DEFESA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

defesa
 
Por: Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros 
Dois pesos e duas medidas. É este o cenário da atual crise política instalada no país. Isso porque os setores mais retrógrados e conservadores exigem o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, utilizando métodos que rasgam a Constituição e colocam em risco os direitos individuais e coletivos de toda a sociedade brasileira. O combate à corrupção é uma bandeira e uma luta legítima em busca de uma sociedade justa e igualitária. No entanto, a operação Lava Jato apresenta a recorrente seletividade do Estado. Afinal, por que Eduardo Cunha, mesmo denunciado por corrupção, ainda segue na presidência da Câmara dos Deputados? Os meios de comunicação – especialmente o Sistema Globo – fortalecem uma rede de manipulação da informação e de omissão. É importante fazer a distinção entre um jornalismo sério e comprometido com os fatos, a pluralidade e a função social da comunicação e o uso deliberado da mídia para conduzir os rumos da política brasileira e inflamar, de forma irresponsável, uma determinada versão dos fatos.
A responsabilização de corruptos e corruptores é necessária e defendemos que todos sejam investigados, inclusive governos dos anos 90, que privatizaram empresas públicas como a Vale do Rio Doce e Telebrás, o que ocasionou enorme perda tecnológica e demissões de engenheiros. Não podemos corroborar com a quebra do Estado Democrático de Direito com a utilização de grampos ilegais, conduções coercitivas e o desrespeito ao direito de ampla defesa. Defendemos a apuração de fatos concretos, e não factoides criados pelos veículos de comunicação.
O clima de intolerância que se avizinha é temeroso e o grau de animosidade também é consequência de determinados atos arbitrários do Poder Judiciário, que ferem a democracia e a estabilidade do Brasil. A História mostra que o fortalecimento de maniqueísmos recai no totalitarismo e autoritarismo. Nosso país passou por diversos golpes políticos e uma ditadura civil-militar e suas consequências serviram para a retirada de direitos, a censura e a justificativa para a tortura e o assassinato de milhares de pessoas.
A derrubada de um governo não pressupõe o fim da corrupção que, em nosso país, está enraizada culturalmente. Todos nós somos contra a corrupção e defendemos que todos sejam investigados e responsabilizados, independentemente de filiação partidária. A crise política ainda é agravada pelo fator econômico com o aumento de desemprego e da inflação. Além de uma necessária mudança na atual política econômica no país, é preciso recordar que esse quadro é reforçado pela retração proposital de grandes empresários, que têm interesse na derrubada do governo. Os braços para um golpe estão formados com o apoio de grandes grupos econômicos, dos meios de comunicação e de determinados setores conservadores instalados no Poder Judiciário.
Clamamos a sociedade brasileira ao diálogo e à defesa da democracia para o restabelecimento político das relações sociais. Vamos juntos, homens e mulheres, debater e construir um Brasil justo, democrático, soberano e igualitário. Não vai ter golpe! Vai ter luta!
 
Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge)
23 de março de 2016
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s