Dia: 22 de outubro de 2019

Estudo revela os tipos de relacionamentos com “Sugar Daddies’’

Você sabe o que é um relacionamento “Sugar” , “daddy ou baby? Um site, agora no Brasil, pode proporcionar um relacionamento deste tipo.

Sugar baby (independente do gênero) é aquela pessoa que recebe os agrados financeiros, enquanto que sua(seu) parceiro(a) é referido(a) como sugar momma (sendo uma mulher) ou sugar daddy (sendo um homem). Estes são mais ricos e mais velhos do que a(o) sugar baby.

Segue abaixo um texto produzido pela assessoria do site.

Uma análise realizada pela universidade do Colorado, em Denver, apontou que há várias formas de se relacionar com um Sugar Daddy. Para entender como esse tipo de relação funciona, a socióloga, Maren Scull, entrevistou 48 jovens de diferentes sites sugar, que relataram suas experiências como “sugar babies”. “Não é somente um acordo por dinheiro’’, disse a socióloga, Maren Scull, que destacou desde “Encontro Recompensado” a “Amor Pragmático’’. Os termos sugar daddy e sugar baby fazem parte de uma relação baseada na troca de benefícios econômicos, e tem sido mercantilizada por plataformas nos Estados Unidos, Canadá e, inclusive, no Brasil, pelo site Universo Sugar, atualmente com mais de 900 mil inscritos. 

Os tipos de relacionamentos sugar apresentados pelo estudo:

 • “Encontros Compensados” — Consiste em compensação monetária ou presentes em troca de companhia durante um almoço, ou um café, por exemplo. O estudo destaca que essa modalidade não envolve sexo para a maioria das pessoas. • “Namoro Sugar” — O mais comum entre sugar daddies e babies, são encontros rotineiros com contato físico. Neste caso, muitas mulheres recebem uma quantia semanal ou mensal como mesada. De acordo com a professora, esse valor varia entre U$ 200 e milhares de dólares. 

• “Amizade Sugar” — São relacionamentos com benefícios mútuos, com alguém que as jovens consideram como um amigo. Os patrocinadores passam a fazer parte da vida delas. Existem casos onde podem ocorrer um romance, porém não são tão comuns. Os daddies costumam pagar todas as despesas das babies, incluindo aluguel, contas de celular, roupas, carros e viagens.

 • “Amor Pragmático” –  Sugar babies que buscam construir uma relação duradoura, para o resto da vida, e preferem um acordo pragmático do que apostar em um romance convencional. 

• “Troca consciente de favores sexuais por dinheiro. ” — Uma maneira de receber mimos e dinheiro em troca de sexo, além de preencher sentimentalmente anseios do daddy. Para a pesquisadora, Maren, o estereótipo dos relacionamentos com os sugar daddies é deturpado. “Sempre que leio um artigo sobre Sugar Daddies ou Sugar Babies, muitas vezes eu vejo a mesma abordagem sensacionalista: jovens universitários ambiciosos e interesseiros. Isso me causa indignação’’, afirma a professora. 

A usuária do Universo Sugar, Michele B., 22 anos, do Espírito Santo, se tornou sugar baby há três anos e mantém uma amizade com um Sugar Daddy. Ela se enquadra na categoria ”Amizade Sugar.  “Há três anos uma amiga me apresentou um site sobre sugar dating. Já tinha visto anúncio em uma rede social e me interessei, justamente pela discrição’’, disse a jovem. ”Comecei a conversar com o dono de uma empresa, que me conseguiu um emprego de recepcionista de um dia para o outro. Além de também quitar a dívida do meu cartão. Na época, ele disse que nem precisaríamos nos conhecer pessoalmente. Mas nos encontramos e viramos amigos”, concluiu a baby. 

Sobre a arte de engolir sapos

Certas coisas só são amargas se a gente as engole: assim escreveu o cartunista Millor Fernandes! Mas no senso comum corre o ditado que não é nada bom engolir sapos! Quanta sacanagem com o sapo. O sapo não é tão feio como parece. Há várias espécies de sapos e tem uns danadinhos bonitos perdidos na natureza.

O grande mestre Rubens Alves, no texto A arte de engolir sapos assinala: “Mas o fato é que nós, humanos, não consideramos os sapos como animais com que gostaríamos de conviver. Ter um cãozinho, um gato ou um coelho como bichinho de estimação, tudo bem. Mas se o menino quisesse ter um sapo como bichinho de estimação, os pais tratariam de levá-lo logo a um psicólogo para saber o que havia de errado com ele. Sapo é bicho de pesadelo.”

Vamos fazer um favor aos sapos: nada de engolir os pequenos anfíbios. Deixemos os bufonídeos em paz!