A vida é eterna em cinco minutos

 

hqdefault

Por Gilberto da Silva

Tecia os mais belos panos em seu plano de chão entretida na tecelagem em que trabalhava. Suas mãos calejadas seu sorriso cansado e a boca pintada ao sair da tarde. Poderia ter encantamento? Poderia ter emoção? Sua volta para casa, suada, amassada num coletivo da metrópole. Poderia ser amada por ele? Ele, um ser mais pensante, falante e pulsante e de mãos não calejadas. Mas moravam no mesmo bairro e viviam em condições quase idênticas. Um chão para os dois seria suficiente. Uma tarde, um passeio, mãos que trocam impressões e a falta de assunto a persistir no encontro. Que falar? Lá na praça jovens trocavam caricias e emoções enquanto a cavalaria policiana entrava pelas avenidas procurando de rebeldes barbudos e cheio de livros. Ela sorria e não entendia o motivo de um jovem como Ele ter interesse nela. Lá longe o velho olhava com um ar pensante retroativo como a lembrar de anos passados ali, no mesmo lugar, deitado numa grama beijando sua amada, a sua doce que se foi. Recordando seu tempo, calado, o homem parece cantar uma canção antiga. Ele queria amar e poderia, mas não pode. Caminhando de mãos dadas, os jovens voltam para o coletivo que os levará de volta ao subúrbio. Ao destino único. Ao destino permitido. O último beijo dado e um sorriso breve. Timidez de um, vergonha em outro, mas só aos dois cabia a decisão de continuar. No dia seguinte tudo recomeça e Ela tem que voltar para tecer as tramas de seus dias. Ele volta para sua casa e ouve num vinil Te recuerdo Amanda de Victor Jara.

 

Te recuerdo Amanda – Victor Jara

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel

La sonrisa ancha,
la lluvia en el pelo,
no importaba nada,
ibas a encontrarte con él
con él, con él, con él, con él

Son cinco minutos
la vida es eterna
en cinco minutos

Suena la sirena
de vuelta al trabajo
y tú caminando
lo iluminas todo
los cinco minutos
te hacen florecer

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel

La sonrisa ancha
la lluvia en el pelo
no importaba nada
ibas a encontrarte con él
con él, con él, con él, con él

Que partió a la sierra
que nunca hizo daño
que partió a la sierra
y en cinco minutos
quedó destrozado

Suena la sirena
de vuelta al trabajo
muchos no volvieron
tampoco Manuel

Te recuerdo Amanda
la calle mojada
corriendo a la fábrica
donde trabajaba Manuel

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s