada no livro da jornalista, escritora e ativista canadense Naomi Klein, tem como produtor executivo o mexicano Alfonso Cuarón (de Gravidade). Filmado ao longo de quatro anos em nove países e cinco continentes ao longo de quatro anos, o filme é uma tentativa épica para re-imaginar a grande desafio das alterações climáticas e tem direção de Avi Lewis, marido de Klein.

Assinaturas de Louis Malle, Robert Bresson, Jean Epstein, Jean Painvelé, Jacques Tati, Jean Rouch, Yves-Jacques Cousteau estão presentes no Panorama Histórico deste ano, inteiramente dedicada a produções francesas. A Propos de Nice (1930), de Jean Vigo, O Salário do Medo (1953), de Henri-Georges Clouzot, e Rien Que Les Heures (1926), de Alberto Cavalcanti, são alguns dos clássicos programados.

Realizada pelo terceiro ano consecutivo, a Competição Latino-Americana traz 22 produções de 12 países da região. O homenageado do ano é o ambientalista brasileiro Paulo Nogueira Neto. Completam a programação o Circuito Universitário, a Mostra Escola e a competição Curta Ecofalante.

Os filmes são exibidos em seis salas do circuito de cinema de São Paulo: Caixa Belas Artes, Reserva Cultural, Cinemateca Brasileira, Centro Cultural São Paulo, Cine Olido e Matilha Cultural. A programação é gratuita e se completa com uma série de debates com a participação de especialistas, diretores e convidados.

A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental promove sessões também na Biblioteca Mário de Andrade, em Centros Educacionais Unificados (CEUs) da Prefeitura de São Paulo, unidades das Fábricas de Cultura, faculdades, colégios e em Escolas Técnicas Estaduais (ETECs), levando a programação para um público novo, localizado em diferentes regiões da cidade de São Paulo.

“O público da Mostra vem crescendo em quantidade e diversidade. Já atingimos desde março mais de 14 mil pessoas. Somos a maior mostra de cinema ambiental do Brasil em público, e esse ano vamos exibir mais de 100 filmes. As sessões cobrem uma área de 550 km² em São Paulo e na Região Metropolitana, incluindo dezenas de locais, numa abrangência geográfica mais ampla que nos anos anteriores. Levar cinema de qualidade e promover a reflexão e o debate sobre questões socioambientais para todo esse público é a vocação da Mostra. E esse crescimento demonstra que estamos no caminho certo, que há uma demanda por essas questões”, define Chico Guariba, diretor da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Programas

Compõem a Mostra os seguintes programas: Mostra Contemporânea Internacional, Panorama Histórico, Competição Latino-Americana, Homenagem, Circuito Universitário, Mostra Escola e Curta Ecofalante.

A Mostra Contemporânea Internacional traz 39 filmes das mais diversas nacionalidades, sobre os temas cidades, consumo, economia, mudanças climáticas, recursos naturais e povos & lugares. São produções recentes, que raramente entram em circuito nas salas de cinema. Na programação estão O Mercado da Dúvida e Doce Mentira, filmes que evidenciam como os negacionistas do clima e a indústria do açúcar se apropriaram de estratégias usadas pela indústria do tabaco para gerar dúvida sobre a veracidade dos estudos científicos em suas respectivas áreas; O Verdadeiro Preço, que aborda a cadeia produtiva envolvida em torno do fast fashion, apontando os custos humanos e ambientais; Não Posso Te Dar Minha Floresta e Para Onde Foram as Andorinhas, sobre a situação dos povos originais afetados pelas questões ambientais; A Experiência Cecosesola, sobre um bem sucedido experimento de economia solidária na Venezuela; e Negócio Sujo, sobre relações comerciais entre Israel e Palestina, dentre muitos outros.

A Competição Latino-Americana registrou recorde de inscrições: foram recebidas 255 produções, entre longas e curtas, com representantes da Venezuela, Colômbia, Bolívia, Argentina, do Equador, México, Peru, Paraguai, Uruguai, Chile, Equador e Brasil. Os filmes percorrem múltiplos cenários da realidade latino-americana e tornam possível entender as consequências sociais provocadas pelas mudanças climáticas, quais são os danos socioambientais causados pelo uso desenfreado dos recursos naturais e como as populações nacionais estão reagindo e se organizando para lidar com essas transformações.

O homenageado Paulo Nogueira Neto, hoje com 93 anos, é considerado patrono do ambientalismo no Brasil. Também advogado, professor e pesquisador, Nogueira Neto dirigiu a Secretaria Especial de Meio Ambiente (SEMA) de 1974 a 1986, órgão do governo federal ligado à época ao Ministério do Interior, responsável então pelo setor ambiental no Brasil. Foi membro da Comissão Brundtland de Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, que criou o conceito de Desenvolvimento Sustentável.

Circuito Universitário, Mostra Escola e Curta Ecofalante

O Circuito Universitário e a Mostra Escola já acontecem desde o início de março em diversas faculdades, escolas e instituições de ensino, com objetivo de promover a reflexão e o debate a partir da experiência do cinema e chamar os estudantes para assistirem aos filmes nas salas de cinema. São sessões voltadas aos estudantes, seguidas de debates com professores e convidados. Participaram das sessões universidade, faculdades, escolas, colégios, Fábricas de Cultura e ETECs. Ao todo, cerca de 14 mil pessoas já assistiram a filmes da 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental e participaram de debates em diversas regiões da Região Metropolitana de São Paulo. Foram mais de 70 sessões em dezenas de lugares, cobrindo uma área de 550 km².

Uma novidade do evento em 2016 é o concurso Curta Ecofalante, voltado a estudantes universitários. Foram recebidos quase 40 trabalhos de diferentes faculdades, de diversos locais do país. Destes, foram selecionados cinco curtas-metragens que ganham exibição durante a Mostra. O melhor trabalho, escolhido pelos curadores da Ecofalante e também por votação do público, é premiado ao fim o evento. O objetivo deste programa é incentivar a produção universitária, que muitas vezes não tem espaço para ser exibida.

A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante e do Programa de Apoio à Cultura (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da White Martins e apoio da Goodyear e da Reciclo Pepsico. A correalização é da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo, Spcine – Empresa de Cinema e Audiovisual de São Paulo e Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo.

Conselho de Ética aprova por 11 votos a 9 parecer pela cassação de Eduardo Cunha

tchaucunha

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados aprovou hoje o pedido de cassação do mandato do presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) por quebra de decoro parlamentar. Por 11 votos a nove, os deputados acataram o parecer do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) que afirma que Cunha quebrou o decoro ao mentir sobre ter contas no exterior durante depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras.

Brasília - Reunião do Conselho de Ética da Câmara aprecia o parecer do deputado Marcos Rogério pela cassação do presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha por quebra de decoro parlamentar (Wilson Dias/Agência Brasil)
Relator do processo contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética, o deputado Marcos Rogério disse: “Estamos diante do maior escândalo que este colegiado já julgou, não se trata apenas de omissão, de mentira, mas de uma trama para mascarar a evasão de divisas, a fraude fiscal” Wilson Dias/Agência Brasil

Segundo o relator, Cunha é o dono de pelo menos quatro contas nna Suíça: Köpek; Triumph SP, Orion SP e Netherton. Ao pedir a cassação de Cunha, Rogério disse que as contas são verdadeiros “laranjas de luxo”. “Estamos diante do maior escândalo que este colegiado já julgou, não se trata apenas de omissão, de mentira, mas de uma trama para mascarar a evasão de divisas, a fraude fiscal”, disse Rogério. “Estamos diante de uma fraude, de uma simulação de empresas de papel, de laranjas de luxo criadas para esconder a existência de contas no exterior”, acrescentou.

MPF pede suspensão dos direitos políticos de Eduardo Cunha
Cunha é acusado de quebra de decoro por ter mentido sobre a propriedade de contas no exterior durante depoimento na CPI da PetrobrasWilson Dias/Agência Brasil

Cunha nega a propriedade das contas, mas admitiu ter o usufruto de ativos geridos por trustes estrangeiros.

O processo de Cunha no Conselho de Ética é considerado o mais longo no colegiado e foi marcado por inúmeras manobras que protelaram a decisão dessa terça-feira. A representação contra Cunha foi entregue pelo PSOL e Rede à Mesa Diretora da Câmara, no dia 13 de outubro de 2015. A Mesa, comandada por Cunha, levou o prazo máximo de 14 dias para realizar a tarefa de numerar a representação e enviá-la ao Conselho de Ética, o que retardou o início dos trabalhos do colegiado. O processo só foi instaurado quase um mês depois da representação, em 3 de novembro de 2015.

Agora o processo contra Cunha precisa ser analisado em plenário. Para que Cunha tenha o mandato cassado, é preciso pelo menos 257 votos, a maioria absoluta dos 513 deputados.

De Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil Edição: Lana Cristina