O DIP

            

Criado através de decreto presidencial em dezembro de 1939, o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) tem suas origens em órgãos criados anteriormente no governo Vargas. Em 1931 foi criado o departamento oficial de publicidade que em 1934 se transformou em departamento de propaganda e difusão cultural (DPDC). Em 1938, o DPDC passou a ser denominado o Departamento Nacional de Propaganda (DNP). E foi do DNP que em 1939 foi surgir o DIP.  O DIP tinha função básica de difundir a ideologia do estado novo e aproximar a figura de Getúlio Vargas junto às camadas mais pobres, onde a propaganda e educação eram dois instrumentos muitos importantes para a adaptação do homem a nova realidade social.

O DIP não só doutrinava, mas também controlava as manifestações de pensamento no Brasil.

O monopólio exercido pelo DIP sobre os meios de comunicação através de censores nas redações de jornais, revistas e tv buscava banir da sociedade naquela época qualquer forma de manifestação ou pensamento contrario a ideologia do governo de Getúlio Vargas.

O DIP foi criado para priorizar os feitos do governo de Vargas e reforçar seu discurso populista para população, ou seja, Vargas queria mostrar para o povo não havia luta de classes na sociedade, o operário era igual a seu patrão, isso transformava a figura de Vargas em um pai bondoso, onipresente, benevolente que dava aos pobres (operários) incapazes de conseguir por conta própria criar a primeira grande lei trabalhista do país a Consolidação das leis do trabalho (CLT).

O DIP manipulou a cultura popular para conseguir de maneira mais eficiente a aceitação da política populista de Vargas pelo povo, onde Vargas em seus discursos vendia a ideia de que o trabalho seria recompensado pelo estado garantindo resultado em uma sociedade justa e igual para todos. Como consequência surgiram nas rádios varias músicas que Getúlio era um homem bom e que o trabalho levaria a população ao o sucesso, com o objetivo de acabar com a cultura de que “o bom é ser malandro” valorizando o trabalho como meio de desenvolvimento e ascensão social.

O discurso populista precisava atingir não só povo, mas também as classes dominantes,para isso Vargas tentava bloqueá-las e impedir que oposição dos agroexportadores aliados a classe média impedisse o Estado de se manter centralizador, autoritário e gestor da economia no Brasil, o DIP organizou seu modelo de divulgação e propaganda das propostas e realizações do governo em níveis diferentes para amplas camadas da sociedade onde a imprensa e o rádio foram os meios mais utilizados para difundir a política populista por sua características de grande penetração e alcance publico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s