Mês: dezembro 2018

Organiza o Natal – Texto de Carlos Drummond de Andrade

Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal. É possível que, com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e 2 meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que, pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal, abolindo-se a era civil, com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom.

Então nos amaremos e nos desejaremos felicidades ininterruptamente, de manhã à noite, de uma rua a outra, de continente a continente, de cortina de ferro à cortina de nylon — sem cortinas. Governo e oposição, neutros, super e subdesenvolvidos, marcianos, bichos, plantas entrarão em regime de fraternidade. Os objetos se impregnarão de espírito natalino, e veremos o desenho animado, reino da crueldade, transposto para o reino do amor: a máquina de lavar roupa abraçada ao flamboyant, núpcias da flauta e do ovo, a betoneira com o sagüi ou com o vestido de baile. E o supra-realismo, justificado espiritualmente, será uma chave para o mundo.

Completado o ciclo histórico, os bens serão repartidos por si mesmos entre nossos irmãos, isto é, com todos os viventes e elementos da terra, água, ar e alma. Não haverá mais cartas de cobrança, de descompostura nem de suicídio. O correio só transportará correspondência gentil, de preferência postais de Chagall, em que noivos e burrinhos circulam na atmosfera, pastando flores; toda pintura, inclusive o borrão, estará a serviço do entendimento afetuoso. A crítica de arte se dissolverá jovialmente, a menos que prefira tomar a forma de um sininho cristalino, a badalar sem erudição nem pretensão, celebrando o Advento.

A poesia escrita se identificará com o perfume das moitas antes do amanhecer, despojando-se do uso do som. Para que livros? perguntará um anjo e, sorrindo, mostrará a terra impressa com as tintas do sol e das galáxias, aberta à maneira de um livro.

A música permanecerá a mesma, tal qual Palestrina e Mozart a deixaram; equívocos e divertimentos musicais serão arquivados, sem humilhação para ninguém.

Com economia para os povos desaparecerão suavemente classes armadas e semi-armadas, repartições arrecadadoras, polícia e fiscais de toda espécie. Uma palavra será descoberta no dicionário: paz.

O trabalho deixará de ser imposição para constituir o sentido natural da vida, sob a jurisdição desses incansáveis trabalhadores, que são os lírios do campo. Salário de cada um: a alegria que tiver merecido. Nem juntas de conciliação nem tribunais de justiça, pois tudo estará conciliado na ordem do amor.

Todo mundo se rirá do dinheiro e das arcas que o guardavam, e que passarão a depósito de doces, para visitas. Haverá dois jardins para cada habitante, um exterior, outro interior, comunicando-se por um atalho invisível.

A morte não será procurada nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã.

O mundo será administrado exclusivamente pelas crianças, e elas farão o que bem entenderem das restantes instituições caducas, a Universidade inclusive.

E será Natal para sempre.

Texto extraído do livro “Cadeira de Balanço”, Livraria José Olympio Editora – Rio de Janeiro, 1972, pág. 52.

Na paz..

Que tudo seja bem leve, na paz, na democracia, na oração, no pensamento, na melodia, na amizade, no bem comum, na mesa, na cama, no lar, nas estradas, nas nuvens, no trabalho, na roda de amigos, na troca do pão, nas lições da vida, na meditação e no amor.

Chico Mendes, presente!

“Hoje completa 30 anos do assassinato de Chico Mendes. Hoje também o Brasil possui a vergonhosa marca de país que mais mata ambientalistas no mundo. Quantos homens e mulheres ainda terão de morrer pela preservação da natureza e da vida? Chico Mendes sempre presente! ” Marcelo Soares – RAIZeiro gaúcho, do seu facebook.

A ponte que cedeu

Por Gilberto da Silva

Ela está sem nome, mas não esquecida

Lembrada é todos os dias

Citada, desvelada, desnivelada

Desencantado as informações

Especulações, arquitetados pelo concreto

Fissuras, ranhuras, mediações midiáticas

Um ponto de referência

A ponte sem nome

Apenas aquela que cedeu.

Falcão Quiriquiri pousa em frente à câmera de monitoramento de tráfego


Flagrante aconteceu durante a tarde do dia 29/10, por volta das 15h, na câmera localizada na altura do quilômetro 17 da Rodovia dos Bandeirantes

Um Falcão Quiriquiri (Falco Sparverius) pousou em frente à câmera de monitoramento de tráfego da CCR AutoBAn, concessionária que administra o Sistema Anhanguera-Bandeirantes e integra o Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo. O flagrante aconteceu durante a tarde do dia 29/10, por volta das 15h, na câmera do quilômetro 17 da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348), em São Paulo. 

Jorge Sampaoli é o novo técnico do Santos

Santos FC e Jorge Sampaoli têm um aceite assinado na proposta para que o argentino seja o treinador da equipe em 2019. Os últimos detalhes e a assinatura do contrato devem ser finalizados em encontros presenciais neste final de semana.

O argentino de 58 anos começou sua trajetória como treinador em 1994. Durante a longa carreira, Sampaoli teve passagens marcantes por Universidad de Chile, Seleção Chilena e Sevilla, da Espanha. Em 2018 ele comandou a Argentina na Copa do Mundo.Veja nota do presidente Peres:

A vida precisa de ousadia. Podemos não ter o maior orçamento do futebol brasileiro, mas temos a maior marca entre os clubes nacionais e precisamos saber utilizá-la. Assim conseguimos atrair jogadores como Carlos Sánchez, Bryan Ruiz, Derlis González e agora o técnico Jorge Sampaoli.

Santos FC é sinônimo de jovens talentos, futebol ofensivo, uma magia histórica e única. Nada melhor para comandar esse potencial que um técnico experiente, de nível internacional e com ideias novas. Será importante não só para o clube mas como para o nosso futebol. É uma grande atração que com certeza mobilizará nossa torcida nas próximas temporadas.

Seguimos na missão de, com criatividade e responsabilidade, elevar aos poucos o Santos FC para um novo patamar, mais profissional e inovador. Negociação não se faz com pressa.

Presidente do Santos Futebol Clube, José Carlos Peres.

Solando


Novo single da cantora Pat Lapin, “Solando SP”

A cidade da garoa, como ficou conhecida a São Paulo, ganha uma homenagem especial no novo clipe da Pat Lapin, “Solando SP”.

Parte do cd LAPIN, que a paulistana fez de forma totalmente independente, a música chega nessa quarta com um video dirigido por Luan Kardoso que mostra a cantora em seu apartamento nos Jardins enquanto a chuva cai pela janela.

“O clipe nasceu sem roteiro, em clima de improvisação entre eu e o Luan. A ideia é retratar que, mesmo em uma grande metrópole, nossa vida é pessoal, íntima, dando muitas vezes a sensação de solidão. A chuva representa a transformação, e os tons de cores em amarelo, a esperança”, conta Patricia Coelho, que passa a assinar seu novo trabalho autoral com o apelido que ganhou durante sua incursão pela cena independente de São Paulo.

A cantora e compositora paulistana que fez parte do trio pop Sect junto com o Dj Gui Boratto e Jorge Boratto, e fez sucessos solos com releituras das músicas “Eu Te Amo Você” e “O Meu Sangue Ferve Por Você”, lançou, recentemente, o single “Coragem”, já disponível em todas as plataformas digitais e que ganhou versão remixada e assinada pelo Dj Zé Pedro. A música “Solando SP” é lançada com apoio da gravadora Joia Moderna.

Link para clipe: https://youtu.be/rl9SUVExduA

Conservação da biodiversidade marinha é preocupação da ONU para a próxima década

A preocupação com o uso consciente dos oceanos tem crescido a nível global. Exemplo disso é o movimento proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a próxima década. Entre 2021 e 2030, a entidade instigará a comunidade global a discutir e ampliar a cooperação internacional em prol da conservação da biodiversidade marinha e costeira, o que vai ao encontro do objetivo 14 de desenvolvimento sustentável.

Para o oceanógrafo Eduardo Secchi, professor associado do Instituto de Oceanografia na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, a preocupação com o uso sustentável dos oceanos e a discussão sobre a preservação dos mares são urgentes, pois cobrem mais de 70% da superfície da Terra e são fundamentais para a vida no planeta. “Além de influenciar e regular o clima, seus vastos ecossistemas marinhos e costeiros abrigam uma imensa biodiversidade. Essa diversidade representa segurança alimentar de qualidade, por meio da pesca e maricultura, e potencial biotecnológico para a descoberta de novos insumos farmacêuticos”, afirma Secchi, um dos 30 brasileiros voluntários que integram o grupo de especialistas que reverá documentos da ONU sobre a temática para a Década dos Oceanos.