Especialista dá dicas para evitar transtornos com a alimentação no período das festas

É possível comer o que se gosta, de forma moderada e saudável, evitando problemas como a intoxicação alimentar Foto: Agência Minas/ André Brant

Fim de ano chegou e com ele confraternizações, reuniões com amigos e familiares, viagens e saída da rotina. A alimentação muda, os horários ficam mais flexíveis e são permitidos até certos excessos com alimentação e bebida, por exemplo. Relaxar é bom, mas os cuidados com a saúde não devem ser deixados de lado.

Para que o período de descanso e lazer seja tranquilo e proveitoso, é preciso ter atenção com a qualidade dos alimentos e bebidas que ingerimos. Nesse período, é comum que as pessoas consumam alimentos que não fazem parte do dia a dia ou mesmo encomende pratos para a ceia ou comam mais em restaurantes.

Tudo isso faz com que estejam mais expostas a uma intoxicação alimentar, caso alguns cuidados não sejam seguidos. De acordo com o gastroenterologista do Hospital Anchieta, Dr. Rodrigo Aires de Castro, a intoxicação alimentar é um conjunto de sinais e sintomas decorrentes da ingestão de alimentos ou água contaminados com microorganismos – bactérias, vírus, fungos ou parasitas -, toxinas ou produtos químicos. “Essa contaminação pode acontecer na fabricação do alimento, durante o seu preparo, decorrente do modo de armazenamento e até nos utensílios utilizados para o seu consumo”, explica o médico.

O gastroenterologista diz que há uma tendência no aumento do número de casos durante as festas e férias devido, por exemplo, ao aumento do consumo de alimentos, especialmente fora de casa, na qual não se sabe a procedência ou os cuidados no preparo; ao consumo de alimentos em condições inadequadas de armazenamento, como em ambulantes nas praias, onde o alimento circula exposto ao calor e estraga mais rápido; além da exposição dos indivíduos a bactérias as quais não estão acostumados, como em viagens ao exterior ou a outro estado, ocasionando a chamada “diarreia dos viajantes”.

Quais são os sintomas e em quanto tempo aparecem?

O especialista aponta que os sintomas mais comuns são diarreia líquida, dor abdominal, náuseas, vômitos, febre e mal-estar. Casos mais graves podem evoluir para desidratação, perda de peso e queda da pressão arterial.

O tempo de manifestação dos sintomas depende de uma série de fatores tanto do indivíduo – imunidade, doenças crônicas, uso de medicações, entre outros – quanto do microorganismo infectante. “Por isso temos sintomas que se desenvolvem muito rapidamente, em poucas horas, ou levam vários dias para surgirem. Se levarmos em consideração apenas os agentes causais mais comuns, vírus e bactérias, varia, usualmente, de seis a 48 horas o período entre a ingestão e o início dos sintomas”, aponta Dr. Rodrigo.

Tratamento

A maioria dos casos é leve e melhora dentro de poucos dias. A recomendação, segundo o médico, é manter uma hidratação adequada, consumir alimentos leves, evitando condimentos, leites e derivados, cafeína e gordura. “Em casos mais intensos, especialmente se há desidratação, recomendamos procurar auxílio médico para que seja feita uma avaliação profissional e uma condução adequada, pois pode ser necessária a administração de soro endovenoso e antibióticos”, esclarece.

O médico alerta ainda que é preciso iniciar logo o tratamento para evitar complicações como a desidratação, principalmente em crianças e idosos. Caso não haja uma intervenção adequada, pode evoluir para casos mais graves e até óbito. “Se houver diminuição da saliva, ausência de lágrimas durante o choro, urina em pouca quantidade e com cor e cheiro forte, perda da elasticidade da pele e sonolência e/ou diminuição do nível de consciência, deve-se procurar ajuda médica imediatamente”, ressalta Dr. Rodrigo.

Confira como evitar uma intoxicação alimentar:

•             Lave bem as mãos antes de manipular ou ingerir alimentos;

•             Tome cuidado com o local e a procedência daquilo que você come;

•             Se for consumir algo de ambulantes, dê preferência para aqueles que estão mais bem acondicionados e que o vendedor não manipule os alimentos com as mãos;

•             Evite alimentos crus;

•             Verifique as condições de higiene do local onde vai comer;

•             Cuidado ao ingerir água, prefira sempre as minerais engarrafadas;

•             Se ainda assim, você ou alguém que você gosta tiver sido vítima de uma intoxicação alimentar, preste atenção à hidratação, oferecendo (ou ingerindo) líquidos em maior quantidade e/ou frequência. Procure auxílio médico!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.