Aquele

concha
Aquele que eu julgava ser meu amigo, sumiu. Fugiu para não pagar a conta, o que me deve de direito e fato. Não telefona, não manda mensagem, Tem medo de ser localizado e imediatamente cobrado. Não sei se sinto saudade ou incômodo.

Aquele que eu julgava ser meu inimigo, apareceu. Finge agora ser amigo, esperto, articulista, quer cobrar a fatura depois. Pede-me dívida para posteriormente chamar de sua. A rua é a sua serventia, mas sem caráter teima em ficar mandando mensagem e tentando contato telefônico.

Aquele que eu nem julgava nada, ignorava, teima agora em ser amigo. Como filho de criação cristã, um homem sem rancor, eu posso abrir exceção e permitir minha amizade. Mas tudo pode complicar.

Ocorre que não sabemos mais a cor da nossa sombra. Se negra, racismo; se preta, preconceito; se vaga, ignatia; se colorida, homofobia; se branca, elitizada.

Aquilo que eu julgava escondido, agora aparece como feitiço atormentando meus dias. Só os meus dáimons é que entendem.

Por Gilberto da Silva, que procura suas razões para não ter nenhuma razão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s