O Louco do Tarot e o tempo cíclico

O Louco do Tarot e o tempo cíclico

Gilberto da Silva

 

Se o homem persistisse em sua loucura, tornar-se- ia sábio.
William Blake

 

O Louco do Tarot é a última carta dos Arcanos Maiores. É, simultaneamente, a carta número 22 e a 0. É como um eterno retorno, o ir e o vir. Um ciclo, um terminar e um recomeçar. Um novo caminho. Uma nova mudança que vai acontecer. O tempo do eterno retorno. O tempo cíclico sem a falsidade do tempo real.

O 22 é o Fim: a conquista do Mundo. O 0 é o “nada”. O Zero ou o NADA é uma criação do homem do século XII.

Na condição de LOUCO, tudo vai depender da evolução espiritual e humana do sujeito. Aqui está inserida as possibilidades: as inconstâncias da vida, a descoberta do novo, a incertezas sobre o que pode ou não pode acontecer em nossas vidas. O EU interior está em ebulição.

Estar em Louco é estar na propensão para uma aventura, para sonhos não realizados, preparados com a mala e mochila para novas viagens. Louco para a liberdade, para descobrimento ou desabrochar de sentimentos.

Estar no módulo Louco é estar preparado para problemas e estar atentos à negligência. Tudo porque o Louco está pronto para novas experiências sem olhar para suas consequências. A irresponsabilidade pode estar ali: pronta para prosperar.

O Louco pode ser o idiota, o rebelde, o insensato, o revolucionário ou alienado. Ou simplesmente um sábio…

 

Balada do Louco

Arnaldo Baptista e Rita Lee

Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mais louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz

Se eles são bonitos, sou Alain Delon
Se eles são famosos, sou Napoleão

Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu

Se eles têm três carros, eu posso voar
Se eles rezam muito, eu já estou no céu (no ar)

Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz
Eu juro que é melhor
Não ser o normal
Se eu posso pensar que Deus sou eu

Sim, sou muito louco, não vou me curar
Já não sou o único que encontrou a paz

Mas louco é quem me diz
E não é feliz. Eu sou feliz.

 

 

LOUCO
Composição: Wilson Batista e Henrique de Almeida

Louco, pelas ruas ele andava

O coitado chorava

Transformou-se até num vagabundo

Louco, para ele a vida não valia nada

Para ele a mulher amada

Era seu mundo

Louco, pelas ruas ele andava

O coitado chorava

Transformou-se até num vagabundo

Louco, para ele a vida não valia nada

Para ele a mulher amada

Era seu mundo

Conselhos eu lhe dei

Para ele se esquecer

Aquele falso amor

Ele se convenceu

Que ela nunca mereceu

Nem reparou

Sua grande dor

Que louco! Louco, pelas ruas ele andava

O coitado chorava

Transformou-se até num vagabundo

Louco, para ele a vida não valia nada

Para ele a mulher amada

Era seu mundo

Conselhos eu lhe dei

Para ele se esquecer

Aquele falso amor

Ele se convenceu

Que ela nunca mereceu

Nem reparou

Sua grande dor

Que louco!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s