Notas

Massao Ohno – Poesia Presente, no Canal Curta

Quinta do Pensamento – 23/01

22h05 – “Massao Ohno – Poesia Presente” (documentário)
Nos anos 1960, Massao Ohno abriu portas para uma nova geração de poetas paulistanos ao publicar a “Coleção dos Novíssimos”. Em sequência, lançou Hilda Hilst e introduziu o haikai em português no Brasil. Este documentário retrata como Masso redefiniu o âmbito da poesia e do conceito gráfico editorial no país.  Diretora: Paola Prestes. Duração: 90min. Classificação: Livre. Horários Alternativos: 24 de janeiro, sexta-feira, às 2h10 e às 16h10; 25 de janeiro, sábado, às 10h; 26 de janeiro, domingo, às 19h; 27 de janeiro, segunda-feira, às 10h10.

Documentário sobre o ‘Woodstock brasileiro’ estreia no Curta!

 – “O Barato de Iacanga” (Documentário)
O documentário musical mostra os bastidores do Festival de Águas Claras, o mais lendário festival alternativo dedicado à música brasileira. A narrativa é construída a partir de Leivinha, idealizador do evento. Na época com 20 anos, ele organizou as quatro edições do festival (1975, 1981, 1983 e 1984) transformando a fazenda de seus pais no principal destino hippie daquele período. Diretores: Thiago Mattar. Duração: 94min. Classificação: 10 anos. Horários alternativos: 17 de dezembro, terça-feira, às 02h10 e às 16h10; 18 de dezembro, quarta-feira, às 10h10; 21 de dezembro, sábado, às 13h10; 22 de dezembro, domingo, à 22h10.

Cipriano Barata

Cipriano Barata

Hoje vamos falar sobre o Jornalista baiano José Cipriano Barata de Almeida (26/9/1762-7/6/1838), um dos mais combativos defensores da independência do país do período do Império.
Cipriano José Barata de Almeida foi um médico e político baiano, que teve importante participação na liderança da Conjuração Baiana (1798), também conhecida como Conspiração dos Alfaiates. Cipriano Barata tinha posição política liberal, foi um importante revolucionário e defensor da independência do Brasil em relação a Portugal, da liberdade e também da abolição da escravatura.
Cipriano Barata nasceu na cidade de Salvador (BA) em 26 de setembro de 1762. Estudou na Universidade de Coimbra, instituição em que se formou em Filosofia, Matemática e Cirurgia. isto mesmo Filosofia, Matemática e Cirurgia!
Enquanto estudava em Portugal, entrou em contato com os ideais de liberdade e igualdade, disseminados pelo Iluminismo.
Liberal-democrata, participa da Conjuração Baiana de 1798 e da Revolta Pernambucana de 1817.

Em 1821, foi deputado pela Província da Bahia.junto às Cortes Constitucionais, em Lisboa, em 1821 onde defende publicamente a separação do Brasil de Portugal.
Em 1822 cria o jornal Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco, no qual acusa o imperador dom Pedro I de se comportar de maneira absolutista.

Em 1823, foi eleito deputado para a Assembleia Constituinte. Porém, não assumiu, pois percebeu que ocorreria intervenção imperial. Fato que se comprovou. Neste mesmo ano, na província de Pernambuco, publicou o jornal liberal A Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco.

Foi preso em 1825, acusado de ter participado da Confederação do Equador. É libertado em 1830. Liberto em 1833, foi morar em Salvador, cidade em que criou o jornal Sentinela da Liberdade na Guarita do Quartel General de Pirajá.
A ousadia é punida com sucessivas transferências de prisão, o que sempre causa mudança no título da publicação.

Nos dois últimos anos de vida, após largar a política, atuou como professor de Francês na cidade de Natal.

Faleceu, aos 75 anos de idade, na cidade de Natal (RN) em 7 de junho de 1838.

Almirante Delamare

Em Junho de 1822, período da independência, o Chefe divisão Rodrigo Antonio Delamare comandava uma flotilha. Nessa época, chefiava as forças portuguesas na Bahia o general Inácio Luís Madeira de Melo (1775-1833), que acabara de receber reforços consideráveis para enfrentar os separatistas. Dom Pedro, para enfrentá-las, envia uma frota leve, uma frota de barcos leves da marinha de guerra brasileira, sob o comando do Chefe-de-Divisão Rodrigo Antônio Delamare, foi mandada bloquear a Bahia.

O futuro Almirante Partiu do Rio de Janeiro transportando tropas do general francês Pierre Labatut, a serviço do Império, com a missão de bloquear Salvador e dar fim à inquietude causada pelo jornal Constitucional, de Francisco Jê Acaiaba de Montezuma (1794-1870), futuro visconde de Jequitinhonha, que denunciara a intenção dos portugueses em atacar os brasileiros.

O Almirante Delamare exerceu posteriormente atividades no Supremo Tribunal Militar. Foi-Nomeado Vogal em 3 de janeiro de 1828, tendo sido dispensado em 19 de dezembro de 1833. Delamare falece em 04 de maio de 1840 e foi sepultado nas catacumbas da Igreja de São Francisco de Paula que localiza-se hoje no largo de São Francisco de Paula, no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro.

Curta, compartilhe e inscreva-se no Vitrine do Giba iremos falar mais sobre os personagens da independência do Brasil e que hoje muitos são denominações de ruas no bairro do Ipiranga na cidade de São Paulo.

Visconde de Jequitinhonha

Hoje vou falar de um personagem que não é nome de Rua no tradicional bairro do Ipiranga em São Paulo. Esqueceram dele? Sim, vou falar de Francisco Gomes Brandão – o futuro Visconde de Jequitinhonha – que foi um político, jornalista e advogado brasileiro nascido em Salvador, na Bahia.
Francisco Gomes Brandão ou Francisco Jê Acaiaba de Montezuma, teve lugar de destaque, por exemplo, na história da Maçonaria do Brasil. Em 12 de março de 1829, então no exílio, recebe do Supremo Conselho dos Países Baixos, hoje Bélgica, uma carta de autorização para instalar um Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito no Brasil. De volta ao Brasil, Montezuma instala o Supremo Conselho, usando a autorização do Supremo Conselho da Bélgica em 12 de novembro de 1832, recebendo o título de 1º Soberano Grande Comendador brasileiro.
Francisco Gomes atuou no Senado na defesa do império, da emancipação dos escravos e um dos fundadores da Ordem dos Advogados do Brasil (1843).
Ele era filho de um comandante português e de uma negra, estudou na Universidade de Coimbra e diplomou-se em leis (1821).
No período da luta pela independência, adotou o nome de Francisco Gê Acayaba de Montezuma, sobrenomes de origem africana, tupi e asteca.
Em 2 de Dezembro de 1854 recebeu, através de um decreto imperial, o título de Visconde com Grandeza (Grande do Império) tornando-se o Visconde de Jequitinhona.
Montezuma foi um dos membros-fundadores do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil.
Este homem “de cor” como era chamado naqueles tempos nasceu em Salvador, 23 de março de 1794 e morreu no Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 1870.
Este é um personagem ainda a ser resgatado na história da independência e do Primeiro reinado.
A Vitrine do Giba fica por aqui. Entre nas nossas redes sociais, inscreva-se nos nossos canais. Um abraço e até!

Uma fala sobre a AIDS

Olá você que acompanha a Vitrine do Giba, principalmente você jovem (se tem por aqui algum jovem que me acompanha…) Quero falar um pouco sobre a AIDS.
A aids é a doença causada pela infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV é a sigla em inglês). Esse vírus ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. O vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.
Na minha juventude vi muitos amigos meus morrerem por conta da doença. E foi um período terrível. Não sabíamos como enfrentar a doença e sem cuidados e orientações muitos sofreram, pagaram com a vida.
Hoje, mesmo com todas as informações disponíveis, os jovens não usam camisinha, fora o predominância de um discurso conservador e de falta de campanhas e debate sério e profundo sobre o assunto.
Dados do Boletim Epidemiológico HIV Aids 2018, divulgado pelo Ministério da Saúde, mostra como a detecção do vírus entre os jovens aumentou em apenas dez anos. Entre 2007 e 2017, a notificação de casos de HIV de pessoas com 15 a 24 anos aumentou aproximadamente 700%. Especialistas acreditam que a explosão de ocorrências se deve, por um lado, à maior disponibilidade de testes e, por outro lado, a campanhas de conscientização cada vez mais acanhadas.
A transmissão do HIV e, por consequência da AIDS, acontece das seguintes formas:
• Sexo vaginal sem camisinha.
• Sexo anal sem camisinha.
• Sexo oral sem camisinha.
• Uso de seringa por mais de uma pessoa.
• Transfusão de sangue contaminado.
• Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação.
• Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.
A prevenção contra o HIV precisa entrar no contexto de vida de cada pessoa, no dia a dia da pessoa e ela precisa saber, ter autonomia para escolher a melhor estratégia de evitar a doença.
Então, você, jovem, que não viu a epidemia da década de 1980 e que já nasceu em uma época em que o HIV tem tratamento, não têm muita noção da gravidade dos problemas que a infecção pelo vírus pode causar.
A juventude não vivenciou o momento forte da epidemia, portanto não tem percepção sobre o risco e não conhece métodos de prevenção. Muitas escolas deixaram de falar sobre saúde e doenças sexualmente transmissíveis ou quando falam não atinge os adolescentes.
Portanto, alerta ligado, pois mesmo o tratamento atualmente disponível é muito pesado.
Ficamos por aqui inscreva-se no nosso Canal Vitrine do Giba, curta e compartilhe.