Mês: outubro 2019

Oficinas participativas do Plano Municipal de Arborização

São Paulo realiza, em novembro, as oficinas participativas do Plano Municipal de Arborização Urbana (PMAU) e do Plano Municipal de Áreas Protegidas, Áreas Verdes e Espaços Livros (PLANPAVEL) .

09/11 – 9h as 13h– LESTE 01 – Itaquera, São Mateus, Cidade Tiradentes, São Miguel, Itaim Paulista, Guainazes
POUPATEMPO ITAQUERA – Estação do Metrô Corinthians- Itaquera

12/11 – 18 as 22h – LESTE 02 – Vila Prudente, Aricanduva, Sapopemba, Penha, Ermelino Matarazzo
UNINOVE VILA PRUDENTE –Rua Cavour, 33

21/11 – 18 as 22h – SUL 1 – Campo Limpo, M´Boi Mirim, Santo Amaro, Jabaquara, Cidade Ademar
UNINOVE SANTO AMARO – R. Amador Bueno, 389/491

23/11 – 9h as 13h -SUL 2 – Parelheiros, Capela do Socorro
CEU PARELHEIROS – R. José Pedro de Borba, 20 Portão E1 Bloco Esportivo

26/11 -18 as 22h – CENTRO-OESTE – Lapa, Butantã, Pinheiros, Sé, Vila Mariana, Ipiranga, Mooca
FACULDADE DE SAÚDE PUBLICA – USP – Av. Dr. Arnaldo, 715 Cerqueira César

28/11 -18 as 22h NORTE – Perus, Pirituba-Jaraguá, Freguesia-Brasilândia, Casa Verde-Cachoeirinha, Jaçanã-Tremembé, Santana-Tucuruvi, V.Maria- V.Guilherme
SUBPREFEITURA SANTANA – TUCURUVI Av. Tucuruvi, 808

LINK PARA INSCRIÇÃO: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfxK_Vjqy4t5gNZVN_1tBRO0ff7GEhZrij20kg1QGzQR55nXg/viewform?usp=send_form

Professores homenageam Luiza Erundina e Paulo Freire

Em comemoração aos 30 anos da administração LUIZA Erundina, os professores da rede municipal de ensino da cidade de São Paulo prestaram uma bela e emocionante homenagem à prefeita e a seu secretário da educação.

O evento ocorreu no campus Vergueiro da Uninove na tarde deste sábado, 26 de outubro de 2019. O auditório ficou lotado com a presença de inúmeros professores e professoras que prestaram serviços à administração da então petista, assim como destacaram o papel exercido pelo educador Paulo Freire no secretariado municipal. Participaram personalidades como Eduardo Suplicy,  Donato, Mauricio Faria (hoje conselheiro do Tribunal de Contas do Município), José Genoíno, Nabil Bonduki e inúmeras pessoas que direta ou indiretamente participaram do governo.

Claro, não faltou gritos de Lula Livre e de vivas ao povo chileno. O ex-deputado do Rio de Janeiro, Chico Alencar fez uma intervenção animada esperançosa sobre a política e destacou o “ministério” que era o secretariado da ERUNDINA.

A filósofa e secretaria da Cultura da administração da Luiza, Marilena Chaui destacou o papel da forma socialista do governo ERUNDINA que era o mais utópico e não esperado na forma de uma democracia participativo e de respeito às direitos. Destacou a questão da Utopia, principio que Erundina carrega nas suas falas e atos.

Marilena destacou a Utopia como forma de pensar e traçar ação ara o futuro
Mario Sergio Cortela teve o desafio de substituir o secretário Paulo Freire quando o educador decidiu sair do secretariado.

Museu Água: Confira o edital para Projeto Arquitetônico

Concurso para a elaboração de projeto arquitetônico com restauro e ampliação do edifício da antiga repartição de águas e esgotos – RAE, atual Centro de Reservação França Pinto, para implantação do Museu Água

oncurso para a elaboração de projeto arquitetônico com restauro e ampliação do edifício da antiga repartição de águas e esgotos – RAE, atual Centro de Reservação França Pinto, para implantação do Museu Água

  1. OBJETO DO CONCURSO

1.1 O presente Concurso tem por objeto a seleção, dentre as propostas apresentadas, da solução arquitetônica mais adequada para o restauro e elaboração do projeto arquitetônico do Museu Água, com total liberdade de proposição, desde que obedecidas às indicações e determinações deste Edital, do Termo de Referência, do Regulamento do Concurso e Anexos.

1.2 Os concorrentes terão liberdade para elaborar as suas melhores propostas de projeto, sendo, entretanto, obrigatório atender às determinações contidas neste Edital e às diretrizes do Termo de Referência (Anexo I) e das plantas (Anexo II).

1.3 O Concurso será regido por este Edital em consonância com a Lei Federal no 9.610, de 19/02/1998 (Lei de Direitos Autorais), no que couber; pela Lei Federal n° 12.378 de 31/12/2010 que regula o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/BR e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal – CAU/UF.

  1. JUSTIFICATIVA

2.1 O saneamento ambiental contribui para a melhoria da qualidade de vida das populações e das cidades, a partir do qual tem se constituído um patrimônio histórico valioso para a compreensão das transformações urbanas e da evolução dos usos e costumes relacionados à higiene, preservação do meio ambiente e das práticas sustentáveis.

2.2 O Museu Água é uma importante e necessária ação de responsabilidade cultural, com grande potencial de desdobramento em projetos que, a partir desse patrimônio histórico, podem contribuir para a educação ambiental e para a educação patrimonial em prol do uso responsável dos recursos hídricos e para expansão do saneamento. Dentre os objetivos do Projeto de Implantação do Museu Água estão:

  • Promover a preservação, pesquisa e comunicação do patrimônio e da memória do setor de saneamento do Estado de São Paulo;
  • Promover práticas de sustentabilidade e conscientização do valor da água e do meio ambiente;
  • Promover novas leituras da história da urbanização da cidade de São Paulo;
  • Atuar como centro de referência para pesquisas e estudos ligados à ciência, tecnologia e inovação;
  • Promover o engajamento da sociedade para as questões ambientais por meio de ações culturais e educativas;
  • Criar uma nova praça de lazer e cultura em São Paulo; e
  • Valorizar o circuito cultural integrando-se ao Museu de Arte Contemporânea (MAC) e o Instituto Biológico.

2.3 Com a realização deste Concurso, a AESabesp objetiva selecionar e premiar os cinco primeiros colocados.

  1. REQUISITOS PARA PARTICIPAÇÃO E HABILITAÇÃO

3.1 Poderão participar profissionais diplomados, residentes e domiciliados no país, em pleno gozo de seus direitos profissionais, legalmente habilitados e registrados no Sistema do Conselho de Arquitetura e Urbanismo – CAU, ou no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia – CREA.

3.2. Estão impedidos de participar do presente concurso os dirigentes e funcionários, servidores ou empregados, ativos ou aposentados, vinculados AESabesp, os membros da Diretoria Executiva do Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento de São Paulo, os integrantes da coordenação do concurso e da comissão julgadora, assim como seus sócios, assistentes, colaboradores, chefes, diretores ou parentes até segundo grau.

3.3 A inscrição será realizada exclusivamente em nome de Pessoa Física ou Jurídica legalmente habilitada a desenvolver projetos de arquitetura e/ou engenharia, sendo indicados o Responsável Legal e o Arquiteto Responsável Técnico, que serão os responsáveis pela inscrição e apresentação das propostas para efeito das obrigações contidas no Edital do Concurso e seus anexos. O responsável legal será o único interlocutor habilitado a dirigir-se à Coordenação do Concurso durante o desenvolvimento do certame para a formulação de consultas, entrega das propostas e outros fins.

3.4 Os nomes dos autores, colaboradores, consultores e demais membros da equipe serão relacionados obrigatoriamente na Ficha de Identificação, devidamente assinada pelo proponente.

3.5 Até a divulgação final dos resultados, a Coordenação do Concurso obriga-se a manter o anonimato dos concorrentes, que somente terão reveladas suas identidades na ocasião da divulgação dos resultados do concurso.

3.6 Não há limite no número de projetos a ser apresentados por proponente, entretanto cada projeto corresponderá a uma inscrição, cuja taxa está prevista no item 4.1.

  1. INSCRIÇÕES

4.1. O valor da inscrição é de R$ 300,00 (trezentos reais).

4.2. As inscrições para a seleção de trabalhos poderão ser realizadas até às 18 horas do dia 23 de novembro de 2019, através de depósito bancário e envio de formulário disponível em http://www.aesabesp.org.br, com as documentações exigidas no edital em anexo, além de – Documento de registro no CAU ou CREA; – Cópia do comprovante de depósito bancário no valor da inscrição feito na conta corrente da AESabesp: Banco do Brasil, Agência 6998-1, Conta Corrente 40263-X, CNPJ: 56 765 472/0001-90.

4.3. Todos os campos do formulário online da Ficha de Identificação devem ser devidamente preenchidos, sendo indispensável a identificação do Arquiteto ou Engenheiro responsável.

4.4. A inscrição será homologada pela Comissão de Organização do concurso tão logo seja realizada análise de toda documentação solicitada.

4.5. Comprovada a regularidade da documentação, a homologação das inscrições será realizada e encaminhada aos participantes por meio de correio eletrônico.

4.6. Sob nenhum pretexto serão homologados os trabalhos que não forem entregues de acordo com as normas de apresentação, de entrega e prazos determinados.

4.7 No formulário online, será necessário realizar o upload dos documentos abaixo relacionados, necessários à homologação da inscrição:

  1. a) cópia da certidão de registro do proponente no sistema CONFEA/CREA/CAU;
  2. b) cópia do comprovante da quitação no sistema CONFEA/CREA/CAU;
  3. c) cópia da carteira do CAU/BR ou CREA do arquiteto/engenheiro responsável técnico;
  4. d) cópia do comprovante da quitação do CAU/BR ou do CREA.

4.7.1 Os itens c) e d) devem ser apresentados quando o proponente não for a mesma pessoa que o responsável técnico.

4.8 Em até 5 (cinco) dias úteis, o responsável legal receberá comunicado da Coordenação do Concurso, no e-mail indicado no formulário online, com a confirmação da inscrição. A inscrição só será válida após o recebimento do comunicado.

4.9 O formulário deverá ser preenchido em todos os campos no ato de envio da proposta contendo, obrigatoriamente, na hipótese de trabalho de equipe, o(s) nome(s) do(s) coautor(es), colaborador(es) e consultor(es) do trabalho apresentado, e será assinada somente pelo responsável legal, que atestará a fidelidade e a veracidade das informações prestadas.

  1. PRAZO

5.1 O período das inscrições no Concurso será de 30 de outubro de 2019 a 23 de novembro de 2019.

5.2 O período de recebimento das propostas, com a documentação completa conforme discriminada neste Edital será da data do recebimento da confirmação da inscrição até 27 de novembro de 2019.

  1. ABRANGÊNCIA E MODALIDADE

6.1 O Concurso será de âmbito nacional e terá a etapa de seleção e premiação dos cinco melhores colocados. Os trabalhos serão apresentados em nível de Estudo Preliminar de Arquitetura, contendo as informações suficientes para a perfeita compreensão das propostas elaboradas, em atendimento ao previsto neste Edital, Termo de Referência (Anexo I) e demais anexos.

  1. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

7.1. Os trabalhos deverão ser apresentados em 04 (quatro) arquivos, que serão anexados em local específico do formulário online: 1) Pranchas (PDF agrupado, 300 dpi), 2) Memorial (PDF agrupado), 3) e 4) Imagens do trabalho (JPG ou TIF).

7.2 Os documentos de apresentação das propostas técnicas são:

  1. a) 01 (um) texto do Memorial Descritivo, a ser preenchido no formulário online;
  2. b) Até dez (10) pranchas no formato A1 posição horizontal; e
  3. c) 02 (duas) imagens que melhor representem o trabalho no formato aproximado 25×30 cm.

7.3 O Memorial Descritivo deverá conter texto explicativo, abordando os principais conceitos, o partido das intervenções e justificando a proposta.

7.4 As pranchas deverão ser apresentadas no formato A1, posição horizontal, numeradas até no máximo 10 (1/10, 2/10, …10/10).

7.5 Deverão constar nas pranchas implantação, plantas, cortes, elevações e perspectivas do projeto, que forem necessários ao bom entendimento da proposta e conforme as seguintes indicações:

  1. a) Implantação – apontar acessos de público, serviços e emergência; esclarecer os fluxos e circulações verticais e horizontais de público e serviços; apontar localização de equipamentos de apoio técnico (conjunto gerador, cabine de força, lixeiras, reservatórios uso e reuso, cabines de equipamentos de ar condicionado etc.).
  2. b) Plantas – apontar acessos de público, serviços e emergência; esclarecer os fluxos e circulações verticais e horizontais de público e serviços; apontar localização de equipamentos de apoio técnico.
  3. c) Cortes gerais – quantos necessários para entendimento das intervenções;
  4. d) Elevações – quantos necessários para entendimento das intervenções;
  5. e) Perspectivas internas e externas – para esclarecimentos sobre espaços internos e externos. As perspectivas podem ser elaboradas com base nas plantas e fotos fornecidas no Anexo II ou livremente a partir de outras imagens do proponente.

7.6 Outras informações necessárias à compreensão do trabalho, que não impliquem sua identificação poderão ser apresentadas, como imagens criadas em 3D. No entanto, nas pranchas e no texto não poderão aparecer nome ou logotipo do(s) autor(es) assinaturas de desenhos e créditos que possibilitem a identificação do trabalho.

7.7 Todos os desenhos, imagens, textos, memoriais, explicações ou especificações deste edital, deverão constar obrigatoriamente apenas na prancha, não podendo ser entregue qualquer tipo de material avulso para fins de análise pela Comissão de Seleção.

  1. CONSULTAS

8.1. Os inscritos poderão dirigir pedidos de esclarecimentos ou consultas relativos ao Edital, Regulamento e Termo de Referencia deste Concurso, no período compreendido entre 21 de outubro de 2019 e 10 de novembro de 2019.

8.2. Os pedidos de esclarecimentos ou consultas deverão ser feitos exclusivamente através do e-mail concursoaesabesp@gmail.com.

8.3. Todas as consultas e pedidos de esclarecimentos formulados serão respondidos pela Coordenação do Concurso, através da Internet, observadas as disposições do Regulamento relativas à manutenção do sigilo quanto aos nomes dos consulentes e ao calendário.

8.4 Os inscritos poderão formular pedidos de esclarecimentos relativos às regras do Concurso até 10 (dez) dias úteis antes da data fixada para a entrega dos trabalhos.

8.5 As respostas aos pedidos de esclarecimentos serão apresentadas no site do Concurso até 5 (cinco) dias úteis após o recebimento das consultas, mantido o anonimato dos consulentes.

8.6 A Coordenação do Concurso, por iniciativa própria, poderá também encaminhar aos inscritos as informações suplementares que julgar necessárias.

8.7 Os esclarecimentos prestados pela Coordenação do Concurso aos inscritos, bem como informações suplementares, passarão a integrar o concurso.

8.8 As visitas técnicas à área do projeto, franqueada aos participantes inscritos, não é obrigatória. As visitas serão realizadas em data e hora a serem confirmadas no agendamento. O pedido de agendamento deverá ser realizado por meio do endereço eletrônico concursoaesabesp@gmail.com, com o assunto “VISITA TÉCNICA”. Na confirmação do agendamento, serão disponibilizadas as orientações para a visita.

  1. CONSULTOR

9.1. Será consultora do presente concurso a arquiteta Patrícia Bazzarelli Biguetti, CAUsp nº A61688-5.

9.2. Compete ao consultor, responder a todas as questões e dúvidas dos concorrentes no prazo de cinco (5) dias após o seu recebimento ou de até três (3) dias após a data limite para o envio de consultas. As respostas serão encaminhadas a todos os concorrentes em forma de circular; – Orientar e acompanhar o recebimento dos trabalhos na data da entrega; – Garantir o sigilo quanto à autoria dos trabalhos concorrentes; – Organizar os trabalhos do julgamento; – Assistir a Comissão Julgadora, esclarecendo eventuais dúvidas; – Organizar a exposição dos projetos para o julgamento e dele participar dando assistência ao júri, sem direito a voto; – Organizar de comum acordo com o órgão promotor as sessões solenes de identificação dos premiados e entrega dos prêmios.

  1. JULGAMENTO

10.1. A Comissão Julgadora será composta por cinco membros.

10.2. Os membros da Comissão Julgadora serão os seguintes:

  • Ricardo Toledo Silva
  • Rodrigo Mindlin Loeb
  • Fernando Túlio
  • Mauro Pereira de Paula Junior
  • Carlos Roberto Ferreira Brandão

10.3. Caso julgue necessário a Comissão Julgadora poderá solicitar a consultoria de representantes da AESabesp a serem oportunamente indicados pela instituição promotora.

10.4. O julgamento será realizado em uma única fase.

10.5. As reuniões da Comissão Julgadora serão privadas, sendo vedado o acesso a pessoas estranhas ao processo de julgamento.

10.6. A Comissão Julgadora deverá eleger um presidente e um relator entre seus membros.

10.7. Caso ocorra o impedimento de qualquer um dos membros da Comissão, haverá a indicação de um jurado substituto.

10.8. São critérios básicos de julgamento: criatividade, objetividade, clareza, atendimento ao programa, exequibilidade, contribuição tecnológica e economicidade, acessibilidade uso racional dos recursos naturais e ao conforto para os usuários, entre outros de ordem técnica e cultural.

10.9. Caberá ao Arquiteto Coordenador do Concurso, antes de iniciada a primeira sessão de julgamento, verificar o atendimento das disposições desse Regulamento, procedendo a desclassificação daqueles que porventura não atendam às condições previstas, dando ciência da ocorrência à Comissão Julgadora e consignando-a eventual desclassificação na ata do julgamento.

10.10. A Comissão Julgadora poderá recusar trabalhos que não atendam ao Edital, ao Regulamento e ao Termo de Referencia deste Concurso, devendo consignar na ata do julgamento as eventuais recusas.

10.11. O Arquiteto Consultor do Concurso participará das Sessões de Julgamento, sem direito a voto, para assessorar a Comissão Julgadora e dirimir as eventuais dúvidas surgidas durante o processo de julgamento.

10.12. As decisões da Comissão Julgadora são irrecorríveis.

10.13 A Coordenação do Concurso colocará à disposição da Comissão Julgadora, no ato da respectiva instalação, as propostas dos concorrentes, exemplares deste Edital, o relatório de recebimento dos trabalhos, o relatório da Comissão Técnica e submeterá à deliberação da Comissão Julgadora as propostas que considerar inabilitadas.

10.14  Com a coordenação e organização do Presidente, os membros da Comissão Julgadora decidirão sobre seus procedimentos, elegendo um Relator para o período de julgamento.

10.15 Em seguida, a Comissão Julgadora passará a analisar as Propostas.

10.16 A Comissão Julgadora avaliará os trabalhos segundo valores arquitetônicos e de preservação do edifício em atendimento ao Edital, ao Termo de Referência e aos demais Anexos, integrantes das Bases do Concurso, considerando tanto a identificação do problema, as soluções alcançadas, assim como a capacidade de resolução conceitual e técnica apresentada pelas equipes.

10.17 As sessões da Comissão Julgadora serão registradas em súmulas que subsidiarão a redação da Ata de Julgamento, das quais constarão: data, local, procedimentos e critérios adotados no julgamento, observando as regras descritas no Termo de Referência (Anexo I) e nos demais anexos. As sessões de julgamento serão realizadas na sede da AESabesp ou em outro local previamente divulgado no site do Concurso.

10.18 Os membros da Comissão Julgadora, o Coordenador do Concurso e os Consultores Técnicos convocados, bem como os demais auxiliares, estarão obrigados a, durante a realização do concurso e após a divulgação do respectivo resultado, manter absoluto sigilo das atividades desenvolvidas por ocasião do Concurso, abstendo-se de emitir qualquer comentário sobre os trabalhos.

10.19 As decisões da Comissão Julgadora serão por maioria simples de voto, respeitadas sempre as disposições deste Edital e das Bases do Concurso. A decisão da Comissão Julgadora é soberana e, portanto, não caberá recurso à AESabesp contra às decisões de mérito da Comissão Julgadora.

10.20 A Comissão Julgadora, por meio de seu Presidente, será responsável pela entrega à Promotora do Concurso do texto integral da Ata de Julgamento, redigida pelo jurado relator e assinada pelos membros da Comissão.

  1. PREMIAÇÃO

11.1. Os Prêmios a serem conferidos pela Comissão Julgadora serão pela ordem, primeiro, segundo, terceiro e quarto lugares.

11.1.1 O 1º colocado fará jus a um prêmio em dinheiro no valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais).

11.1.2 O 2º colocado fará jus a um prêmio em dinheiro no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais).

11.1.3 O 3º colocado fará jus a um prêmio em dinheiro no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais).

11.1.4 O 4º colocado fará jus a um prêmio em dinheiro no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

11.1.5 O 5º colocado fará jus a um prêmio em dinheiro no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

11.2. A Comissão Julgadora distinguirá, a seu critério, projetos apresentados com Menções Honrosas e Destaques entre aqueles que se classificarem entre o quinto e o décimo lugares.

11.2.1 Menções Honrosas e Destaques não receberão remuneração ou prêmios em dinheiro.

11.3. Os prêmios serão pagos aos vencedores pela instituição promotora do Concurso, havendo sobre os mesmos a incidência da legislação fiscal pertinente.

  1. PENALIDADES

12.1 Caso haja alguma não conformidade nos documentos apresentados, o proponente classificado será comunicado e deverá apresentar a complementação do(s) documento(s) no prazo máximo de 10 (dez) dias corridos após o recebimento da comunicação. A não apresentação dos documentos complementares nos prazos fixados, acarretará, a desclassificação do concorrente pré-classificado.

  1. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

13.1 O resultado do julgamento dos trabalhos apresentados será conhecido em sessão pública solene,  em data e local a ser publicados no site da AESabesp.

  1. ANEXOS

14.1. São anexos do presente edital:

14.1.1 – Anexo I – Termo de Referência

14.1.2 – Anexo II – Plantas e fotos para referência

  1. DISPOSIÇÕES GERAIS

15.1. Os concorrentes autorizam tacitamente ao Promotor e ao Organizador, o Direito de Exposição e Divulgação dos trabalhos apresentados, a qualquer tempo, sem que tal feito implique em qualquer forma de remuneração a seus autores.

15.2. Os Direitos Autorais sobre as soluções apresentadas tornar-se-ão propriedade da AESabesp.

15.3. Todos os trabalhos analisados pelo Júri receberão Certificado de Participação e serão expostos em local público e período a ser oportunamente divulgado.

SÃO PAULO, 21 DE OUTUBRO DE 2019

Estudo revela os tipos de relacionamentos com “Sugar Daddies’’

Você sabe o que é um relacionamento “Sugar” , “daddy ou baby? Um site, agora no Brasil, pode proporcionar um relacionamento deste tipo.

Sugar baby (independente do gênero) é aquela pessoa que recebe os agrados financeiros, enquanto que sua(seu) parceiro(a) é referido(a) como sugar momma (sendo uma mulher) ou sugar daddy (sendo um homem). Estes são mais ricos e mais velhos do que a(o) sugar baby.

Segue abaixo um texto produzido pela assessoria do site.

Uma análise realizada pela universidade do Colorado, em Denver, apontou que há várias formas de se relacionar com um Sugar Daddy. Para entender como esse tipo de relação funciona, a socióloga, Maren Scull, entrevistou 48 jovens de diferentes sites sugar, que relataram suas experiências como “sugar babies”. “Não é somente um acordo por dinheiro’’, disse a socióloga, Maren Scull, que destacou desde “Encontro Recompensado” a “Amor Pragmático’’. Os termos sugar daddy e sugar baby fazem parte de uma relação baseada na troca de benefícios econômicos, e tem sido mercantilizada por plataformas nos Estados Unidos, Canadá e, inclusive, no Brasil, pelo site Universo Sugar, atualmente com mais de 900 mil inscritos. 

Os tipos de relacionamentos sugar apresentados pelo estudo:

 • “Encontros Compensados” — Consiste em compensação monetária ou presentes em troca de companhia durante um almoço, ou um café, por exemplo. O estudo destaca que essa modalidade não envolve sexo para a maioria das pessoas. • “Namoro Sugar” — O mais comum entre sugar daddies e babies, são encontros rotineiros com contato físico. Neste caso, muitas mulheres recebem uma quantia semanal ou mensal como mesada. De acordo com a professora, esse valor varia entre U$ 200 e milhares de dólares. 

• “Amizade Sugar” — São relacionamentos com benefícios mútuos, com alguém que as jovens consideram como um amigo. Os patrocinadores passam a fazer parte da vida delas. Existem casos onde podem ocorrer um romance, porém não são tão comuns. Os daddies costumam pagar todas as despesas das babies, incluindo aluguel, contas de celular, roupas, carros e viagens.

 • “Amor Pragmático” –  Sugar babies que buscam construir uma relação duradoura, para o resto da vida, e preferem um acordo pragmático do que apostar em um romance convencional. 

• “Troca consciente de favores sexuais por dinheiro. ” — Uma maneira de receber mimos e dinheiro em troca de sexo, além de preencher sentimentalmente anseios do daddy. Para a pesquisadora, Maren, o estereótipo dos relacionamentos com os sugar daddies é deturpado. “Sempre que leio um artigo sobre Sugar Daddies ou Sugar Babies, muitas vezes eu vejo a mesma abordagem sensacionalista: jovens universitários ambiciosos e interesseiros. Isso me causa indignação’’, afirma a professora. 

A usuária do Universo Sugar, Michele B., 22 anos, do Espírito Santo, se tornou sugar baby há três anos e mantém uma amizade com um Sugar Daddy. Ela se enquadra na categoria ”Amizade Sugar.  “Há três anos uma amiga me apresentou um site sobre sugar dating. Já tinha visto anúncio em uma rede social e me interessei, justamente pela discrição’’, disse a jovem. ”Comecei a conversar com o dono de uma empresa, que me conseguiu um emprego de recepcionista de um dia para o outro. Além de também quitar a dívida do meu cartão. Na época, ele disse que nem precisaríamos nos conhecer pessoalmente. Mas nos encontramos e viramos amigos”, concluiu a baby. 

Sobre a arte de engolir sapos

Certas coisas só são amargas se a gente as engole: assim escreveu o cartunista Millor Fernandes! Mas no senso comum corre o ditado que não é nada bom engolir sapos! Quanta sacanagem com o sapo. O sapo não é tão feio como parece. Há várias espécies de sapos e tem uns danadinhos bonitos perdidos na natureza.

O grande mestre Rubens Alves, no texto A arte de engolir sapos assinala: “Mas o fato é que nós, humanos, não consideramos os sapos como animais com que gostaríamos de conviver. Ter um cãozinho, um gato ou um coelho como bichinho de estimação, tudo bem. Mas se o menino quisesse ter um sapo como bichinho de estimação, os pais tratariam de levá-lo logo a um psicólogo para saber o que havia de errado com ele. Sapo é bicho de pesadelo.”

Vamos fazer um favor aos sapos: nada de engolir os pequenos anfíbios. Deixemos os bufonídeos em paz!

Dóris Monteiro

Nascia em 21 de outubro de 1934, no Rio de Janeiro, RJ, Adelina Dóris Monteiro, grande cantora Dóris Monteiro. Dóris Monteiro foi revelada no programa Papel Carbono, de Renato Murce, na Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Atuou também no cinema e foi uma das estrelas da TV Tupi, onde apresentava um programa homônimo.

Se é questão de adeus, até logo

Se é questão de adeus
Questão de adeus, até logo
Questão de adeus, até logo
Então adeus!

Este seu jeito atrevido
tinhoso, manhoso e maneiro
fez morada no meu peito
e não quis mais se libertar!
Que disparate
atacou de esnobação
e não quis mais sambar comigo
desprezou meu coração!

Se é questão de adeus
Questão de adeus, até logo
Questão de adeus, até logo
Então adeus!

Ai, eu vou-me embora
Então adeus
Eu vou com Deus, Nossa Senhora
Então adeus
Eu vou ao romper da hora
Então adeus
Eu vou seguindo rumo afora
Então adeus
Eu vou com Deus, Nossa Senhora
Então adeus
Eu vou sambar até… ah…
Então adeus

Discografia

  • (1996) Dóris Monteiro & Tito Madi: Brasil samba-canção • Sony • CD
  • (1994) Dóris Monteiro • Continental • CD
  • (1992) Samba canção • Sony Music • CD
  • (1989) Grandes intérpretes do Projeto Brahma • LP
  • (1989) Noel Rosa com vários intérpretes • PolyGram • LP
  • (1986) Essas mulheres • Continental • LP
  • (1981) Dóris Monteiro • Continental • LP
  • (1978) Dóris Monteiro e Lúcio Alves – No Projeto Pixinguinha • EMI – Odeon • LP
  • (1976) Dóris Monteiro agora • EMI – Odeon • LP
  • (1975) Dóris • EMI – Odeon • LP
  • (1974) Dóris Monteiro • Odeon • LP
  • (1973) “Dóris, Miltinho e charme – Vol. 4” • Odeon • LP
  • (1973) Dóris • Odeon • LP
  • (1972) Dóris • Odeon • LP
  • (1972) Dóris, Miltinho e charme vol. 3 • Odeon • LP
  • (1971) Dóris • Odeon • LP
  • (1971) Dóris, Miltinho e charme vol. 2 • Odeon • LP
  • (1970) Dóris Monteiro • Odeon • LP
  • (1970) “Dóris, Miltinho e charme” • Odeon • LP
  • (1969) Dóris Monteiro • Odeon • LP
  • (1969) Mudando de conversa • Odeon • LP
  • (1966) Simplesmente • Odeon • LP
  • (1964) Doris Monteiro • Philips • LP
  • (1963) Dóris Monteiro • Philips • LP
  • (1963) Dóris Monteiro • Philips • Compacto simples
  • (1962) Dóris • Columbia • LP
  • (1962) … Gostoso é sambar ! • Philips • LP
  • (1961) Palhaçada/Sei lá • Philips • 78
  • (1961) Fiz o bobão/Coração só faz bater • Philips • 78
  • (1961) Dóris Monteiro • Philips • LP
  • (1960) Vento soprando • Continental • LP
  • (1959) Argumentação/Uma só vez • Columbia • 78
  • (1959) Doris • Columbia • LP
  • (1958) Real conclusão/Faça de conta • Columbia • 78
  • (1958) Tim-tim por tim-tim/Eu não existo sem você • Columbia • 78
  • (1957) Graças a Deus/Melancolia • Continental • 78
  • (1957) Meu tema/Mocinho bonito • Columbia • 78
  • (1957) Doris Monteiro • Columbia • 33/10 pol.
  • (1957) Minha obsessão/Marcada • Columbia • 78
  • (1956) Vento soprando/Engano • Continental • 78
  • (1956) Confidências de Dóris Monteiro com música de Fernando César • Continental
  • (1956) Gosto da vida/Quando as folhas caírem • Continental • 78
  • (1955) Por que razão/Quando tu passas por mim • Continental • 78
  • (1955) Se é por falta de adeus/Dó-ré-mi • Continental • 78
  • (1955) Céu sem luar/Eu e o meu coração • Continental • 78
  • (1954) Basta dizer adeus/Desejo • Todamérica • 78
  • (1954) Minhas músicas com Dóris Monteiro • Todamérica • 33/10 pol.
  • (1953) Você não sabe/Ruínas • Todamérica • 78
  • (1953) Cedo para amar/Linguagem dos olhos • Todamérica • 78
  • (1953) Aconteceu de repente/É sempre amor • Todamérica • 78
  • (1953) Em Mangueira/Lili • Todamérica • 78
  • (1952) Quantas vezes?/Bate um sino além • Todamérica • 78
  • (1952) Agulha no palheiro/Perdão • Todamérica • 78
  • (1952) Marcha do apartamento/Sacrifício não se mede • Todamérica • 78
  • (1952) Sou tão feliz/Nunca te direi • Todamérica • 78
  • (1951) Se você se importasse/Fecho meus olhos…vejo você • Todamérica • 78

Em 21 de outubro de 1984 morria o cineasta francês François Truffaut

François Truffaut ficou famoso na história do cinema por, ao lado de nomes como Jean-Luc Godard, Eric Rohmer e Claude Chabrol, fundar o movimento cinematográfico Nouvelle Vague (a “Nova Onda”), que trouxe uma nova experiência para o cinema

Em 21 de outubro de 1984 morria o cineasta francês François Truffaut – um dos fundadores do movimento cinematográfico conhecido como Nouvelle Vague e um dos maiores ícones da história do cinema do século XX.
Alguns Filmes do diretor:

Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962): triângulo amoroso imaginado por Truffaut traz Jeanne Moreau como a instável emocionalmente Catherine. Ela era a base da felicidade e da tristeza de Jules e Jim.

A Noite Americana (1973): vencedor de melhor filme estrangeiro de 1973, traz uma discussão sobre o processo de produção de um filme. A personagem feminina mais uma vez é parte crucial da narrativa.

Fahrenheit 451 (1966): único filme de Truffaut falado em inglês e mostra um mundo onde os livros são proibido, ideia que por si só já seria assustadora. Ver meu artigo sobre Fahrenheit 451

A essência da humanidade: a esperança

Ganhei este lindo livro do Thiago de Mello por ter participado de um concurso de crônicas e poesias no colégio (ensino médio), o autor do bilhete não assinou, pela letra até imagino quem seja, reler este bilhete hoje tem um grande significado: a questão da esperança sempre está presente na minha vida.

Esse texto ainda é do tempo do EEPG PROFESSOR EMYGDIO DE BARROS…

Caótica Parafernália

Há muito tempo eu venho escrevendo sob tensão, raiva e medo. Tensão, raiva e medo. As vezes só com tensão (outras só com tesão), ou com raiva ou com medo. Há muito tempo escrevo com ódio e mais nada, nada. Nada como o vazio do próprio ser.

O que me faz a raiva? O que me traz o medo? Por que a tensão? (Cadê o tesão?). Tensão e raiva e medo.

Ódio? Que ódio, que medo? Nervos, raiva e ódio…

Viver morrendo, morrer vivendo: simples trocas…

Cheguei ao caos – caótico -, anti, ANTI: o animal radical, radical? (e se for sufixo?)

Antifilosofia, ou antesfilosofia? Antiherói (o que morreu morreu ficou prá trás), anticristo, antidiabo, antisatanás, antianimal. Antigamente…. tudo era tão diferente???

Há muito tempo escrevo sob tensão, raiva e medo. Raiva, medo e ódio.

LACÔNICO – não de lacunas, mas breve, curto, conciso. Duro, animal emergido do nada.

Duro como pedra, como aço – metal, metálico. Vi mundos caírem aos meus pés, ao meu redor. Psicodélico vi objetos voadores não identificados, ufos, UFA!, antidroga, anti-humano, antílope (veloz, carrega a dor da passagem)

“Da vida ao meio da jornada, tendo perdido o caminho verdadeiro, achei-me embrenhado em selva escura” (A Divina Comédia, Dante Alighieri)

Antitudo, antinada, antitodos. Escrevo sobre o nada com raiva, medo e ódio. Caído dos céus, dos céus das vagas estrelas dos homens. Sem nada para o fim, o infinito fim? Perdido.

Existem três alternativas: 1) Viver 2) Morrer 3) Estar perdido para sempre.

Não existem mais saídas no mundo do caos, Laos, paus, saos, maos, Que alternativas existirão?  Nada mais será asneira e sim tudo besteira.

Antiladrão, antipatrão, antiilusão no mundo do medo, cedo, azedo e sofrido, mas com pinta de alegre, democrático (de que riem os democratas?) asiático, asmático, enfático, panfleteador, funcionário público. Sem mais nada.

Antiparadisíaco (Paraíso?) O de Eva? Ou lá pelas bandas da Vergueiro? Antilúcido, anti anti o onteontem.

Pepe satan, Pepe satan, aleppe” A Divina Comédia – Dante Alighieri

Há certas ocasiões que escrevo com sonho, com sonho de sonhar o impossível. Ocasiões em que penso não mais pensar o impensável.

Muitas vezes nada escrevo pelo medo de ser censurado, cortado, malhado (sob a desculpa de ser melhorado). Sem nada de informações, escrevo malhado e molhado com raiva. E com medo daquele mundo caótico, católico, apostólico e bibliânico.

Abismo: lugar muito profundo na terra.   Será que nos enfiaremos? Sairemos?

Acordo: Deus fez com o povo de Israel; os empresários fizeram com os metalúrgicos e não cumpriram; Sadat com Israel, do Diabo com o Satanás, do carro com o novo preço da gasolina e com a poluição do ambiente. Acordos que são feitos sobre pressão, prisão, depressão e depressinha.

“Esta é a mensagem daquele que é o Primeiro e o Último (Alfa e Omega) que tornou a viver” (Bíblia). Será o Diabo o Meio?

“Os que conseguirem a vitória não sofrerão a segunda morte” (Bíblia) os que forem derrotados PACIÊNCIA!

Teatro, moda e cultura no V Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade do Espetáculo

No dia 18 de outubro de 2019 atuei como moderador de uma mesa durante o V Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade do Espetáculo evento organizado pelo grupo de pesquisa em Comunicação e Sociedade do Espetáculo do PPGCOM (Programa de Pós Graduação em Comunicação) da Faculdade Cásper Líbero. O grupo é liderado pelo professor doutor Cláudio Novaes Pinto Coelho.

A proposta do evento é refletir sobre a produção cultural na contemporaneidade, procurar compreender como esta produção está vinculada a processos comunicacionais que se concretizam em produtos midiáticos, que podem ou não estar integrados à dinâmica da sociedade capitalista do espetáculo, que articula produção e consumo de mercadorias e produção e consumo de imagens. Uma pergunta se coloca neste instante: Práticas de resistência a essa dinâmica são possíveis? Por outro lado, a contemporaneidade também nos coloca, tendo em vista o crescimento em escala mundial de governos repressivos, o desafio de refletir sobre as possibilidades de resistência diante das diferentes formas de exercício da opressão.

A mesa que mediei foi muito boa, com belas apresentações e contribuições para esta debate.

Giulia Garcia e o TEMPO Y ESPETÁCULO: poética e processos comunicacionais no Teatro Oficina, uma aula sobre a resistência do Teatro Oficina Uzyna Uzona e reflexões sobre as montagens de Roda Viva em 1968, 2018 e 2019. A Giulia está terminado o curso de jornalismo na Cásper Libero e é uma menina com futuro brilhante!
Em Polifonias no teatro popular: reflexões sobre a peça “Bom Retiro, Meu Amor” do TUOV, Mei Hua Soares, doutora e atriz, contou um pouco sobre o processo criativo do TUOV ( Teatro Popular União e Olho Vivo ) durante a elaboração da peça Bom Retiro Meu Amor: Ópera-Samba, Mei Hua Soares foi e é uma garota sensacional! Muito aprendi.

Em Cogitando sobre uma arte crítica: pensamento crítico em gesto, meu colega de grupo Antonio Duran mostrou o processo criativo do grupo Teatro da Vertigem, da qual é dramaturgo e a partir das reflexões entendermos um pouco mais sobre os processos de criação teatral. Antonio como sempre contundente, não dá para passar num debate com ele sem levar alguma experiência da prática teatral para casa.


Eis que, Entre flores e vaga-lumes: um recorte da cultura e da resistência em Pasolini, Ethel Pereira Shiraishi leva-nos ao mundo do enigmático e contundente cineasta e homem de cultura italiano. Nossa sempre boa anfitriã ( eventos e Relações Públicas), Ethel Pereira, sempre trazendo poesia onde não há esperança.


Em Arte, história e mídia: o que comunicam as releituras de O Quarto Estado, Fabiola Ballarati Chechetto, que nós carinhosamente a chamamos de Nina refletimos sobre sobre o quadro O Quarto Estado de Giuseppe Pellizza da Volpedo e suas diversas apropriações e ressignificações. O Novecento presente. Itália viva! Descobri na apresentação a referência do final do filme Novecento (1976) de Bernardo Bertolucci que marcou minha juventude!

E por último, a Moda como Cultura e Forma de Comunicação, na rápida, porém magnífica exposição sobre a moda como parte integrante de uma cultura e como forma de comunicação. Rafaella Piragini Fernandes, estudante de Relações Públicas na Faculdade Cásper Líbero traçou um breve percurso histórico cujo enfoque é justamente a moda em seu vínculo como questões mais amplas.. Ah! Madame Channel…