Dia: 1 de novembro de 2018

Leiam

Anúncios

Nota do Ministério do Meio Ambiente sobre fusão com o Ministério da Agricultura

O Ministério do Meio Ambiente preparou um detalhado e volumoso trabalho para dar plena ciência de tudo o que tem sido feito na pasta e daquilo que é de nossa responsabilidade à equipe de transição, com a qual pretendemos estabelecer um diálogo transparente e qualificado. Por isso, recebemos com surpresa e preocupação o anúncio da fusão com o Ministério da Agricultura.

Os dois órgãos são de imensa relevância nacional e internacional e têm agendas próprios, que se sobrepõem apenas em uma pequena fração de suas competências. Exemplo claro disso é o fato de que dos 2.800 processos de licenciamento tramitando atualmente no Ibama, apenas 29 têm relação com a agricultura.

O Brasil é o país mais megadiverso do mundo, tem a maior floresta tropical e 12% da água doce do planeta, e tem toda a condição de estar à frente da guinada global, mais sólida a cada dia, rumo a uma economia sustentável. Protegemos nossas riquezas naturais, como os biomas, a água e a biodiversidade, contra a exploração criminosa e predatória, de forma a que possam continuar cumprindo seu papel essencial para o desenvolvimento socioeconômico.

Nossa carteira de ações abrange temas tão diferentes como combate ao desmatamento e aos incêndios florestais, energias renováveis, substâncias perigosas, licenciamento de setores que não têm implicação com a atividade agropecuária, como o petrolífero, homologação de modelos de veículos automotores e poluição do ar. O Ministério do Meio Ambiente tem, portanto, interface com todas as demais agendas públicas, mas suas ações extrapolam cada uma delas, necessitando, por isso, de estrutura própria e fortalecida.

O novo ministério que surgiria com a fusão do MMA e do MAPA teria dificuldades operacionais que poderiam resultar em danos para as duas agendas. A economia nacional sofreria, especialmente o agronegócio, diante de uma possível retaliação comercial por parte dos países importadores.

Além disso, corre-se o risco de perdas no que tange a interlocução internacional, que muitas vezes demanda participação no nível ministerial. A sobrecarga do ministro com tantas e tão variadas agendas ameaçaria o protagonismo da representação brasileira nos fóruns decisórios globais.

Temos uma grande responsabilidade com o futuro da humanidade. Fragilizar a autoridade representada pelo Ministério do Meio Ambiente, no momento em que a preocupação com a crise climática se intensifica, seria temerário. O mundo, mais do que nunca, espera que o Brasil mantenha sua liderança ambiental.

Edson Duarte, Ministro do Meio Ambiente

Plantio Muda Ipiranga – 21/10/18

Parabéns para o pessoal do MUDA IPIRANGA que plantaram mais 30 mudas nativas no bairro Sacomã/Ipiranga. Desta vez foi na Rua Francisco Peres, antes um local árido, hostil, e carente de vegetação que agora ressurge um local acolhedor, agradável, resgatando biodiversidade e benefícios ambientais no microclima do quadrante.

 

 

Simpósio “Educação Ambiental e Transição para Sociedades Sustentáveis”

Nos dias 29 e 30 de novembro, ocorrerá na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP) o Simpósio “Educação Ambiental e Transição para Sociedades Sustentáveis”. As atividades ocorrerão no Anfiteatro da Esalq – Pavilhão de Engenharia e no Sesc Piracicaba, das 8h às 18h.

Contribuindo para o fortalecimento da educação ambiental, enquanto campo de ensino, pesquisa e extensão na busca de caminhos para a transição para sociedades sustentáveis e no enfrentamento da mudança do clima, o Simpósio tem como objetivo central dialogar e compartilhar pesquisas e experiências que sejam referências na transição para sociedades sustentáveis.

O evento colaborará com a integração e articulação do setor público, privado, instituições de educação superior, além de pesquisadores, docentes, estudantes de pós-graduação e graduação, e sociedade civil organizada para compartilhar e aprimorar suas experiências, projetos e pesquisas na área de educação ambiental e demais áreas socioambientais.

A realização é do Laboratório de Educação e Política Ambiental – OCA e Fundo Brasileiro de Educação Ambiental- Funbea

Inscrições entre 24/09 a 20/11 através do formulário online, acesse o link: http://ocausp.wixsite.com/cursos/inscricoes

Para mais informações acesse o site http://ocausp.wixsite.com/cursos/simposio ou entre em contato pelo e-mail cursos.oca@usp.br

Programação:

Dia 29/11 – Quinta-feira

Local: Anfiteatro e salas 315, 323 e 326 do Pavilhão da Engenharia.

08h – Credenciamento

09h – Abertura e contextualização

10h – Apresentação de Trabalhos (participantes com os trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do evento) e Oficinas

12h30 – Almoço

14h – Mesa Redonda: Interdisciplinar na transição para vida sustentável. Convocados: Antônio Donato Nobre (INPE), Eda Tassara (FunBEA), Gilmar Mauro (Movimento dos Trabalhadores sem Terra) e Vivian Battaini (Curso EATSS) – mediação.

17h – Rodada de perguntas

18h – Encerramento do dia

Dia 30/11 – Sexta-feira

Local – Das 08h às 12h nas Salas 315, 323 e 326 do Pavilhão da Engenharia, e a partir das 14h, no Anfiteatro da Engenharia.

08h – Credenciamento

08h30min – Apresentação de Trabalhos (participantes com os trabalhos selecionados pelo Comitê Científico do evento) e Oficinas

12h30 – Almoço

14h – Retomada dos trabalhos e Mesa Redonda: Educação Ambiental e Transição para Sociedade Sustentáveis. Convocados: José Matarezi (UNIVALI), Ernesto Luiz Marques Nunes (Procam/USP), Amadeu (UFSCar), Marcos Sorrentino (Oca/Esalq/USP) e Rachel Trovarelii (Curso EATSS) – mediação

16h30min – Rodada de perguntas

17h30min – Encerramento do dia

18h – Encaminhamento para avaliação geral

Alimentação Saudável

 

                                                   

Por que precisamos de uma alimentação saudável?

Porque nosso organismo depende da alimentação para obter os nutrientes necessários à sua manutenção.

 

O que devemos fazer para ter uma alimentação saudável?

Para ter uma alimentação balanceada, precisamos ingerir todos os grupos de alimentos. Estes grupos, estão dispostos em uma roda ou pirâmide de alimentos.

 

A roda de alimentos possui 4 grupos de alimentos, que são eles:

 

  • Construtores: São as proteínas, que têm a função de construir e manter nossos tecidos e órgãos. Encontramos: nas carnes (boi, peixe, aves), ovos, leite e derivados (queijo, iogurtes, creme de leite), grãos (ervilha, feijão, lentilha, grão-de-bico). Também devem ser consumidos todos os dias em todas as refeições, mas evitando os alimentos gordurosos, dando preferência aos magros, desnatados, sem pele ou gordura aparente.

 

  • Energéticos: São os carboidratos, fornecem energia para o funcionamento do nosso organismo, mesmo quando estamos dormindo. Encontramos nos: pães, massas, bolos, biscoitos, mel, açúcar, batata, farinha, farofa, cereais, arroz, etc. Devemos consumir um alimento desse grupo em cada refeição, todos os dias, mas seu excesso pode levar ao aumento do triglicérides, que estão relacionados com a formação de placa de gordura nas artérias.
    • Gorduras: Também servem para fornecer energia, mas é o nutriente que mais fornece caloria, portanto, é o que mais “engorda”. Existem dois tipos de gorduras: animal e a vegetal. Devemos restringir o uso das gorduras de origem animal (gema de ovo, pele de aves, gordura aparente das carnes, gordura do leite integral, queijos amarelos, banha, toucinho, creme de leite, manteiga e embutidos), porque elas aumentam os níveis de colesterol sanguíneo. Temos que dar preferências às gorduras de origem vegetal (óleo de soja, girassol, milho, canola e principalmente o azeite), que auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares. Mas mesmo assim, devemos controlar a quantidade consumida. Em relação às frituras, devemos lembrar que, por mais que o alimento esteja “sequinho” após a fritura, ele foi banhado em gordura, portanto, a caloria do alimento foi somada à caloria do óleo em que este foi banhado; e que o aumento da temperatura desse óleo vegetal para a fritura, transforma-o em gordura saturada, que aumenta o “mau colesterol” – LDL.

 

  • Reguladores: São as frutas, verduras e legumes, como o próprio nome já diz, servem para regular o nosso organismo. Fornecem vitaminas e minerais que são responsáveis para contribuir na prevenção de algumas doenças. Além disso fornecem água que auxilia na hidratação do nosso organismo e as fibras. As fibras são responsáveis pelo bom funcionamento do intestino, prevenção de câncer do intestino, auxilia no controle do colesterol e da glicemia e dão saciedade. Consumir de duas a três porções de frutas ao dia e folhas e legumes no almoço e jantar, diariamente.

 

 

 

 

Então, para uma refeição saudável, devemos ingerir um alimento de cada grupo. Independente de estar disposta num prato, num lanche ou na forma de sopa, a refeição deve conter um alimento do grupo dos energéticos, um alimento do grupo dos construtores e pelo menos um alimento do grupo dos reguladores, lembrando que o grupo das gorduras está inserido no preparo das refeições.